Home / Ginecologia e Obstetrícia / O que você precisa saber sobre a nova diretriz para o tratamento clínico da incontinência urinária em mulheres

O que você precisa saber sobre a nova diretriz para o tratamento clínico da incontinência urinária em mulheres

Ginecologia e Obstetrícia, Medicina Interna
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: < 1 minutos.

Evidências mostram que mulheres com incontinência urinária grave sofrem uma perda significativa na qualidade de vida por razões como ansiedade, depressão, isolamento social, infecções perineais e disfunção sexual. Por isso, é muito importante que os médicos saibam tratar essas pacientes.

American College of Physicians (ACP) publicou seu guideline para o tratamento clínico da incontinência urinária em mulheres e nós separamos para você os principais pontos.

Entre as principais orientações com evidências fortes estão:

• É recomendado o treino muscular do assoalho pélvico como terapia de primeira linha em mulheres com incontinência urinária por estresse
• O treino deve ser combinado com treinamento da bexiga em mulheres com incontinência mista
• Se o treinamento da bexiga não tiver êxito no tratamento das mulheres com incontinência de urgência, deve ser utilizada terapia farmacológica. A escolha do agente é uma decisão multifatorial

Veja também: ‘Câncer de bexiga, quando suspeitar da doença?’

Entre as orientações baseadas em evidências moderadas destacam-se:

• Recomenda-se o treinamento da bexiga em mulheres com incontinência urinária de urgência
• Não tratar a incontinência por estresse com terapia farmacológica sistêmica
• Para mulheres obesas com incontinência urinária é recomendada a perda de peso e exercícios

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Referências:

  • Culbertson S, Davis AM. Nonsurgical Management of Urinary Incontinence in Women. JAMA. 2017;317(1):79-80. doi:10.1001/jama.2016.18433

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.