Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Omalizumabe: medicamento para asma grave será oferecido pelo SUS
médica auscultando menina com asma grave

Omalizumabe: medicamento para asma grave será oferecido pelo SUS

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Pacientes com asma alérgica grave agora podem contar com mais uma opção de tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS): o omalizumabe.

O medicamento é indicado para o controle dos casos graves da enfermidade, quando os sintomas são diários ou contínuos e sem resposta ao tratamento já disponível no SUS.

Uma curiosidade é que em um primeiro momento a equipe da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) não havia identificado evidências científicas suficientes sobre os benefícios do tratamento com o fármaco. Entretanto, durante uma consulta pública, a Conitec recebeu mais de 2.300 mensagens de pessoas que relatavam a melhoria dos sintomas provocados pela doença após o tratamento, como diminuição das crises e a redução da necessidade de hospitalização.

As manifestações apresentadas foram enviadas por especialistas e profissionais de saúde, além de pacientes, familiares e cuidadores. Com essas contribuições, as evidências sobre os benefícios do uso do medicamento foram aceitas pela Conitec, que autorizou a incorporação do fármaco em dezembro do ano passado.

“O omalizumabe atenderá a uma população bem específica, que mesmo recebendo o melhor tratamento atualmente disponível e seguindo corretamente todas as orientações, não consegue controlar a asma e continua tendo crises e, muitas vezes, passando por hospitalizações. Com esse medicamento, espera-se que ocorra a redução das internações, que os pacientes consigam controlar a doença e, consequentemente, melhorem a qualidade de vida”, explica Vânia Canuto, diretora do Departamento de Gestão de Incorporação de Tecnologias e Inovação em Saúde.

O remédio é indicado para pessoas acima de seis anos com asma alérgica moderada a grave não controlada, apesar do uso de corticoide inalatório (CI) associado a um beta2-agonista de longa duração (LABA), sendo aplicado por via subcutânea em doses que variam conforme o peso e a gravidade da doença.

Leia também: Asma grave: aprovado mepolizumab para crianças a partir de 6 anos

Asma

A asma está entre os problemas respiratórios mais comuns no país, atingindo a cerca de 20 milhões de brasileiros, sendo que entre 5% e 10% dos casos são considerados graves.

A enfermidade é uma causa importante de internações no SUS. Cerca de 350 mil internações hospitalares são registradas anualmente na rede pública, decorrentes de complicações relacionadas à doença. O custo econômico da asma é considerável, tanto em termos de custos diretos (internação hospitalar e medicamentos), como indiretos (tempo de trabalho perdido e morte prematura). A asma grave ou não controlada é responsável pela maior parte da utilização dos recursos de saúde, com custos elevados.

A asma é uma doença inflamatória crônica das vias respiratórias, geralmente associada à hiper-reatividade das vias aéreas e obstrução do fluxo de ar e caracterizada por crises recorrentes de sibilos, dispneia, opressão torácica e tosse.

Durante uma crise asmática, cuja frequência e gravidade variam de pessoa para pessoa, a membrana que envolve os brônquios se torna edemaciada, o que provoca estreitamento das vias aéreas e reduz o fluxo de ar para dentro e fora dos pulmões. Afeta tanto adultos quanto crianças e é a doença crônica mais comum entre essas últimas.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor:

Referências bibliográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.