Leia mais:
Leia mais:
AAP 2021: associação de amamentação com asma infantil
Quiz: Paciente idosa e asmática sem tratamento dá entrada na emergência. Qual o diagnóstico?
AAP 2021: corticoides inalatórios no pronto-socorro para asma recorrente após fim de programa de incentivo
3 doenças com mais risco na pediatria
Quiz: Mulher com insuficiência respiratória por pneumonia é intubada com cetamina. Sobre o sedativo, o que é falso?

Omalizumabe: medicamento para asma grave será oferecido pelo SUS

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Pacientes com asma alérgica grave agora podem contar com mais uma opção de tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS): o omalizumabe.

O medicamento é indicado para o controle dos casos graves da enfermidade, quando os sintomas são diários ou contínuos e sem resposta ao tratamento já disponível no SUS.

Uma curiosidade é que em um primeiro momento a equipe da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) não havia identificado evidências científicas suficientes sobre os benefícios do tratamento com o fármaco. Entretanto, durante uma consulta pública, a Conitec recebeu mais de 2.300 mensagens de pessoas que relatavam a melhoria dos sintomas provocados pela doença após o tratamento, como diminuição das crises e a redução da necessidade de hospitalização.

As manifestações apresentadas foram enviadas por especialistas e profissionais de saúde, além de pacientes, familiares e cuidadores. Com essas contribuições, as evidências sobre os benefícios do uso do medicamento foram aceitas pela Conitec, que autorizou a incorporação do fármaco em dezembro do ano passado.

“O omalizumabe atenderá a uma população bem específica, que mesmo recebendo o melhor tratamento atualmente disponível e seguindo corretamente todas as orientações, não consegue controlar a asma e continua tendo crises e, muitas vezes, passando por hospitalizações. Com esse medicamento, espera-se que ocorra a redução das internações, que os pacientes consigam controlar a doença e, consequentemente, melhorem a qualidade de vida”, explica Vânia Canuto, diretora do Departamento de Gestão de Incorporação de Tecnologias e Inovação em Saúde.

O remédio é indicado para pessoas acima de seis anos com asma alérgica moderada a grave não controlada, apesar do uso de corticoide inalatório (CI) associado a um beta2-agonista de longa duração (LABA), sendo aplicado por via subcutânea em doses que variam conforme o peso e a gravidade da doença.

Leia também: Asma grave: aprovado mepolizumab para crianças a partir de 6 anos

médica auscultando menina com asma grave

Asma

A asma está entre os problemas respiratórios mais comuns no país, atingindo a cerca de 20 milhões de brasileiros, sendo que entre 5% e 10% dos casos são considerados graves.

A enfermidade é uma causa importante de internações no SUS. Cerca de 350 mil internações hospitalares são registradas anualmente na rede pública, decorrentes de complicações relacionadas à doença. O custo econômico da asma é considerável, tanto em termos de custos diretos (internação hospitalar e medicamentos), como indiretos (tempo de trabalho perdido e morte prematura). A asma grave ou não controlada é responsável pela maior parte da utilização dos recursos de saúde, com custos elevados.

A asma é uma doença inflamatória crônica das vias respiratórias, geralmente associada à hiper-reatividade das vias aéreas e obstrução do fluxo de ar e caracterizada por crises recorrentes de sibilos, dispneia, opressão torácica e tosse.

Durante uma crise asmática, cuja frequência e gravidade variam de pessoa para pessoa, a membrana que envolve os brônquios se torna edemaciada, o que provoca estreitamento das vias aéreas e reduz o fluxo de ar para dentro e fora dos pulmões. Afeta tanto adultos quanto crianças e é a doença crônica mais comum entre essas últimas.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor:

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar