Organizando a consulta: o guia Calgary-Cambridge

Em mais um texto da Série Comunicação Médica, vamos entender a importância da comunicação e criação de vínculos na prática médica.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Quando pensamos nos métodos ortodoxos de ensino médico, nos vem à mente o modelo tradicional de educação, onde aprendemos por anos sobre as doenças, suas definições, fisiopatologia, achados do exame físico, diagnóstico e tratamento. Partindo dessas premissas, enquadramos nossos pacientes em “caixas diagnósticas”. Porém, com o entendimento da complexidade do paciente veio a necessidade (e o entendimento) de que “caixas” são muito pouco para guardar a essência do que são os nossos pacientes. 

Foi pensando em melhorar esse modelo tradicional, aliando-o às ferramentas de comunicação efetiva e relações interpessoais, que foi apresentado em 1996 o guia Calgary-Cambridge, que foi modificado em 2003 pelos seus autores originais. 

Leia também: Comunicação Médica: por que o médico precisa estudar comunicação? 

 

série comunicação médica - guia de consulta

O que é o guia de Calgary-Cambridge? 

A premissa básica deste método é o respeito, que possibilita aumentar a capacidade do médico de obter informações e interagir adequadamente com o paciente. Além disso, o paciente entende melhor o que lhe é reportado pelo médico, e é capaz de seguir as orientações através de um modelo estruturado de consulta médica. A estrutura desse modelo se dá em cinco etapas sequenciais (enumeradas neste texto de 1 a 5) e duas etapas concorrentes (identificadas como A e B) que permitem a construção de um vínculo entre médico e paciente. 

  

Antes da consulta 

Antes de iniciar o atendimento, o médico deve se preparar para receber o paciente: deverá atender às suas necessidades pessoais, como ir ao banheiro, responder mensagens ou ligações importantes; desligar-se da última consulta realizada com outro paciente ou situação vivida; e concentrar seu foco total no próximo paciente. 

 

Durante a consulta 

1. Providenciando estrutura para a consulta:  

Estruture sua entrevista de maneira lógica, com tempo de atendimento determinado e não perca o foco na consulta. Sempre confirme que você foi entendido pelo paciente e que o paciente entendeu o que foi dito por você. Avise ao paciente sobre os próximos passos da consulta. 

2. Construindo o relacionamento:  

Atenção aos sinais que você manda para o seu paciente. Faça contato visual, evite expressões faciais que denotam julgamento, mantenha a postura e posicionamento adequados frente ao paciente. Module a voz de acordo com o andamento da consulta (exemplo: utilize uma voz calma e apaziguadora quando o paciente demonstrar tensão ou nervosismo). Tome notas escritas sem atrapalhar o relato do paciente. Seja sensível às dores dos pacientes, tanto emocionais quanto físicas, e se importe verdadeiramente com o que ele sente. Compartilhe pensamentos com o seu paciente sempre que achar necessário de modo a encorajá-lo, facilitar a abertura ou mesmo aumentar o vínculo entre vocês. 

  

Estrutura da consulta

1. Iniciando a consulta

Estabeleça um vínculo inicial com o seu paciente, cumprimente-o, apresente-se e aprenda o seu nome, demonstrando interesse e respeito e deixando-o o mais confortável possível. Após, verifique as razões da consulta por meio de uma pergunta aberta (ex: “O que posso fazer por você? O que o trouxe até essa consulta? Como a senhora está?”). 

Nesse diálogo inicial os médicos geralmente esperam 18 segundos antes de realizar a primeira interrupção. Mude isso: ouça seu paciente atentamente, não o interrompa por ao menos dois minutos, foque nas queixas e preocupações que serão apresentadas pelo seu paciente. Quando for necessário questionar o paciente, utilize questões abertas (ex: “Fale mais sobre isso…”). Anote as queixas principais e confira com o paciente se esses são, de fato, os problemas que vocês dedicarão esforços para resolver. 

2. Reunindo as informações

A partir da lista de queixas do paciente definida em conjunto na primeira parte da consulta, iremos determinar uma lista de problemas, que leva em conta as perspectivas médicas e do paciente. Nessa etapa, a escuta ativa é fundamental. Devemos equilibrar o uso de perguntas abertas e fechadas, de modo a transformar as queixas iniciais do paciente em uma lista de problemas estruturados. Utilize linguagem clara, garanta sempre que o paciente está sendo ouvido e confirme se você entendeu o que ele lhe disse. 

Periodicamente o médico deve fazer um resumo do andamento da conversa, pedindo que o paciente o corrija em caso de interpretação errônea. A todo o tempo o paciente deverá ser um construtor tão participativo quanto o médico no processo da consulta médica. Estabeleça datas e uma sequência de eventos tornando a história clínica mais fluida.

3. Exame físico

A partir da lista de problemas elaborada no segundo passo devemos solicitar permissão ao paciente para examiná-lo. As variações na forma do exame físico são marcantes de escola para escola, entretanto, devemos ter uma abordagem que valorize a avaliação dos principais órgãos e sistemas, além de valorizar os itens do exame físico que são mais diretamente relacionados aos problemas elencados na lista, de modo a auxiliar no raciocínio clínico.

4. Explicação e planejamento

A explicação dos problemas e hipóteses diagnósticas talvez seja a parte mais importante na formação do vínculo entre médico e paciente, pois a maioria dos pacientes não possui informações fundamentais sobre a sua condição clínica. A ideia é dar a quantidade de informação adequada a cada paciente e garantir o seu entendimento, fazendo uso de todos os tipos de estratégias que facilitem a compreensão (ex: uso de dados, analogia, sequência lógica, desenhos, diagramas…). 

Quando o paciente entende o seu problema médico, o próximo passo é planejar quais ações serão tomadas em relação a isso. A decisão deve ser compartilhada e o médico deve incluir possíveis resultados e desfechos de curto e longo prazos, de modo que o paciente se comprometa com as orientações e propostas de tratamento. É nessa fase que complicações e desfechos inesperados deverão ser abordados, bem como o modo que o paciente e o médico deverão reagir perante sua ocorrência. Reforce quando, como e onde o paciente deve procurar ajuda. Confira com o seu paciente se os planos são aceitáveis e se suas preocupações foram abordadas na consulta. 

5. Concluindo a consulta

Nesse momento, confirme o plano de cuidados traçado por vocês, estabeleça os próximos passos, o plano reserva, e firme um contrato com o seu paciente. É nesse momento que você deve conferir pela última vez se você e o seu paciente estão se entendendo. 

 

Mensagem prática 

O guia Calgary-Cambridge sintetiza por meio de habilidades como devemos proceder em relação à abordagem durante a consulta médica. Após a sua modificação em 2003, este modelo passou a se apresentar de modo mais fluido, facilitando a improvisação e modos de uso, porém sua ideia central permanece: o relacionamento entre médico e paciente deve se basear em respeito mútuo e troca eficaz de informações. Cabe a nós, médicos, garantir que o paciente se sinta bem em nossa presença, que sejamos aliados no combate às suas preocupações, inquietações e não só das suas doenças. O holofote do nosso trabalho deve ser colocado sobre a pessoa que tem a doença, já que a doença não deve nunca ter uma pessoa. 

 

Saiba mais: Série Comunicação Médica – Criando Vínculos: Confira a nova série do Portal PEBMED  

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão
  • # Kurtz SM, Silverman JD. The Calgary-Cambridge observation guides: an aid to defining the curriculum and organizing the teaching in communication training programmes. Med Educ. 1996;30:83–9. 
  • # Kurtz SM, Silverman JD, Benson J, Draper J. Marrying Content and Process in Clinical Method Teaching: Enhancing the Calgary-Cambridge Guides. Academic Medicine. 2003;78(8):802-809. 
  • # Cardoso GF, Braga SLO, Gotardelo DR. A consulta na atenção básica: potencialidades do modelo de Calgary-Cambridge. Braz. J. Surg. Clin. Res. 2017; 19(1):104-6.