Página Principal > Cardiologia > Posição inclinada é melhor que sniff position na intubação pré-hospitalar?
intubação

Posição inclinada é melhor que sniff position na intubação pré-hospitalar?

Tempo de leitura: 1 minutos.

Durante a intubação, o posicionamento do paciente é uma das etapas fundamentais. O objetivo é melhorar a visualização da glote (Comarck) e o tempo de apneia. Tradicionalmente, na sequência rápida de intubação, é recomendada a posição olfativa (sniff position), com flexão cervical sobre coxim occipital associada à extensão da cabeça.

Por outro lado, estudos recentes vêm destacando que a posição inclinada (de 30 graus a até sentado!) permite visualização glótica excelente, redução das secreções em via aérea e bom tempo de apneia. Um estudo recente recrutou 4800 pacientes atendidos pelo serviço de ambulância em Seattle, EUA. Foram excluídos trauma e parada cardíaca.

Leia maisA intubação será difícil neste paciente? Descubra!

A população do estudo tinha idade média de 59 anos, 51% de homens, com causas respiratórias como motivo mais frequente para intubação. Foram relatados 59% dos pacientes com Comarck 1, 13% de obesos e 15% com excesso de secreções ou sangue em via aérea. Quase todos os pacientes foram submetidos à sequência rápida de intubação.

O estudo mostrou que a posição inclinada ou sentada permitiu maior taxa de intubação na primeira tentativa quando comparada com a posição supina: 86,3% versus 82,5%. O maior sucesso foi atribuído à melhor visualização (62 vs 59%) e menos secreção (11 vs 18%).

Por isso, considere em suas tentativas de intubação, a posição semi-inclinada ou sentado. Pacientes secretivos, com hemoptise, hematêmese e obesidade mórbida são os que provavelmente mais se beneficiarão dessa iniciativa.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • MURPHY, David L. Inclined position is associated with improved first pass success and laryngoscopic view in prehospital endotracheal intubations. AJEM. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ajem.2019.02.038

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.