Página Principal > Cirurgia Plástica > Profilaxia de TVP em Cirurgia Plástica
coágulo de sangue

Profilaxia de TVP em Cirurgia Plástica

Tempo de leitura: 3 minutos.

A frequência de trombose venosa profunda (TVP) em pacientes submetidos à cirurgia plástica varia muito em trabalhos científicos publicados, desde menos de 1% a até 2%. Parece pouco, mas levando-se em consideração a população exposta, é bastante significativo.

A Abdominoplastia tem maior risco de TVP do que outros procedimentos estéticos, variando de 1,4% até 2%. Quando é associada a outros procedimentos, a incidência aumenta até 6,6%. Ainda mais alarmante, a Dermolipectomia Circunferencial (Belt Lipectomy) tem, segundo Aly e colaboradores, uma incidência de embolia pulmonar de 9,4%. Podemos esperar incidências maiores de TVP em pacientes submetidos a cirurgias mais longas após perda de peso significativa.

Uma combinação de fatores de risco como história prévia de TVP, malignidades, trombofilias, obesidade, entre outros, são levados em consideração para avaliar o risco. A avaliação do risco pelo Modelo Caprini pode ser usado para determinar qual a profilaxia adequada.

Em cirurgia plástica, Davison e colaboradores descreveram um modelo diferenciado para aplicação nesses pacientes. Embora útil, não leva em consideração muitos fatores de risco já conhecidos, indo diretamente contra o consenso médico sobre o assunto. Outro modelo descrito por McDevitt, embora também omitindo alguns fatores de risco, está mais alinhado com a literatura médica sobre o tema.

Mais do autor: ‘Cirurgia plástica em adolescentes – o que devemos considerar’

O uso de meias de compressão ou botas pneumáticas para todo paciente com cirurgias que duram 1 hora ou mais ou que estejam sob anestesia geral parece ter consenso como o mínimo adequado para esses casos. A deambulação precoce é fundamental, quando possível, para diminuição do risco de TVP e EP. O posicionamento do paciente com joelhos a 5 graus na mesa cirúrgica maximiza o fluxo venoso nas veias poplíteas. Alguns serviços de cirurgia plástica têm como rotina o uso de quimioprofilaxia em cirurgias plásticas abdominais e cirurgias associadas.

Os cirurgiões plásticos relutam, entretanto, em usar quimioprofilaxia pelo risco de sangramentos pós-operatórios. Na minha experiência pessoal, esse risco é significativo após lift cervico-facial, em especial. Durante a consulta, os riscos e benefícios da anticoagulação devem ser discutidos com o paciente. Cirurgia Plástica é uma especialidade ímpar e essa discussão deve fazer parte da avaliação pré-operatória.

Embolia pulmonar é a principal causa de morte que pode ser evitada após cirurgias. Em 70% a 80% das fatalidades resultantes de EP, a possibilidade de TVP não foi sequer aventada antes da cirurgia.

Prevenir não é difícil. Os pacientes de cirurgia plástica podem ser de baixo risco, mas os procedimentos não são. Os cirurgiões plásticos precisam ajustar seu pensamento a essa realidade, mudando estratégias apesar dos riscos envolvidos no uso de anticoagulantes, que sempre serão de menor gravidade se comparados a uma possível embolia pulmonar.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

Referências:

  • Rohrich RJ Rios JL Venous thromboembolism in cosmetic plastic surgery: maximizing patient safety Plast Reconstr Surg  2003;112:871–872
  • Geerts WH Pineo GF Heit JA Bergqvist D Lassen MR Colwell CW et al. Prevention of venous thromboembolism: the Seventh ACCP Conference on Antithrombotic and Thrombolytic Therapy Chest 2004;126 3 Suppl: 338S-400S
  • Poponick J Bosker G. The current challenge of venous thromboembolism (VTE) in the hospitalized patient: optimizing recognition, evaluation, and prophylaxis of deep venous thrombosis (DVT) and pulmonary embolism (PE). Part I: patient identification, risk factor assessment, and diagnostic strategies Hosp Med Consensus Rep July 1, 2002 January 30 2006
  • Stein PD Deep venous thrombosis (DVT) Best Pract Med August 2001 January 30, 2006
  • Colucciello SA Protocols for deep venous thrombosis (DVT): a state-of-the-art review. Part I: risk factor assessment, physical examination, and current diagnostic modalities Emerg Med Rep April 1, 2000 January 30, 2006
  • Colucciello SA Protocols for deep venous thrombosis (DVT): a state-of-the-art review. Part II: patient management, anticoagulation, and special considerations Emerg Med Rep May 1, 2000 January 30,  2006
  • Tamariz LJ Eng J Segal JB Krishnan JA Bolger DT Streiff MB et al.    Usefulness of clinical prediction rules for the diagnosis of venous thromboembolism: a systematic review Am J Med 2004 117 676 – 684
  • Kahn SR The post-thrombotic syndrome: the forgotten morbidity of deep venous thrombosis J Thromb Thrombolysis 2006 ; 21: 41–48
  • Davison SP, Ventrum ML,Attinger CE, Baker SB, Spear SL. Prevention of venous thromboembolism in the plastic surgeon patient . Plast Reconstr Surg 1989;83:997-1004
  • McDevitt NB. Deep vein thrombosis prophylaxis. Plast Reconstr Surg 1999;104:819-822

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.