Página Principal > Cardiologia > Psoríase e IAM: existe relação?
manchas vermelhas na pele

Psoríase e IAM: existe relação?

Tempo de leitura: 4 minutos.

Estudos demonstram relação entre doenças inflamatórias crônicas (lúpus eritematoso sistêmico, artrite reumatoide, doença periodontal) e elevado risco de doença cardiovascular. Sabidamente a inflamação representa um papel importante no processo de aterotrombose. Alguns estudos demonstram que, independente dos fatores de risco tradicionais, pacientes com doença inflamatória crônica apresentam risco cardiovascular elevado.

A psoríase é uma doença inflamatória cronica sistêmica e encontramos na literatura associação de tal enfermidade com maior risco de infarto do miocárdio, ficando claro se os que apresentam risco mais elevado são os mais jovens e com doença mais grave.

A psoríase está associada a várias outras comorbidades, entre elas hipertensão arterial sistêmica (HAS), diabetes mellitus (DM), dislipidemia, obesidade e síndrome metabólica. O processo de inflamação sistêmica crônica que é encontrado na psoríase parece ser um fator de risco independente para estas comorbidades e também para o surgimento de aterosclerose precoce.

A inflamação sistêmica presente na psoríase pode provocar uma aterosclerose acelerada de forma independente –isso ocorreria pela disfunção endotelial e pelo estresse oxidativo mecanismos observados em outras doenças inflamatórias crônicas sistêmicas.

Psoríase e associação com HAS

Alguns mecanismos que podem explicar a prevalência aumentada de HAS em indivíduos com psoríase são os níveis aumentados da enzima conversora da angiotensina e da atividade da renina, que modulam o tônus vascular e liberam citoquinas associado a níveis elevados de endotelina 1, que funciona como potente vasoconstrictor.

Psoríase associada a DM e resistência à insulina

Aceita-se que essa associação deva-se ao fato da presença da inflamação crônica sistêmica nestes pacientes.

Psoríase e dislipidemia

Encontramos em doentes com psoríase concentrações séricas mais elevadas de triglicerídeos, colesterol total, VLDL, LDL, apolipoproteína A e, ao mesmo tempo, níveis mais baixos de HDL, colesterol e apolipoproteína B.

Psoríase e obesidade

Estudos demonstram que pacientes com psoríase possuem, comparativamente com a população sem psoríase, excesso de peso e obesidade representados por um IMC maior ou igual 30kg/m2. Não se sabe ainda se a obesidade é causa ou consequência da psoríase.

Psoríase e síndrome metabólica

Define-se síndrome metabólica quando encontramos o somatório de três ou mais desses achados no mesmo paciente: obesidade abdominal (circunferência da cintura maior ou igual a 102 em homens e maior ou igual a 88 em mulheres), diminuição do HDL < 40 em homens e < 50 em mulheres, hipertrigliceridemia maior ou igual a 150, hipertensão arterial e aumento da resistência à insulina ou glicemia de jejum elevada maior ou igual a 100mg/dl. Doentes com psoríase têm risco aumentado de síndrome metabólica.

Mais do autor: ‘Novos biomarcadores na insuficiência cardíaca: um futuro promissor’

Na síndrome metabólica encontramos um estado pró-inflamatório e pró-trombótico com níveis elevados de interleucina 6, TNF-alfa, leptina, fibrinogênio e PCR com diminuição de adiponectina que é anti-inflamatório. O TNF-alfa parece apresentar importante papel tanto na psoríase quanto na síndrome metabólica.

O uso de medicamentos para tratar psoríase pode influenciar no risco cardiovascular dos pacientes. Em estudos com metotrexato e artrite reumatoide, houve redução de riscos de eventos cardiovasculares. A utilização de inibidores do TNF-alfa melhoram alguns marcadores de risco de doença cardiovascular e a longo prazo reduzem a incidência de DM e eventos cardiovasculares.

O grande papel do médico, independente de sua especialidade, nesse caso é identificar e tratar corretamente a psoríase e, portanto, a inflamação sistêmica que nela ocorre, podendo então prevenir as complicações e os eventos cardiovasculares.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

Referências:

  • Neimann AL, Shin DB, Wang X, Margolis DJ, Troxel AB, Gelfand JM. Prevalence of cardiovascular risque factors in patients with psoriasis. J Am Acad Dermatol. 2006;55:829-35.
  • Brauchli YB, Jick SS, Miret M, Meier CR. Psoriasis and risk of incident myocardial infarction, stroke or transient ischaemic attack: an inception cohort study with a nested case-control analysis. Br J Dermatol. 2009;160:1048-56.
  • National Cholesterol Education Program Expert Panel on Detection E, Treatment of High Blood Cholesterol in A. Third Report of the National Cholesterol Education Program (NCEP) Expert Panel on Detection, Evaluation, and Treatment of High Blood Cholesterol in Adults (Adult Treatment Panel III) final report. Circulation. 2002;106:3143-421.
  • Levi M, Nieuwdorp M, van der Poll T, Stroes E. Metabolic modulation of inflammation-induced activation of coagulation. Semin Thromb Hemost. 2008;34:26-32.
  • Patel DA, Srinivasan SR, Xu JH, Chen W, Berenson GS. Adiponectin and its correlates of cardiovascular risk in young adults: the Bogalusa Heart Study. Metabolism. 2006;55:1551-7.
  • Wu JJ, Poon KY, Channual JC, Shen AY. Association between tumor necrosis factor inhibitor therapy and myocardial infarction risk in patients with psoriasis. Arch Dermatol. 2012;148:1244-50.
  • Solomon DH, Massarotti E, Garg R, Liu J, Canning C, Schneeweiss S. Association between disease-modifying antirheumatic drugs and diabetes risk in patients with rheumatoid arthritis and psoriasis. JAMA. 2011;305:2525-31.
  • Neimann AL, Shin DB, Wang X, Margolis DJ, Troxel AB, Gelfand JM. Prevalence of cardiovascular risk factors in patients with psoriasis. J Am Acad Dermatol. 2006;55:829-35
  • Lindegard B. Diseases associated with psoriasis in a general population of 159,200 middle-aged, urban, native Swedes. Dermatologica. 1986;172:298-304.
  • Sommer DM, Jenisch S, Suchan M, Christophers E, Weichenthal M. Increased prevalence of the metabolic syndrome in patients with moderate to severe psoriasis. Arch Dermatol Res. 2006;298:321-8.
  • Vanizor Kural B, Orem A, Cimsit G, Yandi YE, Calapoglu M. Evaluation of the atherogenic tendency of lipids and lipoprotein content and their relationships with oxidant-antioxidant system in patients with psoriasis. Clin Chim Acta. 2003;328:71-82.
  • Wakkee M, Thio HB, Prens EP, Sijbrands EJ, Neumann HA. Unfavorable cardiovascular risk profiles in untreated and treated psoriasis patients. Atherosclerosis. 2007;190:1-9
  • Sterry W, Strober BE, Menter A, International Psoriasis C. Obesity in psoriasis: the metabolic, clinical and therapeutic implications. Report of an interdisciplinary conference and review. Br J Dermatol. 2007;157:649-55.
  • Reynoso-von Drateln C, Martinez-Abundis E, Balcazar-Munoz BR, Bustos-Saldana R, Gonzalez-Ortiz M. Lipid profile, insulin secretion, and insulin sensitivity in psoriasis. J Am Acad Dermatol. 2003;48:882-5.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.