Página Principal > Colunistas > Quais as indicações para o tratamento cirúrgico da epilepsia?
mão de cirurgião durante a cirurgia

Quais as indicações para o tratamento cirúrgico da epilepsia?

Tempo de leitura: 2 minutos.

A epilepsia é uma doença crônica causada por diversas etiologias e caracterizada pela recorrência de crises epilépticas não provocadas. Esta condição tem consequências neurobiológicas, cognitivas, psicológicas e sociais e prejudica diretamente a qualidade de vida do paciente.

O tratamento de escolha inicial é o travento com drogas anticonvulsivantes, entretanto existe um grupo de pacientes com epilepsia que continua a apresentar crises, apesar do tratamento medicamentoso. Nesse caso, faz-se necessário buscar outra opção para ajudar no controle de crises. Uma dessas modalidades é o tratamento cirúrgico.

Durante a avaliação, o paciente passa por uma série de exames que inclui videoeletroencefalograma, ressonância de crânio, avaliação neuropsicológica, para, assim, definir se é um candidato ao tratamento cirúrgico.

Segue abaixo os critérios para definição de procedimento cirúrgico para epilepsia:

1) Paciente com diagnóstico de epilepsia por meio de avaliação clínica e eletroencefalográfica;

2) Excluir diagnósticos alternativos: eventos não-epiléticos (crises não epiléticas psicogênicas, síncopes e etc);

Mais do autor: ‘Uso de AAS previne hemorragia subaracnoidea?’

3) Epilepsia não-controlada com, pelo menos, dois esquemas farmacológicos em monoterapia ou associação de drogas antiepiléticas em doses adequadas. Considerando que as drogas utilizadas são de eficácia comprovada para o tipo de epilepsia;

4) O procedimento cirúrgico não deve ser ofertado para pacientes com epilepsia controlada com tratamento medicamentoso, objetivando retirada do medicamento;

5) O paciente deve realizar avaliação pré-cirúrgica com exame neurológico e exames complementares para a definição do procedimento cirúrgico mais adequado.

Considerar que, para a realização do procedimento cirúrgico, a área epileptogênica deve ser identificada através de exames de imagem específicos e o paciente deve ser considerado de baixo risco para declínio cognitivo após ressecção da lesão. Importante ressaltar que o tratamento cirúrgico não tem como objetivo a retirada da medicação, e sim ajudar no controle de crises, e que mesmo após a realização de cirurgia, a redução da medicação deve ser avaliada cautelosamente.

É médico e também quer ser colunista do Portal PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.