Uso de AAS previne hemorragia subaracnoidea?

A hemorragia subaracnoidea espontânea ainda é uma patologia com alta morbimortalidade, apesar das novas tecnologias diagnósticas e dos possíveis tratamentos

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A hemorragia subaracnoidea espontânea (HSA) ainda é uma patologia com alta morbimortalidade, apesar das novas tecnologias diagnósticas e dos possíveis tratamentos por procedimento neurocirúrgico convencional ou por técnica endovascular.

Apesar do diagnóstico preciso e tratamento dos aneurismas rotos e não rotos, a incidência de HSA ainda se mantém inalterada. Condições relacionadas à mudança dos hábitos de vida, como parar de fumar e controle pressórico rigoroso, apresentam um grande impacto na incidência de HSA.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

Nesse contexto, buscando novas formas de diminuir a incidência de HSA, estudos sugeriram que o uso de AAS em baixas doses poderia reduzir o risco de hemorragia subaracnoidea espontânea.

Um estudo publicado na Stroke objetivou avaliar a associação entre o uso de AAS e o risco de HSA. Avaliou-se a duração e frequência do uso de AAS no risco de HSA.

A revisão sistemática e metanálise avaliou sete estudos de grande impacto sobre a associação, demonstrando que, quando considerados coletivamente, o uso de AAS, independentemente da frequência e duração, não estava associado a um risco significativamente aumentado de HSA comparado com alguma outra terapia disponível. Entretanto a análise por subgrupos demonstrou resultados pertinentes:

  1. Risco de HSA com uso de AAS com duração menor que três meses: Houve associação significativa entre o uso de aspirina a curto prazo e o risco de HSA.
  2. Risco de HSA com uso de aspirina com duração de três a 12 meses: Não houve associação significante entre o uso de AAS no curto e médio prazo e o risco de HSA.
  3. Risco de HSA com uso de aspirina com duração de um a três anos: Não houve associação significante entre o uso de AAS a longo prazo e o risco de HSA.
  4. Risco de HSA com uso de AAS com duração maior que três anos de duração: Não foi encontrada associação significante entre o uso de AAS a longo prazo e o risco de HSA.
  5. Risco de HSA com uso de AAS com duas ou menos doses por semana: Não foi encontrada associação significante entre o uso infreqüente de AAS (≤ 2x por semana) e o risco de HSA.
  6. Risco de HSA com uso de AAS com três ou mais doses por semana: Não foi encontrada associação significante entre o uso infrequente de ASS (≥ 3x por semana) e o risco de HSA.

Na análise de subgrupos, os doentes com uso de AAS por <3 meses de duração apresentaram um risco significativamente mais elevado de HSA. Para os pacientes que receberam AAS durante um período intermediário (3-12 meses, 1-3 anos) e a longo prazo (> 3 anos), não foi encontrada diferença significativa no risco de HSA entre os usuários de AAS e não AAS.

Veja mais: ‘AAS recomendado na prevenção do câncer colorretal’

A análise de subgrupos de acordo com a frequência de uso de AAS por semana (< 2x por semana) ou (≥ 3x por semana) não demonstrou diferença significativa entre usuários de AAS e não AAS.

Os dados atuais sugerem que se o AAS fornecer algum efeito benéfico no contexto do risco de HSA, este efeito será dependente da duração do uso de AAS. Entretanto, estudos adicionais são necessários para avaliar o perfil do paciente que se beneficiaria, bem como a dose e duração do tratamento.

A melhor opção seria um estudo multicêntrico com ensaio randomizado para se obter os melhores resultados e avaliações, evitando dados que possam interferir nos resultados. Dessa forma, uso do AAS necessita ainda de comprovação científica para que possa tornar-se uma opção terapêutica segura.

Referência:

  • Aspirin and Risk of Subarachnoid Hemorrhage. Kevin Phan, Justin M. Moore, Christoph J. Griessenauer, Christopher S. Ogilvy and Ajith J. Thomas. Stroke. 2017;48:1210-1217, originally published March 24, 2017.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades