Quais fatores influenciam na limitação da mobilidade funcional do idoso?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Com o avanço dos tratamentos médicos e o aumento da qualidade de vida, a expectativa de vida da população brasileira vem aumentando nas últimas décadas. Estimativas apontam que, em 2030, cerca de 20% dos habitantes do país serão idosos. Contudo, o aumento do tempo médio de vida muitas vezes também vem acompanhado de incapacidades e comorbidades. O idoso tende a ter mais doenças crônicas coexistindo e frequentemente tem sua capacidade de autonomia cada vez mais limitada ao longo do tempo.

Leia também: Conteúdos de Geriatria disponíveis no Whitebook

Um dos principais motivos para isso é a diminuição da mobilidade funcional do idoso, que é a capacidade de realizar funções relacionadas à vida diária, como carregar, mover ou manipular objetos, caminhar, usar meios de transporte e mudar a posição do corpo. Além das causas biológicas, questões socioeconômicas também podem contribuir para a perda da mobilidade funcional e identificar esses fatores é essencial para a prevenção da incapacidade e para a manutenção da qualidade de vida do paciente idoso.

Quais fatores influenciam na limitação da mobilidade funcional do idoso

Análise recente sobre mobilidade funcional do idoso

Com objetivo de analisar a prevalência da limitação da mobilidade funcional autorreferida e os respectivos fatores associados, pesquisadores da Universidade de São Paulo utilizaram dados do Estudo Saúde, Bem Estar e Envelhecimento (SABE), que é um estudo longitudinal de múltiplas coortes, com amostra representativa para a população de pessoas com 60 anos de idade ou mais, residentes do Município de São Paulo. O período avaliado foi entre 2000 e 2015, avaliando dados das “quatro ondas” (2000, 2006, 2010 e 2015) utilizadas no estudo SABE. Modelos de regressão foram utilizados para analisar as características dos indivíduos (socioeconômicas, comportamentais e de saúde) associadas à limitação da mobilidade.

A mobilidade foi avaliada para quatro quesitos (agachar, carregar objetos, subir escadas e caminhar) e a sua prevalência, para cada ano, encontra-se no gráfico abaixo:

Com relação aos fatores de risco associados a limitação da mobilidade funcional autorreferida, os principais achados foram associação com presença de doenças crônicas, como história de AVC  (RP = 1,43; IC 95%: 1,29; 1,58); com presença de doenças osteomusculares (RP = 1,35; IC 95%: 1,23; 1,49); e com queixa de “dor nas costas” (RP = 1,33; IC 95%: 1,22; 1,45). Além disso, aspectos socioeconômicos como renda insuficiente também apresentaram correlação (RP = 1,17; IC 95%: 1,07; 1,28).

Conclusão

Ao avaliar esses resultados, chama a atenção como o relato de dor lombar, tão comum entre pacientes de uma maneira geral, pode ser uma sinalização de necessidade de maior atenção ao paciente idoso, visando a manutenção de sua mobilidade. Atenção especial deve ser dada também a pacientes com doenças crônicas e com baixo nível socioeconômico.

Saiba mais: Lentidão ao caminhar pode ser um preditor de risco de incapacidade funcional em idosos?

No cuidado aos pacientes idosos, é essencial que o médico tenha uma preocupação atenta com a sua autonomia. Dificuldades para realizar atividades diárias podem comprometer a qualidade de vida do paciente, fazendo com que seja necessário a presença de um cuidador — que muitas vezes será um familiar deslocado do mercado de trabalho — e aumentando o risco de outras doenças, como quedas e transtornos de saúde mental como depressão. O envelhecimento da população e o aumento do número de indivíduos idosos torna essencial o cuidado voltado à prevenção de agravos em idades avançadas e a identificação precoce dos fatores de risco relacionados à redução da mobilidade pode fazer a diferença nesse sentido.

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
# Nascimento CF, et al. Fatores associados à limitação da mobilidade funcional em idosos do Município de São Paulo, Brasil: análise comparativa ao longo de 15 anos. Cadernos de Saúde Pública 2022; 38(4):e00196821. DOI: 10.1590/0102-311X00196821
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.