Qual a epidemiologia das fraturas do rádio distal em crianças?

As fraturas do rádio distal em crianças são muito comuns. Neste artigo, conheça um estudo que traça a epidemiologia dos casos em pediatria.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

As fraturas do rádio distal correspondem a 74% das fraturas pediátricas do membro superior. Atualmente, a incidência e a epidemiologia relatadas de fraturas pediátricas do antebraço distal são inconsistentes e a literatura carece de um estudo populacional em larga escala de todas as fraturas distais do antebraço, com base em uma população de risco precisa, incluindo todas as crianças e adolescentes, relatando classificações de fratura e modo de lesão associado.

Esses dados são importantes para identificar potenciais estratégias para redução do risco de fraturas de antebraço em crianças. Além disso, o conhecimento dessa epidemiologia pode promover melhor alocação de recursos de saúde e predizer custos implicados para a sociedade. 

Leia também: Paciente pediátrico apresenta sinostose cranial bicoronal e anomalia nas mãos. Qual o diagnóstico?

criança com braço quebrado

Estudo

Foi publicado no último mês na revista Bone and Joint Open um estudo com o objetivo de relatar a incidência, distribuição, mecanismo de trauma e características demográficas de baseline das fraturas de rádio distal pediátricas para identificar idade e atividades de mais risco para lesão. O estudo foi uma coorte retrospectiva com casos de fraturas de radio distal pediátricas entre janeiro de 2013 e dezembro de 2017 em seis hospitais dinamarqueses.

O desfecho primário foi a incidência de fraturas pediátricas do antebraço distal e o estudo foi baseado em uma população média em risco de 116.950. Um total de 4.316 pacientes sofreu fratura distal do antebraço no período do estudo. As mulheres foram responsáveis por 1.910 das fraturas (44%) e os homens por 2.406 (56%).

A incidência geral de fraturas pediátricas do antebraço distal foi de 738,1/100.000 pessoas/ano (intervalo de confiança de 95% (IC) 706/100.000 a 770/100.000). A incidência feminina atingiu o pico com uma incidência de 1.578,3/100.000 pessoas/ano aos 10 anos de idade enquanto a incidência masculina atingiu o pico aos 13 anos, com incidência de 1.704,3/100.000 pessoas/ano.

O tipo de fratura mais comum foi a fratura em galho verde no rádio (48%), e os modos de lesão mais comuns foram esportes e quedas de ≤ 1 m. Uma pequena variação de ano para ano foi relatada durante o período de estudo de cinco anos, mas sem quaisquer tendências. 

Conclusão

Os resultados do estudo mostram que as fraturas pediátricas do rádio distal são muito comuns durante toda a infância em ambos os sexos, com quase 2% dos homens com 13 anos de idade sofrendo uma fratura do antebraço a cada ano.

 

 

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

# Korup LR, Larsen P, Nanthan KR, Arildsen M, Warming N, Sørensen S, Rahbek O, Elsoe R. Children's distal forearm fractures: a population-based epidemiology study of 4,316 fractures. Bone Jt Open. 2022 Jun;3(6):448-454. doi: 10.1302/2633-1462.36.BJO-2022-0040.R1. PMID: 35658607; PMCID: PMC9233428.