Recomendações dietéticas para a síndrome pós-covid-19

Evidências científicas recentes apontam para a importância dos cuidados no estado nutricional dos pacientes na síndrome pós-covid-19.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

O início súbito da propagação do SARS-CoV-2 causou desafios nos cuidados médicos em todo o mundo, e evidências científicas recentes incluem os cuidados do estado nutricional na evolução dessa doença.

Um estudo longitudinal, realizado na França com 403 pacientes, verificou que, entre os pacientes hospitalizados que sobreviveram à COVID-19, 67% apresentaram subnutrição, que persistiu em 41% após a alta hospitalar. Além disso, estudos mostram que a obesidade e suas complicações, ou seja, síndrome metabólica, resistência à insulina e diabetes tipo 2, são significativamente associadas à maior suscetibilidade e gravidade da infecção por esse vírus.

Após a infecção pelo coronavírus, pesquisas indicam que tanto a função física, quanto a forma física, podem se deteriorar por até dois anos após a doença. Nesse sentido, muitos estudos relatam que os pacientes podem apresentar sintomas que persistem por semanas após o quadro agudo. Surge assim uma condição conhecida por síndrome pós-covid.

A síndrome pós-covid

A síndrome pós-covid-19 é definida pela persistência de sinais e sintomas, que se desenvolvem durante ou após uma infecção consistente com covid-19, e que continuam por mais de 12 semanas, não sendo explicados por um diagnóstico alternativo. Especificamente, caracteriza-se por uma combinação de sintomas, principalmente fadiga e distúrbios do sono, além de quadros de dispneia, artralgia, ansiedade, humor deprimido, disfunção cognitiva, e perda de cabelo, entre outros.

O COVID e a perda muscular

Sobre os efeitos específicos nas questões nutricionais, a síndrome pós-covid-19 é reconhecida pela subnutrição, perda de massa muscular e inflamação. Pode-se dizer que a infecção por SARS-CoV-2 é responsável por aumentar o catabolismo muscular, ocasionando perdas musculares graves e consequentemente subnutrição. Essa situação pode ser mais intensa durante quadros graves com necessidade de hospitalização.

De fato, a significativa inflamação sistêmica provoca efeitos negativos na síntese de proteína muscular, além de aumento da demanda nutricional, que é ainda mais difícil de ser atendida, devido à perda de apetite, paladar e olfato. Além disso, a recuperação pode ser complicada por sintomas persistentes como a disfagia, particularmente em pacientes que foram submetidos a intubação orotraqueal.

Nutrição na reabilitação dos sobreviventes

No início da pandemia do covid-19, as atenções estavam voltadas para conter a propagação do vírus e evitar o contágio. Agora, fica evidente que o foco também deve estar na recuperação do estado de saúde dos sobreviventes da covid-19. O manejo nutricional é um componente chave que precisa ser abordado.

Uma recente revisão reuniu as evidências disponíveis sobre o papel dos nutrientes e sua suplementação nas principais características relacionadas à síndrome pós-covid-19, com o intuito de fornecer uma diretriz a ser usada na prática clínica.

Primeiramente, é fundamental destacar que a literatura enfatiza a importância da avaliação nutricional para todos os pacientes com covid-19. Isso inclui principalmente investigação de subnutrição, sarcopenia e possíveis fatores que afetam o consumo alimentar, dentre eles a anorexia, ageusia e disgeusia. Considerando que a síndrome pós-covid-19 é mais frequente em pacientes com nutrição inadequada, a contribuição do nutricionista é essencial para realizar uma avaliação completa, auxiliando no diagnóstico nutricional preciso.

Alguns pacientes com síndrome pós-covid-19 podem necessitar de nutrição enteral ou parenteral, enquanto outros precisarão de aconselhamento nutricional qualificado para reverter a subnutrição e/ou tratar comorbidades preexistentes. Portanto, o objetivo da terapia nutricional na síndrome pós-covid-19 deve se concentrar na correção das carências nutricionais para apoiar uma recuperação adequada.

Ingestão Energética na COVID

A maioria dos indivíduos experimentou uma redução de peso não intencional durante a infecção por covid-19, devido ao aumento da inflamação e perda de apetite ligada a alterações de paladar, olfato e distúrbios de deglutição. Além disso, há relatos de pacientes que apresentam saciedade e plenitude precoces após comer e beber.

As necessidades energéticas para pacientes com síndrome pós-covid-19 irão depender do seu estado nutricional atual. Contudo, como a prevalência de subnutrição é alta na síndrome pós-covid-19, muitas vezes será importante corrigir o desequilíbrio entre o gasto energético e a ingestão energética.

Para isso, algumas estratégias práticas podem ser orientadas aos pacientes, como: consumir refeições menores e mais frequentes (seis a oito refeições/dia, lanches a cada 2 a 3 horas); consumir líquidos fora das refeições para evitar a saciedade precoce; e limitar alimentos ou bebidas rotulados como “light”, “baixo teor de gordura” ou “baixo teor calórico”. Suplementos nutricionais orais de baixo volume e prontos para beber também podem ser considerados para aumentar a ingestão calórica.

Por outro lado, evidências mostram que pacientes com sobrepeso ou obesidade apresentam maior risco de piores desfechos após infecções agudas e são mais propensos a desenvolver infecções virais. Nesse caso, a perda de peso é defendida em pacientes com síndrome pós-covid-19 para prevenir futuras infecções virais e reduzir a inflamação subclínica ligada à obesidade.

Qual a necessidade de Macronutrientes na síndrome pós-covid?

A ingestão proteica deve ser maior em pacientes com síndrome pós-covid-19 para melhorar a sarcopenia e evitar maior perda de massa muscular. Recomenda-se que os pacientes incluam proteínas de bom valor biológico, tanto de origem vegetal quanto animal, e que consumam uma fonte de proteína em cada refeição.

Indica-se a ingestão de 15-30 g de proteína por refeição, dependendo do peso corporal, para garantir a ingestão de todos os aminoácidos essenciais que podem exercer um efeito anti-inflamatório. Em termos de alimentos, essa recomendação poderia ser atingida, por exemplo, com o consumo de: 80 g de filé de frango grelhado (25 gramas de proteína); combinação de arroz e feijão na proporção de 2:1, por exemplo, 4 colheres de sopa de arroz (2,1 g de proteína) com 1 concha de feijão (3,7 g de proteína); 1 unidade de ovo cozido (6,5 g de proteína); 1 unidade de iogurte natural de 170 mL (6,8 g de proteína); 1 colher de sopa de aveia (1,8 g de proteína), dentre outros alimentos.

Quanto à ingestão de gorduras, deve-se aconselhar a ingestão diária de 1,5 a 3 g/dia de ácidos graxos ômega-3 para melhorar a inflamação. Curiosamente, foi demonstrado que esses ácidos graxos poderiam inibir a replicação de vírus envelopados, como o covid-19, possivelmente reduzindo o risco de novas infecções. Além disso, o consumo de azeite extra-virgem deve ser aumentado para proporcionar a ingestão adequada de ácidos graxos monoinsaturados, tocoferois e polifenóis, que demonstraram propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes.

Finalmente, a ingestão total de carboidratos não é uma grande preocupação em pacientes com síndrome pós-covid-19. No entanto, deve-se recomendar o aumento na ingestão de fibras solúveis e fermentáveis, ou seja, β glucana e arabinoxilanos presentes em grãos integrais, pectinas de frutas, vegetais e leguminosas, em virtude de seu efeito probiótico sobre as bactérias produtoras de butirato, o qual tem sido associado à redução da inflamação.

Papel dos Micronutrientes no COVID

Um estudo piloto avaliou o status de micronutrientes em pacientes hospitalizados por covid-19 e demonstrou a presença de deficiência, particularmente para a vitamina D (76%).

O papel da vitamina D na redução de infecções é realizado através de vários mecanismos. Estes incluem, especificamente relacionados à infecção por covid-19, a redução das concentrações de citocinas pró-inflamatórias e o aumento dos níveis de enzima conversora de angiotensina 2. Estudos mostram que uma baixa concentração sérica dessa vitamina é associada com desfechos como doença cardíaca coronária, acidente vascular cerebral e maior risco de mortalidade por todas as causas.

Em um estudo de coorte, publicado em 2022, observou-se que as concentrações séricas de 25-hidroxivitamina D foram associadas inversamente com hospitalização e mortalidade, em uma amostra de 4.599 pacientes com SARS CoV-2. Logo, considerando o impacto dos níveis de vitamina D em diversas condições de saúde, o prognóstico dos pacientes com covid-19 que apresentam deficiência dessa vitamina seria pior do que aqueles que não têm tal deficiência.

Portanto, em casos de deficiência desse micronutriente, aconselha-se a suplementação pelo menos uma vez ao dia. Recomendações nutricionais internacionais sugerem atenção à ingestão de vitamina D (400 UI), particularmente em pacientes com menor exposição à luz solar, ou seja, em casos de confinamento prolongado ou hospitalização.

Avaliação da Hidratação dos pacientes com covid

Uma hidratação adequada também é importante para a recuperação completa de pacientes com síndrome pós-covid-19.  Recomenda-se o consumo diário de 30 mL de líquido/kg de peso corporal atual. Portanto, esses pacientes podem aumentar a ingestão diária de líquidos consumindo água, leite, suco de frutas, caldo, bebidas esportivas, café e chá.

Dieta mediterrânea no COVID

Diante do exposto e da complexidade em conciliar o consumo adequado de todos os nutrientes, muito se discute o papel da dieta mediterrânea como uma estratégia no manejo nutricional desses pacientes.

Estudos observacionais destacaram uma associação entre adesão à dieta mediterrânea e melhores resultados em pacientes com covid-19 em relação à taxa de mortalidade e recuperação, bem como risco de infecção por covid-19 em diferentes populações. Por essa dieta, recomenda-se consumir mais alimentos à base de plantas (frutas, vegetais, grãos integrais e leguminosas), proteínas animais de alta qualidade (peixes, carnes magras, aves, ovos e queijos com baixo teor de gordura), e azeite extra-virgem como principal fonte de gordura. Assim, a dieta mediterrânea é caracterizada por muitos compostos bioativos com atividades antiinflamatórias e antioxidantes, incluindo ácidos graxos monoinsaturados, ômega-3, vitaminas, minerais e fitoquímicos, ou seja, componentes essenciais no tratamento de pacientes com síndrome pós-covid-19.

Conclusão

A avaliação individualizada do estado nutricional pode ajudar a detectar e tratar deficiências nutricionais, melhorando as complicações físicas, mentais e o estado geral de saúde na síndrome pós-covid-19.

Evidências crescentes demonstram que a ingestão dietética, incluindo nutrientes e compostos bioativos, pode modular a inflamação e o sistema imunológico. Portanto, a combinação de diferentes alimentos com essas propriedades em todo um padrão alimentar pode ser utilizada como uma abordagem nutricional útil para pacientes com síndrome pós-covid-19.

Nesse sentido, a dieta mediterrânea pode ser uma estratégia eficaz para atingir esse objetivo e o uso de suplementos deve ser aconselhado em pacientes subnutridos e com carências nutricionais.

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão
  • Barrea L, Grant WB, Frias-Toral E, Vetrani C, Verde L, de Alteriis G, Docimo A, Savastano S, Colao A, Muscogiuri G. Dietary Recommendations for Post-COVID-19 Syndrome. Nutrients. 2022 Mar 20;14(6):1305. doi: 10.3390/nu14061305.