Home / Cardiologia / Relação entre doença renal crônica e valvopatia cardíaca
angioplastia

Relação entre doença renal crônica e valvopatia cardíaca

Cardiologia, Colunistas, Nefrologia
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: < 1 minuto.

A doença renal crônica é um importante fator de risco para desenvolvimento de lesões valvares graves, e um artigo de revisão recente da Kidney Disease: Improving Global Outcomes (KDIGO) trouxe várias informações a respeito. No nosso texto, resumimos o que tem de mais importante para sua prática.

As duas principais valvopatias são estenose aórtica e insuficiência mitral, cujo risco aumenta, respectivamente, 20-30% e 30-80%. Além disso, há relação entre piora da função renal e da lesão valvar, bem como uma progressão mais rápida da estenose aórtica com o passar dos anos se comparado com população em geral. A fisiopatologia é relacionada à vasculopatia do renal crônico, com fatores como relação cálcio x fósforo, diabetes, diálise e inflamação.

O diagnóstico não apresenta diferenças em relação à população geral. Porém, é necessário ficar atento ao impacto da hipervolemia em alguns parâmetros do eco. Por isso, a recomendação dos autores é fazer o exame no dia da diálise, após o término.

Na prevenção, há estudos mostrando benefício da reversão da hiperfosfatemia, com quelantes do fósforo e vitamina D ativa. Por outro lado, estatinas e AAS não mostraram o benefício esperado. Já o tratamento segue o protocolo usual das valvopatias, incluindo as indicações de TAVI. O maior “senão” é que o prognóstico no renal crônico é pior, mas não a ponto de contraindicar as intervenções.

Autor: 

Referências bibliográficas:

One comment

  1. Avatar

    Saudações. Ainda não li o artigo da KDIGO, por isso pergunto se o estudo desta relação inclui pacientes não-dialíticos. Agradeço desde já.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.