Leia mais:
Leia mais:
Quantos banhos por dia uma criança com dermatite atópica deve tomar?
Placas para fraturas e pseudoartroses de escafoide: uma boa opção?
Fraturas estáveis da parede posterior do acetábulo têm bons resultados se tratadas conservadoramente? 
A fixação provisória com placas de minifragmentos interfere na força de compressão da síntese definitiva?
Existe relação do IMC com o risco de fraturas em crianças pré-escolares?

Retorno ao trabalho e esporte após tratamento cirúrgico de fraturas diafisárias de úmero

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

As fraturas diafisárias de úmero correspondem a 1,2% de todas as fraturas em adultos. Apesar do tratamento conservador com uso de brace ser padrão em muitos centros, houve crescimento do manejo operatório nesses casos nos últimos anos, muito devido à necessidade de retorno rápido ao trabalho e ao esporte. Entretanto, são escassos os estudos comparando os dois métodos de tratamento e o desfecho de retorno às atividades.

Saiba mais: Tratamento cirúrgico ou conservador para fraturas laterais da clavícula?

úmero

Estudo sobre a fratura diafisária de úmero e o retorno

Foi publicado esse mês na revista “Bone and Joint Open” um estudo britânico com o objetivo primário de determinar as taxas de retorno ao trabalho e esporte após fratura diafisária de úmero. O desfecho secundário foi identificar fatores independentes associados à falha no retorno ao trabalho e esporte. Foram selecionados retrospectivamente pacientes maiores de 16 anos com fraturas agudas diafisárias de úmero tratadas com redução aberta e fixação interna ou haste intramedular entre janeiro de 2008 e dezembro de 2017.

Um total de 291 pacientes foram submetidos a um questionário de atividade em que 177 (61%) trabalhavam antes da lesão e passaram a compor o “Grupo Trabalho” e 182 (63%) praticavam esportes e passaram a compor o “Grupo Esporte). Fizeram parte dos dois grupos 127 pacientes.

O “Grupo Trabalho” teve idade média de 47 anos (17 a 78), sendo 51% do sexo feminino (n = 90). O seguimento médio foi de 5,8 anos (1,3 a 11) e, no geral, 85% (n = 151) retornaram ao trabalho em média 14 semanas após a lesão (0 a 104), mas apenas 60% (n = 106) retornaram em tempo integral ao emprego anterior. Fraturas do terço proximal diafisárias (razão de chances ajustada (aOR) 4,0 (intervalo de confiança de 95% (IC) 1,2 a 14,2); p = 0,029) foram independentemente associadas à falha no retorno ao trabalho.

O “Grupo Esporte” teve idade média de 52 anos (18 a 85), sendo 57% do sexo feminino (n = 104). O seguimento médio foi de 5,4 anos (1,3 a 11) e a pontuação média da escala de atividade UCLA (University of California Los Angeles) reduziu de 6,9 ​​(IC 95% 6,6 a 7,2) antes da lesão para 6,1 (IC 95% 5,8 a 6,4) após a lesão (p < 0,001). Houve 89% (n = 162) que retornaram ao esporte: 8% (n = 14) em três meses, 34% (n = 62) em seis meses e 70% (n = 127) em um ano. Idade ≥ 60 anos associou-se independentemente à falha no retorno ao esporte (aOR 3,0 (IC 95% 1,1 a 8,2); p = 0,036). Nenhum outro fator foi independentemente associado à falha no retorno ao trabalho ou esporte.

Leia também: Reabilitação pré-cirurgia de artroplastia total de joelho é eficaz para melhorar resultados pós-operatórios?

Conclusão

A grande maioria dos pacientes retornou ao trabalho ou ao esporte, embora com menor nível de desempenho. Pacientes maiores de 60 anos e com fraturas mais proximais apresentaram os piores resultados. Na nossa prática, em pacientes com demanda de retorno rápido ao trabalho ou atividade física, o tratamento cirúrgico geralmente é recomendado, sendo o tratamento conservador escolhido para pacientes mais velhos com menor demanda.

 

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
# Oliver, William & Molyneux, Samuel & White, Tim & Clement, Nick & Duckworth, Andrew. (2022). Return to work and sport after a humeral shaft fracture. Bone & Joint Open. 3. 236-244. 10.1302/2633-1462.33.BJO-2021-0198.R1.
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.