Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Podcast / Revalidação do diploma médico em Portugal: como fazer?
revalidacao diploma medico

Revalidação do diploma médico em Portugal: como fazer?

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Tempo de leitura: 6 minutos.

Neste artigo pretendo resumir o processo de revalidação do diploma médico em Portugal ou, como eles chamam, equivalência de grau médico. Esclareço que algumas informações dizem respeito às minhas experiências e opiniões sobre o processo que está acontecendo. Se você também participou, por favor, deixe seu comentário.

Ano passado foi a primeira vez que ocorreu o chamado “processo unificado”, sendo dividido em prova de língua portuguesa, prova teórica, prova prática e apresentação de um trabalho. Para ficar mais claro, vou dividir este texto em cinco partes: diferenças relacionadas ao curso e como algumas coisas funcionam em Portugal, inscrição, provas teóricas, prova prática e trabalhos.

Revalidação do diploma de Medicina em Portugal

Diferenças

A formação é um pouco diferente do que ocorre no Brasil. De maneira simplificada: ao término do curso de medicina todos são obrigados a fazer o chamado mestrado integrado. Sim, todos os médicos portugueses são mestres! Ao final do mestrado você se forma, mas ainda não pode atuar porque precisa passar pelo ano comum. O acesso ao ano comum e à residência médica, lá conhecida como internato, se dá através da Prova Nacional de Seriação (PNS).

Durante o ano comum o aluno passa por áreas como a clínica médica (ou medicina interna), cirurgia, atenção primária e pediatria de forma supervisionada. Ao final é avaliado e aí sim obtém a autonomia e já pode trabalhar. Os médicos sem especialidade em Portugal são chamados de tarefeiros. Até o ano passado a PNS era conhecida como “a prova do Harrison”, pois cobrava tabelas e detalhes contidos no livro. No ano passado o estilo de prova mudou e agora se assemelha um pouco mais ao modelo brasileiro, com casos clínicos.

Esta prova serve tanto para o ano comum, como para a escolha da especialidade, que se dá conforme seu desempenho. Por exemplo, supomos que o 1º colocado acertou 99% da prova e poderá escolher qualquer especialidade que deseja em qualquer instituição. Daí em diante os candidatos são chamados em ordem decrescente de nota. Se sua nota for baixa, talvez não consiga estudar a especialidade que pretende ou terá que fazê-lo em outra região do país. Os internatos em Portugal duram, em média, 5 anos.

Como estudar para a prova de residência médica

Inscrição

Em 2018 ocorreu durante o mês de outubro, mas em 2019 as instituições parecem estar recebendo inscrições ao longo de vários meses. A taxa varia conforme a instituição, numa faixa entre 400 a 500 euros. Os documentos solicitados geralmente são: o diploma, a ementa do curso, o histórico escolar (com a nota final na conclusão do curso – o CR, a escala de avaliação da universidade e a nota mínima para aprovação), documento de identificação e cópias de um relatório curricular, artigo publicado, dissertação ou monografia, que serão necessários na última fase.

No ano passado quem não entregou no ato da inscrição foi liberado para que o fizesse posteriormente. É necessário apostilar os documentos enviados (menos o trabalho a ser apresentado). O apostilamento é uma espécie de selo que é colocado na sua documentação em um cartório e que irá torná-lo válido em outros países que participam da Convenção de Haia (ou seja, é o que irá garantir que seu documento será válido em Portugal). Após o recebimento da documentação, algumas instituições verificaram a carga horária total do curso dos candidatos.

No geral, parece que candidatos com menos de um número “x” de horas cursadas foram desclassificados e não puderam continuar com o processo. Eu não tenho uma informação oficial sobre o número mínimo de horas cursadas, mas por relatos de outros participantes me parece que aqueles com mais de 8 mil horas de curso puderam continuar o processo. Reforço que esta informação sobre o número mínimo de horas de curso não é oficial e apenas uma observação minha a partir do que soube. Contudo, é fato que algumas (poucas) pessoas foram desclassificadas por não terem um mínimo de horas cursadas.

Provas teóricas

A primeira prova a ser realizada é de língua portuguesa, sendo um requisito apenas para estrangeiros de países que não tenham o português como língua oficial. Os brasileiros são dispensados nesta etapa.

A seguir, a prova teórica. Esta foi realizada no mesmo dia e no mesmo horário em todas as instituições que abriram o processo. A prova era composta de 120 questões distribuídas entre ginecologia e obstetrícia, medicina interna, psiquiatria, pediatria, cirurgia, atenção primária e aspectos envolvendo o sistema de saúde português e sua constituição.

Houve, nesta prova, um destaque considerável para questões que abordaram a Conferência de Alma Ata. Outras envolviam conceitos, casos clínicos e um certo grau de memorização (como estadiamento de câncer de pulmão). Um dos maiores desafios foi administrar o tempo. No Brasil estamos acostumados a fazer 100 questões em 4 horas. Nesta prova foram 120 questões em 3 horas! Os resultados eram anotados num cartão de resposta e não era possível levar o caderno de prova. A contagem dos pontos ocorreu manualmente e o resultado foi liberado poucos dias depois.

O pedido de vista de prova era curto e em sequência à liberação dos resultados, onde era possível conferir o gabarito oficial com o seu cartão-resposta e sua prova, sendo feito de forma presencial. A seguir deu-se o prazo de solicitação de recursos. Este ano muitas pessoas pediram recursos de várias questões. Eles eram enviados para o local onde cada um fez sua prova e depois foram todos encaminhados para a banca que elaborou as questões. Este ano a análise dos recursos demorou mais de um mês. Ao final, alteraram o gabarito de quatro questões e anularam outras quatro. As notas dos alunos foram recontadas e os candidatos receberam um e-mail com suas novas notas. Os aprovados foram selecionados para a prova prática.

Dicas para se preparar para a prova de Residência Médica

Prova prática

A prova prática variou conforme cada instituição. A Universidade de Coimbra teve poucos inscritos, tendo a prova prática ocorrido pouco tempo depois da liberação dos resultados. Logo, todos os alunos foram avaliados mais rapidamente.

Já a Universidade de Lisboa recebeu o maior número de inscritos e demorou mais para organizar cada grupo de alunos. Os grupos foram majoritariamente organizados por ordem alfabética, sendo cada grupo destacado num determinado dia e num determinado setor do hospital de referência. Por exemplo, eu poderia ser convocada a comparecer junto com outras quatro pessoas, no dia X, em um determinado horário, no andar do serviço de endocrinologia ou de cirurgia vascular.

Geralmente, o local de encontro sugere que os pacientes avaliados possuem doenças relacionadas à especialidade em questão, mas isto não é regra. Cada candidato sorteará um paciente real que está internado no hospital. O paciente (ou utente) pode estar internado numa enfermaria da medicina interna ou da cirurgia. Então, mesmo que seu ponto de encontro seja a endocrinologia, você pode ser contemplado com um paciente com síndrome de Mirizzi.

A partir do sorteio do paciente, você será apresentado ao mesmo e terá cerca de 1 hora para colher a anamnese e fazer o exame físico. Ao final desse período é solicitado que todos se reúnam num determinado espaço (uma sala), onde deverão escrever toda a anamnese e exame e acrescentar a hipótese diagnóstica. Em algumas bancas, neste momento é possível que o candidato solicite exames complementares que o paciente tenha feito. Pode ser que lhe entreguem todos os exames que o paciente realizou durante a internação, pode ser que lhe entreguem apenas os que você solicitar ou pode ser que não entreguem exame algum e só lhe digam os resultados no dia seguinte, na sabatina.

Então, após escrever tudo, sua avaliação será guardada num envelope e você será liberado, devendo retornar no dia seguinte, num horário combinado para a sabatina, geralmente composta por dois médicos, na maioria das vezes um cirurgião e um clínico ou especialista em alguma área de medicina interna. Espera-se que a anamnese e o exame sejam lidos. Ao final podem ser feitas perguntas na maioria das vezes relacionadas ao caso, mas alguns membros de algumas bancas fizeram perguntas não relacionadas com o caso em questão. Dependendo da instituição onde foi realizada os membros da banca já avisam ao final se o candidato foi aprovado ou reprovado.

Trabalho final

A existência desta etapa se dá justamente porque todos os médicos portugueses fazem o mestrado integrado. Ou seja, todos têm que apresentar um trabalho ao final do mestrado. Os aprovados na prova prática deverão apresentar um trabalho que deve ser um relatório curricular, uma dissertação (geralmente um trabalho de conclusão ao final de um curso), uma monografia ou um artigo publicado. Este trabalho deve ser enviado em formato digital (pode ser por e-mail) e quatro cópias impressas, e pode ser entregue no ato da matrícula ou até 6 meses após a prova prática.

O trabalho deverá ser apresentado a uma banca, dispondo-se para isso alguns minutos. Ao final, a banca terá um tempo para fazer questionamentos sobre o assunto. Esta é a fase em que me encontro e estou aguardando a marcação da data para a apresentação. Como ainda não aconteceu, não se sabe se esta fase pode reprovar.

Quem for aprovado na apresentação dos trabalhos, e portanto no processo, poderá se registrar na Ordem dos Médicos, o que equivale ao Conselho Federal de Medicina no Brasil, mas ainda não poderá exercer pela necessidade da autonomia. Para obtê-la é necessário comprovar pelo menos 3 anos exercendo a profissão. Caso não possa comprovar ou não tenha 3 anos de formado, terá que se submeter ao PNS para passar pelo ano comum.

Para informações específicas sobre inscrição, documentação, calendários e prazos sugiro que procurem pelo termo “equivalência de grau médico” na instituição onde pretendem realizar o processo.

Residência Médica fora do Brasil: dicas, desafios e o que esperar

Autora:

37 comentários

  1. Avatar

    Boa tarde Paula!
    Você contratou alguma empresa ou advogado para te assessorar neste processo?
    Obrigada.

  2. Avatar
    PAULA BENEVENUTO HARTMANN

    Olá, boa tarde!
    Não contratei. A parte de documentação você consegue resolver sozinha. O problema são os trâmites relacionados à universidade onde você fará o processo, como entrega da documentação. No meu caso, tenho família em Portugal e eles têm me ajudado com isso. Mas vejo que quem não possui nenhum contato por lá acaba contratando advogados. Infelizmente os valores que alguns relatam é consideravelmente alto. Sugiro que você procure indicações de pessoas confiáveis. Nos grupos do Facebook, Whatsapp e Telegrama alguns colegas podem te recomendar a empresa por onde fizeram. Boa sorte!

    • Avatar
      FERNANDO OLIVEIRA DA SILVA

      Olá Dra, é necessário ter a nacionalidade?

      • Avatar

        Desculpe a demora.
        Para fazer a prova não é necessário ter nacionalidade. Mas para residir em Portugal é necessário ter visto ou ser cidadão europeu ou de países da área Scheneng ou que tenham acordo com Portugal.

  3. Avatar

    Ola Dra, ao final desse processo você pode exercer como psiquiatra ?

    • Avatar
      Paula B. Hartmann

      Olá.
      Infelizmente são coisas separadas. Este processo que foi descrito é apenas para a revalidação do diploma médico. Após este processo concluído, segue-se o registro na Ordem dos Médicos (equivalente ao Conselho Federal de Medicina brasileiro). Só após será possível entrar em contato com o colegiado da sua especialidade para tentar que seja reconhecida em Portugal.

  4. Avatar

    Boa tarde,
    No final do processo, consigo exercer minha especialidade se eu comprovar três anos de exercício médico como clinico geral no Brasil ou tem que ser três anos da especialidade?
    Você conseguiu provas antigas? Fez algum cursinho ou estudou por algum material específico?
    Muito obrigada!

    • Avatar
      Paula B. Hartmann

      Olá, Eduarda. Desculpe a demora.
      Ao final do processo deve-se dar entrada junto à Ordem dos Médicos (equivalente ao Conselho Federal de MEdicina brasileiro). Após seu registro, você pode solicitar a chamada autonomia. Para tal você deve comprovar que trabalhou pelo menos durante 3 anos dos últimos 5 anos (ou seja, que de 2015 para cá você exerceu a medicina por 3 anos consecutivos) trabalhando com uma determinada carga horária. Após tal, caso lhe seja concedida e autonomia, aí você poderá exercer medicina, mas não necessariamente sua especialidade. Para registro da especialidade, após sua inscrição na Ordem dos Médicos, deverá entrar em contato com o colegiado da sua especialidade. Cada uma avalia seus candidatos de maneiras diferentes.
      Em alguns grupos de telegram, whatsapp e facebook é possível encontrar a última prova, primeira desde a unificação do processo de revalidação. Estudei por meio de livros e curso. Caso tenha interesse em saber algumas opções, posso fornecer essas informações por email. Boa sorte!

      • Avatar

        Oi Paula, grata por compartilhar a experiencia. Você conseguiu a revalidação? O processo é muito demorado? Sabe dizer como funcionam as residências em Portugal? No caso uma sub especialidade da medicina Interna? Uma vez li em um post que as pessoas com residência comprovada, não necessitariam passar pela prova, isso procede? Desde já, obrigada

      • Avatar

        Boa tarde, Paula. Também iniciei o processo de revalidação, mas ainda não fiz nenhuma prova. Se você puder me ajudar, tenho interesse em ver alguma prova disponível, para conhecer o estilo e se você tiver algum edital que tenham os assuntos ou material com Saúde Publica de Portugal, também teria interesse. Estou com dificuldade.
        Não contratei advogados porque me parecia um processo tranquilo, onde o mais difícil seriam as provas, que só dependem de mim.
        Obrigada pela ajuda.

  5. Avatar
    carlos eduardo

    Ola. O material de estudo que voce usou foi qual? Bibliopgrafias de referencia ou material tipo med curso mesmo? Qual o grau de dificuldade que voce achou das provas “escritas”e praticas?
    Estou aguardando o inicio do meu processo.

    • Avatar
      Paula B. Hartmann

      Olá, Carlos Eduardo.
      Achei a prova escrita difícil e prolixa. Mudaram o gabarito de 4 questões e anularam outras 4. Uma grande dificuldade é o tempo: pouco tempo para muitas questões. Já a prova prática variou bastante, conforme a banca. São sorteados pacientes que estão internados no hospital, podendo estes ser de alguma das áreas das clínicas médica ou cirúrgica. Felizmente a minha banca foi bastante tranquila.
      Estudei por livros e cursinho.
      Posso lhe dar essas informações por email, caso seja do seu interesse.

      • Avatar
        Daniela V. Flores

        Paula bom dia, você poderia me enviar por e-mail os nomes de grupos do telegram que vc se referia mas principalmente do “cursinho” que você frequentou? Como você fez a escolha pelo cursinho, foi por disponibilidade (localização, valores) ou por algum motivo específico relativo à prova? Obrigada!

      • Avatar
        Danielle Feio

        Paula bom dia , sou oncologista aqui . Tenho interesse em fazer o revalida para medicina e para minha especialidade , Voçê tem informações da data das proximas provas ? Você indicaria algum serviço de advogados para ajudar neste processo ? Você poderoa indicar os grupos de facebook, telegram para acesso de material . Obrigada pela dicas .

  6. Avatar

    Boa tarde. Muito obrigada pelas informações. Esclareceram muitas coisas. Você saberia indicar onde/como conseguir provas antigas para termos uma base? Desde já, obrigada.

    • Avatar
      Paula B. Hartmann

      Olá, Érika.
      Há grupos no whatsapp, facebook e telegram com material antigo. Sugiro no telegram, pois é mais fácil para os novos integrantes acessarem o material.

  7. Avatar

    Olá PAula, tudo bem?
    Uma dúvida, é possível utilizar os anos trabalhados no Brasil para comprovar essa fase para ter “autonomia”?
    Outra questão: essa forma de revalidação é via universidade ou seja, você pode ir atuar em outras partes da Europa?
    Última, a situação da medicina em Portugal é o mesmo do resto da Europa?”Não te enriquece mas te dá qualidade de vida”
    Grato e parabéns pela conquista

  8. Avatar

    Olá Paula,
    eu vi que no formulario de inscrição tem um espaço para carregar o diploma e as unidades curriculares. Minha pergunta é, os documentos eu tenho que entregar de forma presencial ou posso carregá-los ai e entregar de forma presencial no dia da prova teórica.

    Grato desde já!

    • Avatar
      PAULA BENEVENUTO HARTMANN

      Olá!
      Tudo bem?
      Parece que algumas modificações foram feitas para este novo processo, cuja a próxima prova será em maio. Por isso, não posso te dar certeza. Contudo, quando fiz, nenhum documento era levado no dia da prova teórica; todos os documentos deveriam ser entregues no ato da inscrição no processo. Então várias pessoas enviaram para amigos ou conhecidos ou contrataram um procurador para receber esses documentos do Brasil e levar até a universidade correspondente para fazer a inscrição.
      Sugiro que mande um e-mail para a universidade e que procure nos grupos do whatsapp ou telegram sobre advogados, procuradores ou pessoas que possam fazer esse serviço para você.
      Lembrando que os documentos devem conter a apostila de Haia.
      Espero ter ajudado.
      Abraço!

  9. Avatar

    Paula, então, após formado aqui eu teria que ter 3 anos de experiência, certo? Essa experiência, em hipótese alguma, pode ser conseguida em Portugal mesmo após a inscrição na ordem?

  10. Avatar

    Olá Paula,
    excelente relato.
    Gostaria de receber por email, sua indicação por onde estudar para prova.
    Muito obrigada

  11. Avatar
    orlando urrutia fuentes

    Olá Paula,

    Gostaria de receber por email, sua indicação por onde estudar para prova.
    Muito obrigado

  12. Avatar

    Ola Paula, ,muito obrigada por dividir sua experiência, me ajudou mto.
    Você poderia me passar indicação de material, cursinho e grupos do telegram onde posso conseguir provas anteriores.
    Muito obrigada. Abraços e boa sorte na sua ultima etapa.

  13. Avatar
    Nidia Chicralla da Rocha

    Oi Paula,
    Gostaria de saber por onde você estudou para revalidar o diploma?
    Medcel?
    Estou sem saber por onde estudar, já estou formada há vários anos.
    Como consigo contatos de grupos no Telegram para conseguir as provas?
    Obrigada!!!

  14. Avatar

    Paula, é possível que vc me envie por email dicas de onde estudar para realizar essa prova? Vc fez algum cursinho específico para isso?
    Outra dúvida: preciso estar morando em Portugal para dar entrada nesse processo?
    Obrigado

  15. Avatar

    Oi Paula,
    Muito obrigada pelos esclarecimentos e parabéns pela conquista!
    Você pode por favor, passar o contato do Grupo do Telegram? E se possível, a sua fonte de estudos?
    Obrigada novamente!

  16. Avatar
    Juliana Cavalhieri

    Oi Paula, obrigada pelo desprendimento e dedicação em esclarecer essa questão da validação do diploma em Portugal. Nós comentarios vc falou a respeito de grupos e de material cursinho para a prova. Gostaria de saber mais a respeito, onde encontro esse material? Desde já agradeço, espero q tenha dado tudo certo com vc.

  17. Avatar
    tatiana silva ferreira de almeida

    Paula ,como fazemos para converter as notas de 0 10 para 0 a 20, do nosso histórico de notas brasileiro ? isso é feiro aqui no Brasil ou em Portugal?

  18. Avatar

    Paula, parabéns pela disposição de explicar de forma concisa todo o processo. Gostaria, se possível, que você indicasse livros, cursos ou os grupos de telegram para estudo.
    segue o meu e-mail.
    Atenciosamente.

  19. Avatar
    Jéssica Azevedo Veronesi Milczwski

    Oi Paula, boa tarde.
    Primeiro, muito obrigada pelas informações,
    Voce sabe Se há diferenca significativa entre as universidades em ralação ao processo de equivalênciado diploma?
    Voce saberia dizer se o TCC da residência é válido? Ou como que seria o relatório curricular?
    Se puder me passar indicar grupos, livros, agradeceria muito.
    Obrigada!!

  20. Avatar
    CAROLINA LARROSA DE ALMEIDA

    Gostaria de saber se há residência para outras profissões (residência multiprofissional/uniprofissional), por favor?

  21. Avatar

    Paula, boa tarde !
    Suas informações foram muito importantes.
    Como obtenho acesso às provas ? você indica algum curso ?
    Obgda

  22. Avatar

    Olá Paula , também gostaria do acesso as provas antigas.
    Tem como me enviar por email ?

  23. Avatar
    Beatriz Aguiar

    Olá! Gostaria de saber qual o grupo de telegram que tem os materiais, por favor.

  24. Avatar

    Olá Paula! Mais outra querendo saber informações do curso que voce fez e grupo de telegram!.
    Obrigada por compartilhar conosco sua experiencia

  25. Avatar

    Olá, Paula

    poderia enviar por e-mail as informações sobre o curso que fez e os grupos de whatsapp, telegram e facebook sobre a temática, incluindo prova anterior.

    Abraços,

    Claudia

  26. Avatar
    JHONY CESAR RIBEIRO E SILVA

    você teria como enviar o modelo de prova que vc fez ou de outro ano?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.