Revisão sistemática conclui que a utilidade do ácido tranexâmico (TXA) em crianças com trauma não é clara

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Uma recente revisão sistemática com metanálise mostrou que a utilidade do ácido tranexâmico (TXA) em crianças com trauma não é clara. O estudo foi publicado no periódico American Journal of Emergency Medicine e destaca que as diretrizes que apoiam o seu uso no trauma pediátrico podem não ser baseadas nas evidências disponíveis do fármaco neste contexto.

Nos Estados Unidos, o trauma é a principal causa de óbito em crianças. A morte no trauma pediátrico ocorre, principalmente, devido a lesão direta de órgãos críticos ou hemorragia no cérebro, cavidade torácica ou abdominal. As hemorragias podem piorar com o desenvolvimento de coagulopatia, que é um preditor independente de morte associada. Assim, a hemorragia é a causa de óbito mais evitável em crianças com trauma. Apesar do impacto substancial do trauma em crianças, não há medicamentos para crianças feridas que comprovadamente diminuam a mortalidade ou melhorem os desfechos gerais. O objetivo do estudo foi determinar a eficácia do ácido tranexâmico (TXA) na melhora da sobrevida no trauma pediátrico.

Revisão sistemática conclui que a utilidade do ácido tranexâmico em crianças com trauma não é clara

Metodologia

Os pesquisadores fizeram uma busca literária nas bases MEDLINE (OVID), Embase (OVID), bancos de dados Cochrane Central Register, CINAHL (EBSCO), Web of Science (Clarivate Analytics) e fontes de literatura cinzenta sobre estudos que relatassem desfechos de sobrevivência e segurança em crianças que receberam TXA em trauma agudo. Não havia restrições de idioma e foram considerados estudos publicados até 11 de fevereiro de 2021.

Ouça também: Check-up semanal: ácido tranexâmico no parto normal, vitamina D na diabetes e mais! [podcast]

Todos os tipos de estudo que avaliaram o uso de TXA em pacientes com menos de 18 anos e com trauma foram elegíveis para inclusão. Enquanto os relatos de casos foram excluídos, as séries de casos (dois ou mais pacientes) foram incluídas. Os estudos foram incluídos independentemente do tipo de trauma, via de administração ou local de administração do TXA. Nenhum grupo controle foi necessário e todos os tipos de comparadores foram incluídos. Nenhuma medida de resultado específica foi necessária para a inclusão. Os estudos foram excluídos se enfocassem o uso de TXA em cirurgia eletiva ou se tivessem sido realizados em pacientes com distúrbios hemorrágicos subjacentes. Estudos de pacientes pediátricos e adultos foram incluídos se dados específicos pediátricos estivessem disponíveis. Se não estivesse claro se a população do estudo incluía crianças, os pesquisadores tentavam entrar em contato com os autores correspondentes por e-mail, até três tentativas, para determinar se as crianças foram incluídas e, em caso afirmativo, se dados específicos pediátricos poderiam ser fornecidos.

Dois pesquisadores independentes avaliaram os estudos quanto à elegibilidade, viés e qualidade. Dados sobre o cenário do estudo, tipo de lesão, participantes, desenho, intervenções, dosagem de TXA e resultados foram extraídos. O desfecho primário foi a sobrevida em crianças que receberam TXA após trauma. A heterogeneidade foi avaliada e os dados foram agrupados por meta-análise usando um modelo de efeitos aleatórios.

Resultados

No total, 14 artigos preencheram os critérios de inclusão, sendo seis estudos de uma única instituição e oito estudos de coorte retrospectivos multicêntricos. Os estudos foram realizados em sete países e publicados entre 1977 e 2021. Nove eram estudos de coorte retrospectivos, quatro eram revisões retrospectivas de bancos de dados administrativos e um era uma série de casos. Onze estudos exploraram a eficácia e segurança do uso do TXA no trauma pediátrico: seis avaliaram o trauma de combate e cinco foram realizados em hospitais civis, enquanto três focaram no uso do TXA em trauma ocular isolado (hifema traumático) e foram avaliados separadamente.

Saiba mais: Abordagem tópica à epistaxe: ácido tranexâmico resolve?

No geral, o uso de TXA não foi associado ao aumento da sobrevida no trauma pediátrico (razão de chances ajustada [aOR] 0,61, intervalo de confiança de 95% [IC 95%] 0,30-1,22) após ajuste para variáveis de nível do paciente, como gravidade da lesão. O aumento da sobrevida foi documentado no subconjunto de crianças que sofreram trauma em ambientes de combate (aOR para mortalidade 0,31, IC 95% 0,14-0,68). Não houve diferenças nas chances de eventos tromboembólicos (OR 1,15, IC 95%: 0,46-2,87) em crianças que receberam TXA versus crianças que não o receberam.

Conclusões

O artigo mostra que a totalidade dos dados disponíveis de trauma pediátrico e em ambientes civis não mostra o benefício de sobrevivência do TXA. Evidências limitadas sugerem aumento da sobrevida em trauma pediátrico em ambientes de combate. Os dados escassos sobre TXA em trauma pediátrico contrastam nitidamente com os dados de alta qualidade de estudos prospectivos de trauma adulto e cirurgia eletiva pediátrica. Apesar disso, o TXA tem sido divulgado e implementado nas diretrizes de trauma pediátrico por órgãos profissionais. Dessa forma, ensaios prospectivos rigorosos do uso de TXA em trauma pediátrico, incluindo crianças de todas as idades, são viáveis e urgentemente justificados, para informar a prática nesta área e determinar conclusivamente a utilidade, segurança e dosagem ideal do TXA na principal causa de óbito infantil.

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
# Kornelsen E, et al. Effectiveness and safety of tranexamic acid in pediatric trauma: A systematic review and meta-analysis. Am J Emerg Med. 2022;55:103-110.  DOI: 10.1016/j.ajem.2022.01.069  
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.