Sepse

Revista PEBMED: sepse é o tema da nossa 3ª edição; baixe grátis!

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Hoje, 13, é comemorado o Dia Mundial da Sepse e, como todos os médicos sabem, os guidelines deste tema estão mudando o tempo todo. Amados por alguns, odiados por outros, as recomendações do Surviving Sepsis Campaign (SSC) são sempre o motivo de muita discussão e polêmica.

Uma atualização recente, por exemplo, publicada na revista Critical Care Medicine, alterou o pacote de três a seis horas dos famosos “bundles” da sepse para um único “pacotão” de 1 hora após a triagem. Pensando na logística do paciente na emergência, é muita coisa para ser pensada e feita em pouco tempo.

Considerando, porém, que a sepse é a principal causa de morte em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), segundo dados do Instituto Latino Americano de Sepse (ILAS), o médico precisa estar sempre atento às novas atualizações para que possa agir de forma rápida e eficiente. Por isso, nós, da PEBMED, estivemos no Fórum Internacional de Sepse e trouxemos todas as novas recomendações para a terceira edição da Revista PEBMED.

Nesta edição, abordamos os desafios no diagnóstico da infecção generalizada, o que deve ser destacado na abordagem prática da sepse, o que há de novo no manejo do choque séptico, na antibioticoterapia e na monitorização hemodinâmica, estratégias terapêuticas na síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) grave e tratamento de lesão renal aguda na sepse.

SEPSE: BAIXE GRÁTIS A TERCEIRA EDIÇÃO DA REVISTA PEBMED E FIQUE POR DENTRO DAS NOVAS RECOMENDAÇÕES

Confira as edições anteriores da Revista PEBMED:

Sobre a sepse

Também conhecida como infecção generalizada, a sepse é um conjunto de manifestações de uma infecção por todo o organismo do paciente, sendo uma das principais preocupações na emergência. É mais comum ocorrer em casos onde os pacientes sofreram trauma, estão no pós-operatório ou estão com alguma doença grave, e pode levar à disfunção ou falência dos órgãos e, em muitos casos, a óbito.

Segundo o ILAS, a taxa de mortalidade no Brasil chega a 65% dos casos, muito maior que a média mundial, que é de 30 a 40%. Os principais grupos populacionais de risco são:

  • Prematuros;
  • Crianças menores de um ano;
  • Idosos (acima de 65 anos);
  • Pacientes com câncer, AIDS, doenças crônicas (como insuficiência cardíaca e diabetes) ou que fizeram uso de quimioterapia ou outros medicamentos que afetam as defesas do organismo;
  • Pessoas que usaram álcool e drogas;
  • Pacientes hospitalizados que utilizam antibióticos, cateteres ou sondas.

Geralmente, os sintomas da infecção são inespecíficos e por isso existe muita dificuldade em obter um diagnóstico precoce, que é super importante nesses casos. Por isso, não deixe de baixar a nova edição da nossa revista e ter acesso aos principais pontos no diagnóstico e abordagem da sepse!

SEPSE: BAIXE GRÁTIS A TERCEIRA EDIÇÃO DA REVISTA PEBMED E FIQUE POR DENTRO DAS NOVAS RECOMENDAÇÕES

Compartilhar
Publicado por
Clara Barreto

Posts recentes

Anemia ferropriva na gestação – parte 1

A anemia ferropriva é caracterizada por redução ou ausência de estoque de ferro no organismo.…

1 hora atrás

PEBMED e Saúde Global: metas de qualidades do corpo clínico [vídeo]

No episódio de hoje, Vitor Sforni comenta sobre as metas de qualidade presentes no planejamento…

2 horas atrás

Suplementação alimentar

A suplementação alimentar é feita com o objetivo de complementar a alimentação com nutrientes, substâncias…

3 horas atrás

Válvula aórtica bicúspide: são todas iguais? Veja as novas definições

A válvula aórtica bicúspide (VAB) é uma condição congênita caracterizada pela ausência da morfologia normal…

5 horas atrás

Ministério da Saúde recomenda dose de reforço da vacina da Janssen

O Ministério da Saúde emitiu uma nota técnica ontem, 25, recomendando uma dose de reforço…

6 horas atrás

Diabetes tipo 2: em que momento utilizar a insulina como recurso terapêutico? [podcast]

No episódio de hoje do podcast da PEBMED, saiba mais sobre o uso da insulina…

7 horas atrás