Página Principal > Obstetrícia > Risco de readmissão hospitalar em mulheres que tiveram hemorragia pós-parto grave
hemorragia pós-parto

Risco de readmissão hospitalar em mulheres que tiveram hemorragia pós-parto grave

Tempo de leitura: 3 minutos.

Foi publicado em março de 2019 no Jornal Europeu de Medicina Perinatal o resultado de um estudo cujo objetivo era avaliar os fatores de risco e o risco de readmissão hospitalar pós-parto entre as mulheres que tiveram diagnóstico primário de hemorragia pós-parto (HPP). Confira os detalhes da pesquisa:

Métodos

O Banco de Dados da Healthcare Cost and Utilization Project’s Nationwide Readmissions Database, entre 2010 a 2014, serviu como base de pesquisa para avaliar o risco de reinternação pós-parto dentro de 60 dias após a alta em mulheres que tiveram HPP. Fatores obstétricos, clínicos, demográficos e hospitalares, incluindo HPP, foram analisados. O desfecho primário foi 60 dias de readmissão pós-parto para HPP.

Leia maisComo reduzir infecções em sítio cirúrgico de cesariana?

Tanto análises não ajustadas quanto ajustadas foram realizadas. Nos modelos ajustados, o risco foi caracterizado como razões de risco ajustadas (aRR) com intervalos de confiança de 95% (IC). Como desfecho secundário para caracterizar ainda mais como a HPP estava associada à probabilidade de readmissão, o risco de readmissão por todas as causas foi avaliado entre as mulheres com esse diagnóstico durante o parto.

Resultados

De 15.701.150 hospitalizações por parto, 10.618 mulheres foram readmitidas no pós-parto por uma indicação primária de hemorragia pós-parto. 82% das readmissões ocorreram ≤ 20 dias após a alta. No modelo ajustado de readmissão para HPP, a HPP durante a internação inicial foi associada com aRR de 5,26 (IC95% 4,94, 5,59) para hemorragia isolada, aRR de 14,28 (IC95% 13,06, 15,60) para hemorragia requerendo transfusão e aRR de 12,40 para HPP com coagulação intravascular disseminada (CIVD) requerendo transfusão (95% CI 9,56-16,08) em comparação com nenhuma HPP. Para a análise secundária avaliando a reinternação por todas as causas, a HPP foi associada com rR de 1,47 apenas para hemorragia (95% IC 1,44-1,51), aRR de 2,43 para HPP que necessitou de transfusão (IC95% 2,34-2,52) e aRR de 2,77 para HPP com CIVD requerendo transfusão (IC 95% 2,54-3).

Discussão

Esta análise demonstrou que a hemorragia pós-parto está associada ao aumento da probabilidade de reinternações tanto para a HPP quanto para todas as causas em pacientes que necessitam de transfusão. A readmissão por HPP é um diagnóstico desafiador para se antecipar, dada a sua raridade e que o intervalo médio para readmissão pode ser duas semanas após o parto, sendo um período mais longo que reinternação para a hipertensão e outras causas. Embora as readmissões por HPP tenham sido relativamente raras, a readmissão por todas as causas foi relativamente comum, pois ocorreu em 1,6% das partos; A HPP durante a primeira internação manteve a significância como fator de risco no modelo ajustado para esse desfecho.

A HPP com transfusão foi associada com probabilidade particularmente alta de readmissão, apoiando que pacientes com grande hemorragia podem se beneficiar de um acompanhamento por curto período, do que uma consulta seis semanas após o parto. Quanto à distribuição temporal, mais de três quartos das readmissões por HPP e dois terços de todas as causas de readmissões ocorreram ≤20 dias após a alta, apoiando ainda mais a ideia de acompanhamento precoce. Em análises ajustadas, outros fatores associados ao risco para HPP incluíram a idade materna mais avançada e a doença hipertensiva da gravidez durante a internação índice. Mais pesquisas de custo e efetividade comparativa são necessárias para esclarecer melhor o seguimento pós-parto ideal baseado em fatores de risco maternos.

Conclusão

Este estudo fornece dados populacionais que propõe intervalos mais curtos de acompanhamento pós-parto para mulheres com hemorragia obstétrica mais grave.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Arielle Fein Ba, Timothy Wen, Jason D. Wright, Dena Goffman, Mary E. D’Alton, Frank J. Attenello, William J. Mack e Alexander M. Friedman (2019) Hemorragia pós-parto e risco de readmissão pós-parto, The Journal of Medicina Materno-Fetal e Neonatal, DOI: 10.1080 / 14767058.2019.1601697

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.