Home / Cardiologia / RM Cardíaca melhora identificação da artéria culpada no IAM SSST
infarto agudo do miocárdio (IAM)

RM Cardíaca melhora identificação da artéria culpada no IAM SSST

Cardiologia, Colunistas
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

Nos pacientes com infarto agudo do miocárdio sem supra de ST (IAM SSST), a coronariografia é a estratégia de estratificação preferida na maioria dos casos. Contudo, é muito comum que o hemodinamicista se depare com múltiplas lesões vasculares. Ao contrário do IAM com supraST, no qual a artéria culpada está ocluída, no IAM SSST a artéria pode apresentar obstrução grave mas não total. Nesta situação, vem a pergunta: qual a artéria culpada (IRA, infarct related artery)? Abrimos todas?

Leia maisQual é a incidência e preditores de IAM em pacientes com doença arterial?

Uma diretriz recente da ESC sugere que, em pacientes hemodinamicamente estáveis, todas as artérias devem ser revascularizadas. Um estudo recente trouxe outro foco a esta discussão: 114 pacientes no seu primeiro IAM realizaram RM cardíaca, com técnica do realce tardio, além da coronariografia. O hemodinamicista estava cego para os resultados da RM.

Quais os achados?

  • 60% dos pacientes eram multivasculares.
  • 13% dos pacientes não eram isquêmicos, mas sim tinham outras miocardiopatias, como miocardite e Takotsubo.
  • Em ⅓ dos casos, o hemodinamicista, com base no aspecto da lesão, errou qual era a artéria culpada.
  • A RM mudou a artéria culpada (IRA) em ⅓ dos pacientes

Qual a implicação prática?

Por enquanto, foi um estudo pequeno, que mostrou um potencial: a RM melhora a identificação da artéria culpada e o diagnóstico (13% não eram IAM tradicional). Mas é preciso testar essa estratégia em uma população maior a fim de sabermos se pedir a RM antes do CAT melhora o desfecho clínico, ou seja, se usando ela para guiar angioplastia, teremos resultados clínicos melhores que simplesmente abrir todas as lesões.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Identifying the Infarct-Related Artery in Patients With Non–ST-Segment–Elevation Myocardial Infarction
    John F. Heitner, MD, Annamalai Senthilkumar, MD, J. Kevin Harrison, MD, Igor Klem, MD, Michael H. Sketch Jr, MD, Alexandr Ivanov, MD, Carine Hamo, MD, Lowie Van Assche, MD, James White, MD, Jeffrey Washam, PharmD, Manesh R. Patel, MD, Sebastiaan C.A.M. Bekkers, MD, Martijn W. Smulders, MD, Terrence J. Sacchi, MD, Raymond J. Kim, MD

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.