Página Principal > Dermatologia > Rosácea: café diminui risco da doença em mulheres
rosácea

Rosácea: café diminui risco da doença em mulheres

Tempo de leitura: 2 minutos.

A rosácea é caracterizada pela vermelhidão que acomete o rosto, principalmente as bochechas, o nariz e a testa e, se não tratada, pode atingir até os olhos. Às vezes confundida com queimadura solar ou outros problemas cutâneos, a rosácea é uma doença séria que pode provocar ressecamento da pele, rinofima (deformações no nariz decorrentes de hiperplasia das glândulas sebáceas) e até comprometimento da visão.

Rosácea e as mulheres

Tanto homens quanto mulheres estão expostos à rosácea, porém o grupo de risco mais comum é composto por mulheres de 30 a 50, em sua maioria da raça branca. Como trata-se de uma doença crônica, o tratamento é focado no controle dos sintomas. O café pode ser um forte aliado na atenuação da vermelhidão, pois diminui a vasodilatação.

Leia mais: Como diagnosticar e tratar a dermatite seborreica?

Um estudo de coorte analisou mais de 82.737 participantes, que responderam ao questionário Nurses’ Health Study II entre 1991 e 2005, e identificou 4.945 casos diagnosticados de rosácea. As pacientes relataram a quantidade de doses de café consumidas diariamente e os pesquisadores compararam com a severidade dos sintomas da doença de acordo com o consumo de cafeína de cada uma delas. A análise ocorreu entre 2017 e 2018 e foi publicada em outubro na revista Jama Dermatology.

Resultados

Após o ajuste para outros fatores de risco, os pesquisadores encontraram uma razão inversa entre o consumo de café e a rosácea, ou seja, quando maior a dose menor era o risco para a doença. (Hazard ratio 0,76; IC 95% [0,69-0,84], P <0,001).

A pesquisa constatou que os benefícios do café foram observados apenas na versão normal e não em cafés descafeinados (Hazard ratio 0,77 para quem consumiu ≥4 xícaras por dia vs consumo <1 por mês; IC 95%, [0,69-0,87; P < 0,001]), as versões descafeinadas não apresentaram relação benéfica nos sintomas da rosácea (HR 0,80; IC 95%, [0,56-1,14]; P = 0,39).

O consumo de cinco a sete xícaras de café também apresentou eficácia, pois reduziu em pelo menos 11% no risco para a doença. Outras fontes de cafeína, como chá ou chocolate, não demonstraram efeitos na pesquisa.

Tenha em mãos informações objetivas e rápidas sobre práticas médicas. Baixe o Whitebook

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • Li S, Chen ML, Drucker AM, et al. Association of Caffeine Intake and Caffeinated Coffee Consumption With Risk of Incident Rosacea In Women. JAMA Dermatol. Published online October 17, 2018. doi:10.1001/jamadermatol.2018.3301

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.