Página Principal > Colunistas > Saiba como manejar o paciente com obstrução nasal

Saiba como manejar o paciente com obstrução nasal

Tempo de leitura: 2 minutos.

A obstrução nasal é um sintoma que pode estar presente em várias doenças sistêmicas e/ou locais. Com exceção da atresia coanal congênita bilateral, o sintoma é de baixa mortalidade e morbidade de acordo com a etiologia.

Sinais e sintomas associados

  • rinorreia, distúrbios do olfato, crises esternutatórias, prurido nasal, epistaxes, edema de face e/ou nariz, dor nasal e/ou em face, boca seca, ardor, halitose, tosse, gengivites, faringites.
  • alterações no aparelho tubo timpânico, como autofonia, plenitude aural, hipoacusia
  • sintomas gerais: fadiga, baixo rendimento escolar/trabalho, prejuízo nas atividades físicas diárias, distúrbios do sono, irritabilidade, febre, perda de peso

Diagnóstico da obstrução nasal

A historia clinica deve contemplar tempo do inicio dos sintomas, intensidade, freqüência e lado predominante, caso os sintomas sejam contínuos, intermitentes ou progressivos. Sintomas associados, uso de medicações e historia familiar.

Exame físico

Inspeção

  • respirador oral: face alongada, boca entre aberta, projeção anterior da arcada dentária superior, lábio superior curto, lábio inferior evertido
  • rinite alérgica: Dupla prega de Dennie-Morgan, saudação nasal, lacrimejamento, prurido ocular
  • Rinolateralidade/rinoescolioses
  • Abaulamentos e ou retrações faciais

Rinoscopia anterior

Observa-se o tamanho das conchas inferiores (e médias em algumas ocasiões), coloração mucosa (palidez podendo corresponder a processos alérgicos/virais , hiperemia, processos bacterianos/virais ), aspecto da mucosa, posição do septo (centrado, desviado, sinuoso) e presença de massas.

Leia mais: A posição do paciente afeta o grau de absorção das medicações feitas por via nasal?

Avaliação da válvula nasal (teste de Cottle): realiza-se uma tração lateral das bochechas, se houver melhora dos sintomas, sugere-se alteração e válvula.

Endoscopia nasal/nasofibroscopia

Introduz-se um endoscópio rígido ou flexível observa-se toda a cavidade nasal, até a rinofaringe/laringe.

Orosocopia

Alterações do respirador oral, tumorações em palato, lesões expansivas.

Otoscopia

Lembre-se que o óstio-faríngeo da tuba auditiva encontra-se na nasofaringe, portanto a presença de hipertrofia de adenoides, massas e tumores nasais pode cursar com alterações auditivas, como por exemplo, otite média serosa.

Exames de Imagem

Atualmente a radiografia de face tem uma baixa sensibilidade, apesar de poder informar a respeito de espessamento mucoso, nível líquido e fraturas. A tomografia computadorizada de face e seios paranasais constitui o exame padrão ouro para o estudo do nariz e cavidades paranasais.

Aspectos importantes

  • Causa mais importante de obstrução nasal bilateral intermitente ou unilateral alternante: inflamatória
  • Atresia coanal bilateral congênita: emergência médica
  • Obstrução nasal unilateral em criança associada rinorreia fétida unilateral: corpo estranho
  • Adolescente, masculino com obstrução nasal progressiva associada a epistaxe: investigar nasoangiofibroma juvenil
  • Obstrução nasal em adulto com otite média secretora: investigar nasofaringe para afastar doença maligna
  • Tumorações, abaulamentos e retrações faciais, abaulamento do globo ocular: fastar lesões expansivas
  • Doenças endócrinas como diabetes mellitus e hipotireoidismo podem cursar com obstrução nasal crônica
  • Medicamentos como anti-hipertensivos, reserpina, hidralazina, metildopa, prazosina, betabloqueadores, antidepressivos e anticoncepcionais orais também podem causar obstrução nasal.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.