Sedação e analgesia por dor e estresse prolongados durante a ventilação mecânica em prematuros: a dexmedetomidina é uma alternativa à prática atual?

A ventilação mecânica em recém-nascidos prematuros causa dor e desconforto, que podem ser minimizados com sedação e anestesia. Confira!

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

A ventilação mecânica (VM) é amplamente utilizada para suporte respiratório em prematuros, porém essa é uma intervenção potencialmente dolorosa e desconfortável.  

Os recém-nascidos (RN) prematuros apresentam respostas hormonais e fisiológicas aumentadas à dor. Dessa forma, o manejo da dor e da agitação é fundamental para uma boa terapia intensiva, no entanto, a dor neonatal é avaliada de forma inconsistente e inadequada. 

Leia também: ADS 2022: bundle com medidas não farmacológicas foi associado a diminuição na prevalência de delirium em UTIP

Embora o manejo ideal da dor e da sedação durante a VM ainda não tenha sido descoberto, o uso seletivo de infusão contínua de opioides é recomendado para bebês que são ventilados mecanicamente por períodos prolongados. 

Estudo compara ingestão de nutrientes em bebês de 6 a 12 meses utilizando o desmame tradicional ou o método BLW

Opções de sedação

Opioides como morfina e fentanil são usados ​​para analgesia e sedação, mas estudos concluíram que há incerteza se eles reduzem a dor em lactentes em VM. Além disso, pode haver consequências adversas em curto e longo prazo, como depressão respiratória, levando a oxigenioterapia prolongada e efeitos prejudiciais no neurodesenvolvimento em longo prazo. Mesmo assim, os opioides são amplamente utilizados, possivelmente por falta de alternativas. 

A dexmedetomidina foi aprovada pela primeira vez pela Food and Drug Administration em 1999. Um agonista alfa-2-adrenérgico altamente seletivo com efeitos analgésicos e sedativos, levando a inibição da liberação de substância P dos cornos dorsais da medula espinhal, atualmente aprovado para adultos, passou a ser usado em RN. Esta medicação tem efeito analgésico e “simula” o sono natural com manutenção da respiração espontânea e do tônus ​​das vias aéreas superiores.  

Até o momento, não existem dados para avaliar a exposição precoce à dexmedetomidina e a função neurocognitiva em longo prazo em crianças, porém estudos em animais sugerem que a dexmedetomidina pode ter alguns efeitos neuroprotetores, incluindo efeitos de proteção celular sob condições  isquêmicas e após lesão cerebral traumática. 

Embora os dados sobre farmacocinética-farmacodinâmica em bebês prematuros sejam escassos, estudos observacionais relataram que o uso de dexmedetomidina em conjunto com opioides e benzodiazepínicos pode reduzir a exposição cumulativa a essas duas drogas. Por não causar depressão respiratória, a dexmedetomidina poderia permitir desmame e extubação mais rápidos. Essa droga também foi sugerida como adjuvante da hipotermia terapêutica para encefalopatia hipóxico-isquêmica, procedimentos dolorosos e cirurgia. 

Em contrapartida, os sedativos e analgésicos usados atualmente também impactam negativamente o desenvolvimento cerebral. Por exemplo, a exposição ao midazolam está associada a alterações macro e microestruturais no desenvolvimento do hipocampo e escores cognitivos mais baixos, enquanto o uso de opioides está associado à redução do volume cerebelar, piores desfechos cognitivos e motores e problemas comportamentais na infância. Nenhum estudo clínico investigou o impacto da dexmedetomidina nos desfechos neurológicos ou no neurodesenvolvimento em RN prematuros ou a termo. 

O medicamento está disponível como cloridrato de dexmedetomidina, geralmente administrado em uma concentração de 0,5–1 mcg/mL como dose de ataque ao longo de 10 a 20 min e dose de manutenção em bomba de infusão contínua. 

Estudos

O número crescente de publicações de estudos observacionais e uso clínico demonstra que a dexmedetomidina está sendo usada no RN, mas os dados sobre segurança e eficácia são escassos e não são de alta qualidade. 

Como a dexmedetomidina não causa depressão respiratória, postula-se que seu uso, sem ou com doses reduzidas de opioides, deva permitir o desmame mais rápido da VM e auxiliar a extubação. 

As principais preocupações com o uso de dexmedetomidina são bradicardia e hipotensão. Não há relatos de eventos adversos adicionais devido à interação da dexmedetomidina com outros medicamentos quando usada em cuidados neonatais, no entanto, a polifarmácia é comum na prática neonatal e a dexmedetomidina pode, potencialmente, interagir com outros medicamentos usados com frequência, como o fenobarbital, betabloqueadores e diazóxido. 

É importante ressaltar que não há dados sobre o impacto no desenvolvimento neurológico de longo prazo em bebês prematuros ou nascidos a termo. A aceitação da dexmedetomidina na prática clínica de rotina deve ser precedida por evidências clínicas.

Precisamos de estudos controlados randomizados e bem desenhados investigando se a dexmedetomidina isolada ou com opioides e benzodiazepínicos em lactentes em VM reduz a necessidade dessas últimas drogas e melhora o neurodesenvolvimento aos 24 meses e mais tarde, em comparação com o uso de opioides e benzodiazepínicos isolados.  

 

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão
# Ojha S, Abramson J, Dorling J. Sedation and analgesia from prolonged pain and stress during mechanical ventilation in preterm infants: is dexmedetomidine an alternative to current practice? BMJ Paediatrics Open 2022;6:e001460. doi: 10.1136/bmjpo-2022-001460