Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Semaglutida oral é aprovado para diabetes tipo 2 em adultos
médico medindo glicemia em paciente idosa com diabetes tipo 2

Semaglutida oral é aprovado para diabetes tipo 2 em adultos

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Tempo de leitura: 3 minutos.

Foi aprovado, nos Estados Unidos, o uso do semaglutida oral (Rybelsus Novo Nordisk), de 7 mg e 14 mg, para o tratamento da diabetes tipo 2 em adultos, com o objetivo de melhorar o controle glicêmico juntamente com a dieta e a prática regular de exercícios.

A versão injetável uma vez por semana do agonista do receptor de peptídeo-1 de ação prolongada semelhante ao glucagon (GLP-1) (Ozempic, Novo Nordisk) foi aprovada em dezembro de 2017.

“Será um divisor de águas. Não há agente oral que possa reduzir de 1,2% a 1,5% HbA 1c com uma perda de 3 a 4 kg. Uma das barreiras dos agonistas do GLP-1, entre outras coisas, é ser injetável “, disse Julio Rosenstock, diretor médico do Dallas Diabetes Research Center, no Texas, em entrevista realizada ao site da Associação Europeia para a Estudo Anual da Diabetes (EASD) 2019.

Os efeitos colaterais gastrointestinais dos agonistas do GLP-1 são menores na forma oral do que na forma injetável. E a classe agonista do receptor GLP-1 promove uma maior perda de peso do que outra nova classe de medicamentos para diabetes tipo 2, os inibidores da SGLT-2.

O professor de medicina Simeon Taylor, da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland, em Baltimore, que também foi entrevistado pelo Medscape, comentou que, quando administrado como uma injeção subcutânea uma vez por semana, o semaglutida apresenta diversas características extremamente atraentes, incluindo os melhores resultados glicêmicos, melhor perda de peso e uma redução de 26% no risco de eventos cardiovasculares adversos importantes.

Mas, embora o semaglutida oral uma vez ao dia “também tenha um perfil atraente, seria necessário um ensaio clínico direto das duas formulações para comparar os perfis de risco-benefício entre subcutâneo e oral”, observou o professor de medicina.

“É provável que alguns pacientes prefiram a conveniência de um medicamento oral ao invés de uma formulação injetável. Outros pacientes podem preferir a conveniência de uma vez por semana em comparação à administração diária”, continuou Simeon Taylor, que acrescentou que será importante revisar as informações de prescrição aprovadas pela Food and Drug Administration (FDA) para entender se os pacientes precisarão tomar precauções especiais em termos de tempo para tomar o medicamento em relação às refeições. Pois, se os pacientes precisarem evitar comer próximo a uma dose oral, isso pode ter implicações na percepção de conveniência.

“Devido à ineficiência relativa da absorção da formulação oral, a dose semanal total de semaglutido oral excede substancialmente a dose da formulação subcutânea. Será importante entender o preço das duas formulações para avaliar a relação custo-eficácia”, concluiu o professor de medicina.

Veja mais: ESC 2019 x DM: principais pontos da Diretriz de Diabetes em doença cardiovascular

Semaglutida oral testado em ensaios PIONEER

O medicamento foi testado nos ensaios PIONEER de fase 3 da Novo Nordisk, que avaliou o seu uso em uma variedade de regimes de tratamento e subgrupos de pacientes.

No PIONEER-6, por exemplo, o medicamento mostrou-se seguro em pacientes com diabetes tipo 2 que apresentavam alto risco cardiovascular. Nesse estudo, embora tenha havido uma redução de 21% nos principais eventos cardíacos adversos, isso não foi significativo.

Em PIONEER-3, o semaglutida oral reduziu HbA 1c níveis melhor do que o fez a dipeptidil-peptidase-4 (DPP-4), inibidor de sitagliptina (marcas múltiplas).

E no PIONEER-5, em pacientes com diabetes tipo 2 e doença renal crônica moderada, a adição de semaglutido oral diário à metformina, sulfonilureia e / ou insulina reduziu a HbA 1c em 1% em 26 semanas.

Leia também: Controle Intensivo de Glicose em Pacientes com Diabetes Tipo 2

Espaço para inibidores de semaglutida oral e SGLT-2

Questionado sobre como o semaglutida oral se compara aos inibidores da SGLT-2, que também são administrados por via oral, no tratamento da diabetes tipo 2, os responsáveis afirmaram que, sem dúvida, os inibidores da SGLT-2 têm a vantagem de insuficiência cardíaca.

Claro que não serão todos os pacientes que usarão o semaglutida oral, mas muitos deles sim. E isso já é um grande avanço.

Baixe grátis o Whitebook e tenha a melhor abordagem para diabetes na palma da sua mão!

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor:

Referências bibliográficas:

Um comentário

  1. Avatar
    Daniel Fernando Barbosa Agostini

    Acompanho a algum tempo a ação dos agonistas do GLP1 e, até o momento, poucos estudos afirmam o efeito colateral a longo prazo, porém os benefícios a curto prazo estimulam o seu uso. Para alguns pode ser difícil aceitação por ser injetável, ao meu ver é uma posologia muito confortável e segura. Parabéns pela matéria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.