Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Sepse na gestação: como não perder o diagnóstico de vista

Sepse na gestação: como não perder o diagnóstico de vista

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

A sepse representa uma situação dramática em atendimento médico de urgência e emergência. Situações muitas vezes passando despercebidas podem complicar e muito a evolução dos pacientes.

Durante muito tempo, gestantes eram critérios de exclusão desses estudos de sepse. A mortalidade chegava próximo de 50% no começo dos anos 2000.

Sepse na gestação

Os casos de sepse em gestantes têm se mostrado cada vez mais frequentes e mais graves, uma vez que as mulheres estão postergando ter filhos, adicionando comorbidades com o avançar da idade, como, por exemplo, diabetes mellitus, obesidade, hipertensão arterial e as tecnologias de reprodução assistida, elevando a gravidade das gestações.

Mudanças fisiológicas na gravidez podem retardar o diagnóstico de sepse durante essa fase, como a diminuição da resistência vascular periférica e taquicardia gestacional. Assim como a flacidez vesical pode facilitar infecções urinárias, por exemplo, e mascarar o diagnóstico.

O sítio urogenital ainda continua sendo a principal porta de entrada para quadros infecciosos simples e/ou graves na gestante.

sepse revista

Leia também: Faço ou não corticoide na sepse grave?

Sepse

A sepse tem aumentado sua incidência tanto na população em geral como nas gestantes. Algumas modificações fisiológicas gestacionais podem confundir e atrasar o diagnóstico durante o ciclo grávido-puerperal.

Torna-se imperioso que a equipe de cuidados intensivos seja acionada e o obstetra participe ativamente, de modo a proporcionar o melhor atendimento multidisciplinar para essa paciente, em patologia de altas morbi e mortalidades.

Receba todas as atualizações em Ginecologia e Obstetrícia! Inscreva-se em nossa newsletter!

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Cordioli Ricardo Luiz, Cordioli Eduardo, Negrini Romulo, Silva Eliezer. Sepse e gravidez: sabemos tratar?. Rev. bras. ter. intensiva [Internet]. 2013 Dec [cited 2019 Nov 08] ; 25( 4 ): 334-344. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-507X2013000400334&lng=en. http://dx.doi.org/10.5935/0103-507X.20130056.
  • Özçelik M, Turhan S, Bermede O, Yılmaz AA, Ünal N, Bayar MK. Outcomes of Antepartum and Postpartum Obstetric Admissions to the Intensive Care Unit of A Tertiary University Hospital: An 8-Year Review. Turk J Anaesthesiol Reanim. 2017 Oct;45(5):303-309. doi: 10.5152/TJAR.2017.56323. Epub 2017 Oct 1. PMID: 29114416; PMCID: PMC5656166.
  • Timothy M.E. Crozier, MBBS (Hons), FRACP, FCICM, MPH. General Care of the Pregnant Patient in the Intensive Care Unit. Semin Respir Crit Care Med 2017;38:208–217.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.