Página Principal > Infectologia > Sobrevida de pessoas com HIV mais que dobrou nos últimos anos no Brasil
HIV aids

Sobrevida de pessoas com HIV mais que dobrou nos últimos anos no Brasil

Tempo de leitura: 3 minutos.

Uma pesquisa do Ministério da Saúde mostra que sobrevida de adultos (70%) e crianças (87%) com AIDS é superior a 12 anos. Antes do início da implementação das estratégias de combate ao HIV/AIDS no país, esse tempo era de apenas cinco anos.

São Paulo, do Centro de Referência e Tratamento de DST/AIDS de São Paulo, da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, em parceria com pesquisadores da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) e do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da USP.

Esses dados animadores do Estudo de Abrangência Nacional de Sobrevida e Mortalidade de Pacientes com AIDS no Brasil revelam o sucesso das políticas públicas de combate ao HIV/AIDS no país, que desde 1996 garante o tratamento universal e gratuito no Sistema Único de Saúde (SUS) para pacientes com AIDS. Os resultados apontam que 70% dos adultos e 87% das crianças diagnosticadas entre 2003 e 2007 tiveram sobrevida superior a 12 anos.

Leia maisPor que ainda não devemos falar em cura do HIV?

O último estudo a analisar a sobrevida desses pacientes no país foi realizado em 1999 e mostrava uma sobrevida de cerca de nove anos. Em 1996, antes de o Ministério da Saúde oferecer o tratamento universal aos pacientes com AIDS, a sobrevida era estimada era de apenas cinco anos.

“A divulgação desses resultados é incrivelmente importante para as pessoas que vivem com HIV/AIDS e para os médicos que cuidam diretamente desses pacientes. Apesar de todo o avanço no conhecimento da doença, a infecção pelo HIV ainda é cercada de muitos mitos e estigmas. Muitos ainda veem a doença como uma “sentença de morte”, o que, com os tratamentos disponíveis atualmente, está muito longe da verdade. Essa pesquisa vem mostrar o que o tratamento antirretroviral é eficaz e capaz de dar uma sobrevida prolongada e com qualidade aos que aderem”, comemora Isabel Cristina Melo Mendes, médica residente em Infectologia no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (UFRJ) e colunista da PEBMED.

Pesquisa

A pesquisa foi realizada com 112.103 pacientes adultos e 2.616 crianças de todo o país, entre 2003 e 2007. Desse total, 70% dos adultos (77.659) e 87% (2.289) das crianças permaneciam vivos até o fechamento dos dados para o estudo, em 2014. Dos adultos que foram a óbito, 27.147 morreram em decorrência da AIDS e 7.297 por outras causas não relacionadas à doença. Entre as crianças, 280 morreram em decorrência da AIDS e 47 de outras causas.

Para chegar a esse resultado, a pesquisa levou em consideração outros fatores, além do tempo de vida entre o diagnóstico e o óbito, como a taxa de mortalidade de AIDS no período, análises estatísticas e modelos de riscos. No período do estudo (2003 a 2007), a taxa de mortalidade por AIDS em adultos teve queda de 89,1% e, em crianças, a redução foi de 88,8%.

O sucesso das estratégias de resposta brasileira ao HIV/AIDS é reconhecido internacionalmente. O Brasil foi um dos primeiros países – e o único, considerando sua dimensão populacional – a adotar a distribuição gratuita dos medicamentos para a AIDS no seu sistema público de saúde, em 1996. Atualmente, existem 21 medicamentos disponíveis no SUS.

A previsão é que 16 milhões de testes de HIV sejam distribuídos em 2019. Em 2018, foram 13,8 milhões e, em 2017, 11,8 milhões.

Cuidados no atendimento a pacientes com HIV/AIDS

Para a infectologista Isabel Mendes, os médicos devem entender no momento do atendimento o contexto social em que os pacientes com HIV/AIDS estão inseridos, uma vez que isso permite identificar redes de apoio familiar e social e fatores que podem facilitar ou atrapalhar o tratamento.

De acordo ainda com a especialista, a adesão é um componente primordial para o sucesso do tratamento e dedicar um tempo da consulta para realmente conversar com o paciente faz toda a diferença: perceber e esclarecer possíveis dúvidas, entender como é a relação do indivíduo com a doença e com o tratamento, reforçar os benefícios da adesão – incluindo o aumento de sobrevida – e identificar fatores que possam dificultar a mesma, como efeitos colaterais, por exemplo.

Conclusão

Além do âmbito psicossocial, outro aspecto que ganha importância é o combate a fatores de risco de doenças cardiovasculares. Portanto, a adoção de hábitos de vida saudáveis, como a interrupção de tabagismo, a manutenção do peso ideal e a realização de atividades físicas, é algo a ser abordado pelos médicos sempre que possível.

“Muitas vezes, o médico que atende o paciente com HIV/AIDS é o único médico daquele paciente ou é o seu médico de referência. Nesse contexto, a consulta é sempre uma boa oportunidade para se discutir medidas de prevenção. Assim, a vacinação, a prevenção de DSTs, a formação de hábitos saudáveis de vida e o rastreio de neoplasias, quando indicado, também acabam sendo aspectos que merecem atenção”, ressalta Isabel Mendes.

Whitebook

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.