Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cardiologia / Terapia com estatinas deve ser continuada em pacientes que começam diálise?
estatinas

Terapia com estatinas deve ser continuada em pacientes que começam diálise?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

As diretrizes americanas mais atuais recomendam a continuação da terapia com estatina em pacientes que precisam iniciar a diálise para doença renal crônica avançada. Mas essa prática realmente oferece proteção cardiovascular e melhora os desfechos? Foi o que investigou um estudo publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA) em outubro.

Para isso, pesquisadores realizaram um estudo de coorte retrospectivo com idosos norte-americanos (idade média de 71 anos; 96,7% do sexo masculino) em transição para diálise para doença renal crônica avançada, entre 2007 e 2014. No total, 14.298 indivíduos que estavam recebendo estatinas durante o período de 12 meses antes da diálise foram selecionados para esse ensaio.

LEIA TAMBÉM: Quando iniciar diálise no paciente crítico?

Diálise e estatinas

Características dos grupos:

  • Continuar as estatinas foi caracterizado como se a terapia com estatinas fosse mantida por, pelo menos, 6 meses durante o primeiro ano após o início da diálise (n = 11.936).
  • Descontinuar as estatinas foi caracterizado como se a terapia com estatinas tivesse sido interrompida no mesmo ano do início da diálise (n = 2.362).

O desfecho analisado foi mortalidade pós-diálise.

Resultados

A mortalidade e as taxas de mortalidade por doença cardiovascular um ano pós-diálise foram menores nos indivíduos que continuaram utilizando estatinas:

  • Óbitos por 100 pessoas-anos: 21,9 (IC de 95%: 20,9 a 22,8) e 8,1 (IC de 95%: 7,5 a 8,6) com o uso de estatina vs. 30,3 (IC de 95%: 27,8 a 32,8) e 9,8 (IC de 95%: 8,3 a 11,2) sem o uso de estatina.

As associações foram semelhantes entre os subgrupos, incluindo idade, raça e presença de diabetes.

Conclusões

Pelos achados, os autores concluíram que manter a terapia com estatina após a transição para diálise pode reduzir a mortalidade por todas as causas e a mortalidade por doença cardiovascular.

LEIA TAMBÉM: Efeitos adversos da utilização das estatinas – realidade e mito

Referências:

  • Association of Continuation of Statin Therapy Initiated Before Transition to Chronic Dialysis Therapy With Mortality After Dialysis Initiation. JAMA Network Open 2018;1:e182311.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.