Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Clínica Médica / Testes moleculares para infecções respiratórias: o que dizem as novas recomendações?
enfermeiro manejando teste diagnóstico de infecções respiratórias agudas

Testes moleculares para infecções respiratórias: o que dizem as novas recomendações?

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Os meses de inverno tipicamente trazem um aumento na circulação de viroses respiratórias. Algumas são altamente contagiosas, enquanto outras, como Influenza, podem levar a doença grave e mesmo ao óbito.

Embora já disponíveis no mercado há alguns anos, os testes moleculares ganharam destaque na prática clínica no ano de 2020 devido à necessidade de diferenciar Covid-19 de outras infecções respiratórias agudas.

Para orientar a utilização dos diversos testes disponíveis, o Comitê Diagnóstico da Sociedade Americana de Doenças Infecciosas (IDSA) publicou suas recomendações para o diagnóstico de infecções respiratórias agudas.

Diagnóstico de infecções respiratórias

O impacto dos resultados da testagem é influenciado pela probabilidade pré-teste de determinada doença. Em um período em que a circulação de Influenza é baixa, uma criança imuocompetente com uma doença respiratória de via aérea superior tem uma baixa probabilidade pré-teste de diagnóstico de Influenza e um resultado positivo mais provavelmente representa um falso positivo. Portanto, nesse contexto, testagem para Influenza não necessariamente está recomendada.

Por outro lado, em pacientes imunocomprometidos, com síndrome gripal grave ou nos casos em que a detecção de outro agente etiológico influenciaria a decisão de início de tratamento antiviral ou de não iniciar antibióticos, a testagem sindrômica para múltiplos vírus respiratórios está recomendada.

Estudos de custo-efetividade, embora escassos, mostram que uma abordagem de testar e tratar seria preferível à estratégia de tratamento empírico com medicamentos com ação contra Influenza nos períodos em que a prevalência de Influenza é moderada ou quando o risco de doença grave é considerado moderado ou alto. Entretanto, o uso de testagem é mais útil no contexto ambulatorial se os resultados estiverem disponíveis em até 2h.

Leia também: Teste molecular na tuberculose extrapulmonar: uma boa alternativa diagnóstica?

Os painéis moleculares voltados para detecção de bactérias ainda são novos e faltam evidências em relação à performance e ao impacto clínico de sua utilização. Teoricamente, esses testes trariam maior benefício em pacientes com infiltrados pulmonares novos ou piores, estão com quadro clínico moderado ou grave, que receberam antibióticos previamente à coleta de culturas ou quando há risco de infecção polimicrobiana e/ou multidroga-resistente.

Qual a melhor estratégia de testagem?

  • Influenza: CDC e IDSA recomendam o uso de testes moleculares voltados para a detecção de material genético do vírus Influenza em oposição aos baseados em antígenos tanto em contexto ambulatorial quanto hospitalar. Entretanto, ainda não há comprovação de que a testagem universal para Influenza seja custo-efetiva.
  • SARS-CoV-2: muito em relação a sensibilidade e especificidade dos testes disponíveis ainda está por ser estabelecido, dificultando a elaboração de recomendações. O consenso destaca que amostras de nasofaringe e orofaringe podem ser usados para detecção viral, com níveis de pico tipicamente na primeira semana de doença. Contudo, destaca-se também que as taxas de detecção podem variar entre os pacientes e ao longo do tempo de doença. Além disso, a detecção de material genético viral pode persistir após soroconversão e resolução dos sintomas, não estando estabelecido o potencial infeccioso nesse contexto.
  • Testes simultâneos para múltiplos vírus: o uso de painéis multiplex tem sua maior custo-efetividade em pacientes pediátricos, com redução no uso desnecessário de antibióticos e solicitação de radiografias de tórax. Outras situações com benefício seriam pacientes imunocomprometidos ou com pneumonia grave ou com exacerbações de doenças de vias respiratórias.

Destaca-se a necessidade de cautela na interpretação dos resultados devido a sua alta sensibilidade e à incapacidade de diferenciar infecção de colonização e que a realização de painéis multiplex não exclui a necessidade de culturas para bactérias e fungos quando indicado pelo contexto clínico.

Em pacientes com alta suspeição clínica de Influenza e vírus sincicial respiratório em pacientes imunocomprometidos com infiltrados pulmonares, recomenda-se a realização de testes em amostras do trato respiratório inferior após um resultado negativo de amostra do trato respiratório superior.

Autora:

Referência bibliográfica:

  • Hanson, KE, Azar, MM, Banerjee, R, Chou, A, Colgrove, RC, Ginocchio, CC, Hayden, MK, Holodiny, M, Jain, S, Koo, S, Levy, J, Timbrook, TT, Caliendo, AM. Molecular Testing for Acute Respiratory Tract Infections: Clinical and Diagnostic Recommendations From the IDSA’s Diagnostics Committee. Clinical Infectious Diseases. 2020;XX(XX):1–8. DOI: 10.1093/cid/ciaa508

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.