Tinta antimicrobiana é uma inovação tecnológica que promete salvar vidas

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

De acordo com dados da Associação Nacional de Biossegurança, 100 mil pessoas morrem anualmente no país por contaminações contraídas em hospitais e clínicas onde foram buscar tratamento para outras doenças. Uma das inovações tecnológicas criada há 10 anos está ajudando a reverter esse quadro. A tinta antimicrobiana oferece um mecanismo promissor para combater a presença de um amplo espectro de micróbios, incluindo bactérias, mofo, fungos e até mesmo vírus.

Em 2019, um grupo de pesquisadores americanos do Instituto Politécnico Rensselaer, nos Estados Unidos, criou esse revestimento em nanoescala, que erradica a MRSA (Methicillin Resistant Staphylococcus aureus), a chamada superbactéria.

Durante os testes, 100% da MRSA em solução morreram dentro de 20 minutos em contato com uma superfície pintada com tinta látex misturada com o nanorrevestimento.
Segundo os pesquisadores, a tinta pode ser aplicada em instrumentos cirúrgicos, móveis e até mesmo nas paredes dos hospitais.

Tinta antimicrobiana

Segredo da tinta antimicrobiana

Os cientistas explicam que o segredo da tinta antimicrobiana está na mistura de nanotubos de carbono com a lisostafina, uma enzima natural utilizada por cepas não-patogênicas de bactérias Staph para se defender contra a Staphylococcus aureus, incluindo a MRSA.

A enzima é ligada aos nanotubos de carbono por uma cadeia de polímero flexível, aumentando a sua capacidade de atingir as bactérias MRSA. O compósito nanotubo-enzima resultante pode ser misturado em qualquer acabamento de superfície. Nos testes, ele foi misturado com tinta látex comum, usada para pintar paredes.

Ao contrário dos demais revestimentos antimicrobianos, a cobertura age de forma tóxica somente para a MRSA, não depende de antibióticos e não libera substâncias químicas no ambiente ao longo do tempo.

Leia maisBactérias multirresistentes podem matar 10 milhões de pessoas até 2050

As bactérias mortas também não entopem o sistema, que continua ativo, podendo ser lavado várias vezes sem perder a eficiência. “A lisostafina é muito seletiva, não funcionando contra outras bactérias e não sendo tóxica para as células humanas. Nós passamos um bom tempo demonstrando que a enzima não sai da tinta durante os experimentos”, diz Dordick.

A BioCote produz tintas antimicrobianas que são vendidas comercialmente, oferecendo um mecanismo promissor para combater as superbactérias. O mais interessante é que as mesmas substâncias químicas presentes em produtos antibacterianos usados na limpeza de hospitais e equipamentos médicos são conhecidos por promover as cepas antibacterianas, matando bactérias boas e ruins da mesma forma.

Portanto, foi comprovada a eficácia e a segurança da tinta antimicrobiana em hospitais e clínicas, sendo uma ferramenta a mais no controle de doenças, mesmo as causadas pelas superbactérias.

Nota orienta sobre comércio de tintas com ação saneante

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou recentemente a Nota Técnica n. 9, com o seu posicionamento sobre a comercialização de tintas com ação saneante, ou seja, com ação antimicrobiana, inseticida ou repelente.

No texto, a agência explica os requisitos necessários relacionados ao comércio desses produtos, utilizados para auxiliar no combate a mosquitos transmissores de doenças como dengue, zika, chikungunya e malária.

As orientações são destinadas a fabricantes e interessados em adquirir essas tintas, principalmente as de uso profissional ou que possuem venda restrita. Atualmente, o tema está em discussão do problema regulatório, fase em que são estudadas as alternativas para enfrentamento da questão.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar