Transtornos mentais como fator de risco para infecção, hospitalização e morte por Covid-19

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Há uma larga produção científica que procura entender as implicações da pandemia de Covid-19 nos transtornos mentais. Contudo, o sentido inverso dessa relação — como as condições psiquiátricas afetam a doença — tem sido menos explorado. As doenças psiquiátricas se apresentam como potenciais facilitadoras no processo de exposição ao SARS-CoV-2, uma vez que podem interferir em padrões de comportamento relevantes para os cuidados de saúde. Além disso, diferentes transtornos mentais já foram associados a quadros clínicos identificados como fatores de risco para complicações graves da infecção, como doenças cardiovasculares e diabetes. Agora, um estudo recente parece demonstrar que pacientes diagnosticados com transtornos mentais, independente de suas comorbidades clínicas, podem estar sob maior risco de complicações graves e morte por Covid-19.

Como transtornos mentais afetam pacientes com Covid-19

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Método do estudo

Um estudo ainda não publicado, mas já disponível na versão online da World Psychiatry, utilizou uma base de dados de prontuários eletrônicos da IBM para avaliar a relação entre os diagnósticos de transtornos psiquiátricos e de Covid-19. A base é alimentada por 360 hospitais e mais de 300 mil profissionais espalhados pelos EUA. Dados de mais de 60 milhões de pacientes foram analisados para o estudo. Apesar de um trabalho complexo, o desenho do estudo era simples: calcular a razão de chances para infecção, hospitalização e morte por Covid-19 entre pacientes com e sem transtornos mentais diagnosticados, ajustando para faixas etárias, gênero, etnia e comorbidades. Para fins de análise estatística, os diagnósticos foram ainda divididos em TDAH, transtorno bipolar, transtorno depressivo e esquizofrenia.

Leia também: Fadiga como sintoma persistente de Covid-19

Para transtornos com diagnóstico recente, definido no estudo como realizado há até um ano, havia um grande aumento nas chances de infecção por Covid-19, com resultados mais significativos para depressão (OR=10,43; 95% CI=10,10-10,76) e esquizofrenia (OR 9,89; 95% CI=8,68-11,26). Mais interessante do que isso é o fato de que, apesar da relação perder força, ela se mantinha significativa para todos os transtornos mesmo após a correção para comorbidades médicas. Novamente, o efeito mais pronunciado ocorreu para pacientes com depressão (OR=7,64; 95% CI=7,45-7,83) e esquizofrenia (OR=7,34; 95% CI=6,65-8,10). Na comparação entre necessidade de hospitalização e morte por Covid-19, os achados também são desfavoráveis para pacientes com distúrbios psiquiátricos. No somatório, pacientes com Covid-19, mas sem diagnóstico recente de transtorno mental, foram internados menos frequentemente (18,6%) do que pacientes com Covid-19 e diagnóstico recente de transtorno mental associado (27,4%) (p < 0,0001). Em relação à letalidade da doença, os pacientes com transtorno psiquiátrico de diagnóstico recente também foram à óbito mais frequentemente (8,5%) do que aqueles sem essa condição (4,7%) (p < 0,0001).

Saiba mais: Um estudo preliminar sobre o uso de fluvoxamina em quadros de Covid-19

Os autores levantam diversas hipóteses para explicar a relação encontrada no estudo, incluindo fatores ambientais, comportamentais e possíveis relações biológicas. Pacientes psiquiátricos estão mais comumente sujeitos a piores condições socioeconômicas e a ambientes de trabalho mais insalubres. Eles também fazem mais visitas hospitalares e mais frequentemente residem em instituições, lares e até mesmo penitenciárias, o que pode facilitar a disseminação do SARS-CoV-2. Em termos comportamentais, pacientes com transtornos mentais tendem a ter maiores dificuldades em assimilar informações ou aderir a condutas preventivas de diferentes formas. Um paciente com TDAH, por exemplo, pode se esquecer de usar máscaras, higienizar as mãos ou manter o distanciamento em uma interação social. Já um paciente com depressão poderia apresentar um quadro de desmotivação no qual o autocuidado é negligenciado. Por último, para além das comorbidades clínicas sabidamente relacionadas aos transtornos psiquiátricos, os autores especulam se os estados inflamatórios associados à patogênese de depressão, esquizofrenia e transtorno bipolar não poderiam atuar como uma base fisiopatológica compartilhada com efeito sinérgico para as complicações da Covid-19.

Conclusão

Por fim, é válido ressaltar que, para além do entendimento teórico, os resultados expostos podem trazer implicações relevantes em diferentes níveis. Em relação à prática clínica, a assimilação desse contexto pelos profissionais de saúde pode trazer à luz a relevância de promover o autocuidado desses pacientes com maior ênfase em meio à pandemia. Em um nível mais amplo, a discussão em relação a grupos prioritários para vacinação se aquece à medida que nos aproximamos do momento de imunizar a população. A partir dos dados analisados nesse estudo, pacientes psiquiátricos podem e devem ser pensados como população de risco, tanto sob o ponto de vista utilitarista, sanitário e coletivo quanto sob a perspectiva ética de evitar dano e sofrimento individual.

Apesar das limitações relacionados a estudos realizados a partir de bases de dados e da necessidade de mais evidências para corroborar esse achado, é possível acolher a ideia de que pacientes com transtornos mentais estão provavelmente sob maior risco de contaminação, hospitalização e morte por Covid-19. Esse conhecimento ganha corpo em uma etapa em que a comunidade médica e científica ultrapassa a sombra do desconhecimento pleno em relação à pandemia e se encontra na margem de um momento de maior sobriedade e ação. Nesse cenário, achados como esse devem ampliar nossa lucidez para que decisões mais embasadas minimizem os danos e otimizem nossos acertos na batalha contra o coronavírus.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • DE Hert M, Correll CU, Bobes J, Cetkovich-Bakmas M, Cohen D, Asai I, et al. Physical illness in patients with severe mental disorders. I. Prevalence, impact of medications and disparities in health care. World Psychiatry. 2011 Feb;10(1):52–77. doi: 10.1002/j.2051-5545.2011.tb00014.x.
  • Wang Q, Xu R, Volkow ND. Increased risk of COVID-19 infection and mortality in people with mental disorders: analysis from electronic health records in the United States. World Psychiatry. 2020 Oct 7. doi: 10.1002/wps.20806
  • De Hert M, Mazereel V, Detraux J, Van Assche K. Prioritizing COVID-19 vaccination for people with severe mental illness. World Psychiatry. 2020 Nov 1. doi: 10.1002/wps.20826

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar