Página Principal > Colunistas > Tratamento de ITU para mulheres em idade reprodutiva: qual é a recomendação?
perda gestacional

Tratamento de ITU para mulheres em idade reprodutiva: qual é a recomendação?

Tempo de leitura: 3 minutos.

No dia 12 de janeiro de 2018 foi publicado pelo Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) um trabalho sobre antibióticos dispensados para mulheres grávidas para tratamento de infecção do trato urinário – ITU.

As ITU ocorrem em cerca de 8% das mulheres grávidas e, se não tratadas, podem ter sérias consequências, como pielonefrite, parto prematuro, baixo peso ao nascer e sepse. No pré-natal, são investigadas precocemente e mesmo se bacteriúria assintomática são tratadas com antibióticos. A administração destes é fundamental para melhor segurança da paciente.

Devido ao risco potencial de defeitos congênitos, incluindo anencefalia, defeitos cardíacos e fissuras orofaciais, associados ao uso de sulfonamidas e nitrofurantoína durante a gravidez, uma opinião do comitê de 2011 do American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) recomendou que as sulfonamidas e nitrofurantoína poderiam ser prescritas no primeiro trimestre da gravidez somente quando outras terapias antimicrobianas fossem consideradas clinicamente inadequadas.

Para avaliar os efeitos dessas recomendações, o CDC analisou o banco de dados Truven Health MarketScan para examinar prescrições de antibióticos em mulheres grávidas com ITU. Entre 482.917 gravidezes em 2014, 7,2% das mulheres tiveram um diagnóstico ambulatorial de ITU durante os 90 dias anteriores à data do último período menstrual ou durante a gravidez. Entre as gestantes com ITU, os antibióticos mais frequentemente prescritos durante o primeiro trimestre foram a nitrofurantoína, ciprofloxacina, cefalexina e sulfametoxazol-trimetoprim.

Dado os riscos potenciais associados ao uso de alguns desses antibióticos no início da gravidez e ao potencial de gravidezes não reconhecida, os profissionais de saúde da mulher devem estar familiarizados com as recomendações da ACOG e considerar a possibilidade de gravidez precoce no tratamento de mulheres em idade reprodutiva.

Mais do autor: ‘Náuseas e vômitos na gravidez – recomendações 2018’

Um estudo de 2003 que examinou cerca de 13 mil prontuários entre mulheres com idades entre 18 e 75 anos com cistite aguda, registrados em uma organização de assistência a saúde dos EUA durante 1997-1999, descobriu que os antibióticos mais comumente dispensados ​​por três dias para tratamento de cistite não recorrente eram fluorquinolonas (32%), sulfametoxazol-trimetropim (37%) e nitrofurantoína (16%).

Um estudo recente utilizando o National Ambulatory Medical Care Survey e National Hospital Ambulatory Medical Care Survey que avaliou > 7.000 consultas ambulatoriais com diagnóstico de ITU entre mulheres com ≥18 anos de 2002 a 2011 descobriu que 80% foram prescritos antibióticos no prazo de sete dias; e os medicamentos mais comumente prescritos foram fluoroquinolonas (39%), sulfonamidas (22%) e nitrofurantoína (15%). Em comparação, com a análise atual, as mulheres com ITU nos 90 dias que antecederam o último período menstrual, foram mais dispensados ciprofloxacina (25,5%), nitrofurantoína (24,0%) e sulfametoxazol-trimetropim(18,7%).

A análise do CDC de um grande banco de sinistros de seguros demonstrou que, em 2014, nitrofurantoína e trimetoprim-sulfametoxazol eram tratamentos comuns para mulheres com ITU durante o primeiro trimestre de gravidez. Melhorar a seleção de antibióticos é um aspecto importante da administração de antibióticos e esses apresentam riscos potenciais associados ao uso precoce na gravidez, particularmente durante a organogênese.

Dado as recomendações para evitar esses medicamentos no início da gravidez, se possível, e o fato de que quase 50% das gestações nos Estados Unidos não são intencionais, é importante que Médicos de várias especialidades estejam familiarizados com essas recomendações e que considerem que podem estar “tratando dois” quando prescrevendo tratamentos antibióticos para infecções do trato urinário para mulheres em idade reprodutiva que podem engravidar em um futuro próximo ou mesmo gestantes.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

Referências:

  • Ailes EC, Summers AD, Tran EL, et al. Antibióticos dispensados ​​a mulheres grávidas com infecção privada com infecções do trato urinário – Estados Unidos, 2014. MMWR Morb Mortal Wkly Rep 2018; 67: 18-22. DOI: http://dx.doi.org/10.15585/mmwr.mm6701a4.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.