Página Principal > Enfermagem > Úlcera venosa: abordagem do enfermeiro no cuidado ao paciente
Úlcera venosa

Úlcera venosa: abordagem do enfermeiro no cuidado ao paciente

Tempo de leitura: 4 minutos.

Definição: As úlceras venosas são lesões crônicas associadas à hipertensão venosa dos membros inferiores e correspondem a um percentual que varia de 80 a 90% das úlceras encontradas nesta localização.

O conteúdo abaixo faz parte do Nursebook. Clique aqui para ter acesso a medicamentos, calculadoras, procedimentos de enfermagem e muito mais!

A insuficiência venosa crônica (IVC) é a causa mais comum das úlceras de perna. É definida como uma anormalidade do funcionamento do sistema venoso causada por uma incompetência valvular, associada ou não à obstrução do fluxo venoso. Pode afetar o sistema venoso superficial, o sistema venoso profundo ou ambos.

Fisiopatologia: Úlceras venosas geralmente ocorrem quando as válvulas das veias das pernas estão danificadas e o fluxo sanguíneo, que deveria ocorrer das veias superficiais para as veias profundas, passa a fluir sem direção ocasionando hipertensão venosa, fazendo com que os capilares se tornem mais permeáveis propiciando que macromoléculas, como fibrinogênio, hemácias e plaquetas, passem para o espaço extra vascular.

Este evento causa alterações cutâneas como edema, eczema, hiperpigmentação e lipodermatoesclerose, fazendo com que a pele fique mais sensível e propícia ao surgimento de uma lesão.

Anamnese:

Durante a consulta, o enfermeiro deve realizar a avaliação clínica por meio da história, antecedentes e exame físico do paciente, que se tornam fundamentais para estabelecer o diagnóstico da úlcera.

Para que o enfermeiro possa tratar de pacientes com úlceras da perna, como a úlcera venosa, é necessário compreender o processo de reparo tecidual, identificar as doenças de base e suas implicações, além de conhecer as características clínicas e histopatológicas das úlceras, a fim de direcionar a assistência adequada.

As pessoas com maior risco de desenvolverem úlceras de perna venosas são as que já tiveram uma úlcera de perna.

Outros fatores de risco são:

  • Veias varicosas;
  • Quadros anteriores de trombose venosa profunda na perna afetada;
  • Flebite na perna afetada;
  • Fratura, trauma ou cirurgia anterior;
  • Histórico familiar de doenças venosas;
  • Sintomas de insuficiência venosa: dor na perna, sensação de pernas pesadas, pernas doridas, comichão, inchaço, lesões na pele, pigmentação e eczema.

Exame Físico:

Ao exame físico, o membro acometido pode apresentar alterações eczematosas com eritema, descamação, prurido e, ocasionalmente, exsudato.

De um modo geral, a úlcera venosa é uma ferida de forma irregular, superficial no início, mas podendo se tornar profunda, com bordas bem definidas e comumente com exsudato amarelado. A região predominante deste tipo de úlcera é a porção distal dos membros inferiores, mas principalmente, na região do maléolo medial. Contudo, podem estar presentes em outras partes das pernas, quando desencadeadas por traumas ou infecções.

Importante!

  • Verificar as medidas antropométricas (peso e altura);
  • Localização da úlcera;
  • Condições da pele;
  • Presença de calosidades;
  • Atrofias musculares;
  • Edema (inchaço);
  • Pulsos (pedioso e tibial posterior);
  • Alterações de sensibilidade e sinais de inflamação.

Tratamento

O tratamento clínico oferecido ao portador de úlcera venosa consiste na realização do curativo, terapia compressiva, prescrição de dieta que favoreça a cicatrização, orientações quanto à importância de repouso e do uso de meias de compressão após a cura da ferida.

Leia mais: Tuberculose: abordagem do enfermeiro no cuidado ao paciente

A cobertura para a úlcera venosa deve absorver o exsudato do leito da lesão, manter ambiente local úmido, ser de fácil aplicação e remoção a fim de evitar traumas durante a troca, minimizar a dor da ferida, ser hipoalergênica, ser impermeável a patógenos, ser estéril e livre de contaminantes, bem como prover isolamento térmico.

Portanto, no tratamento ao paciente com úlcera venosa o enfermeiro deve:

  • Envolver medidas que auxiliem o retorno venoso para redução de edema;
  • Realizar curativo com alta capacidade de retenção de exsudato, principalmente ao iniciar terapia compressiva;
  • Escolher adequadamente o tipo de cobertura adequada a cada fase do tratamento, observando sempre o leito da lesão e as características da úlcera no momento do atendimento;
  • Monitorar a pele periferida quanto à maceração;
  • Desbridar tecido desvitalizado;
  • Enfaixamento compressivo e bota de Unna indicados desde que não tenha infecção ou pulso ausente;
  • Repouso diário, sendo 2 horas pela manhã e à tarde ou 10 minutos a cada hora no mínimo, com MMII elevados, sem fletir os joelhos;
  • Deambulação moderada, e seguida de repouso;
  • Evitar permanecer muito tempo em pé ou sentado;
  • Estimular caminhadas e exercícios para extremidades inferiores: 20 exercícios, 3x ao dia, de flexão plantar apoiando-se nas pontas dos pés.

Prevenção e orientações ao paciente

A prevenção da úlcera venosa consiste em:

  1. Repouso com elevação dos membros inferiores, pois facilita o retorno venoso. Os pés devem permanecer elevados pelo menos a 30 graus. Deve ser orientado com moderação em pacientes idosos, uma vez que pode afetar a mobilidade.
  2. O uso de meias de compressão é aconselhável para prevenir o edema e melhorar o efeito da bomba muscular, conforme avaliação e prescrição médica;
  3. A caminhada e exercícios de elevar o calcanhar ocasionam flexão e contração dos músculos da panturrilha. Estes são necessários para a manutenção da bomba muscular;
  4. Cuidados com a pele: a pele do membro afetado tende a ser descamativa e apresentar dermatite, por isso é necessária cautela na escolha do produto. Os cremes ou loções com fragrâncias ou corantes devem ser descartados. Um emoliente suave deve ser a opção.
  5. Reduzir o peso corporal;
  6. Realizar avaliação clínica periódica, para pesquisa de anemia, desnutrição, hipertensão e insuficiência cardíaca;
  7. Evitar traumas nos membros inferiores.

Quer ter mais segurança na sua prática profissional? Acesse agora o Nursebook, o 1º aplicativo exclusivo para enfermeiros!

Autor:

Referências:

  • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de condutas para úlceras neurotróficas e traumáticas / Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
  • Santana, RF; Oliveira, BGRB; Cavalcanti, ACD; Nogueira, GA. Nursing diagnoses in patients with chronic venous ulcer: observational study. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2015 abr./jun.;17(2):333-9.
  • Carmo SS, Castro CD, Rios VS, Sarquis MGA. Atualidades na assistência de enfermagem a portadores de úlcera venosa. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2007;9(2):506-17.
  • AZEVEDO, G. A. M.; MIRANDA, M.; ALVES, P. Prevenção e Tratamento de Feridas: Da Evidência à Prática. 1. ed. Novembro, 2014.
  • LOPES, MF; ZUFFI, FB. Cuidados aos portadores de úlcera venosa: percepção dos enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família. 2012
  • Guimarães, JAB; Nogueira, LMC; Diretrizes para o tratamento da úlcera venosa. Enfermería Global No 20 Octubre 2010.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.