Página Principal > Emergências > Um olhar em meio ao caos: reflexão sobre a profissão do médico
CBMI 2018

Um olhar em meio ao caos: reflexão sobre a profissão do médico

Tempo de leitura: 3 minutos.

Plantão em emergência costuma ter uma pitada de caos na vida de todo médico e nesse dia não foi diferente. Aguardava um paciente que já havia recebido a ficha. Estava demorando, fui pessoalmente buscá-lo. Cumprimentei os familiares e eu mesma puxei a cadeira de rodas, que estava com os pneus avariados, saí algo desgovernada pelo corredor, com um esforço imenso pra fazer aquela roda girar. Os filhos, um homem e uma mulher pareciam indiferentes. Fiquei incomodada com a situação, mas continuei me esforçando.

Sentamos no consultório, perguntei o que havia acontecido com aquele senhor, era uma amaurose súbita do olho esquerdo com desorientação. Continuei a conversa, até que em algum momento da história, eles confessaram que estavam meio apavorados porque há alguns meses a mãe deles havia falecido de infarto agudo do miocárdio na sala de espera daquele hospital. Ela foi atendida na triagem com dor torácica e o médico pediu exames. Enquanto ela esperava (por horas), teve uma parada cardíaca e as tentativas de reanimação não conseguiram reverter. O médico, que havia atendido a paciente inicialmente, chorou.

Semanas após este relato, hoje estava novamente naquele plantão com uma concha de caos. Sou chamada pelo médico da triagem, havia um paciente de 51 anos com dor torácica importante. Ele não havia conseguido rodar o eletrocardiograma porque era tanta dor que estava agitado. “Abri o protocolo de dor torácica e já fiz AAS e clopidogrel”. Neste hospital, não temos protocolos estabelecidos, mas ele abriu este pseudoprotocolo da mente dele e rapidamente me chamou, a médica da “sala vermelha”.

Leia mais: AAS deve ser ajustada pelo peso na prevenção de eventos cardiovasculares?

Fiz analgesia, colhi laboratório com enzimas cardíacas, fiz o combo de medicações de novo porque o paciente vomitou tudo em cima de mim, fiz antiemético. Enquanto isso, tentávamos ajustar o eletro. Enfim rodou, infras e supras, corro para unidade coronariana, passo o caso, infarto agudo do miocárdio. Em 15 minutos, o paciente estava se preparando para a hemodinâmica. Eu senti uma sensação de paz quando passei o bastão com a certeza de que ele teria uma chance real de sobreviver. Olhei para esposa e disse que ele ia ficar bem. Ela me agradeceu e seus olhos marejaram. O paciente, ao sair do elevador, disse para nos prepararmos porque ele ia fazer um churrasco quando tudo terminasse.

Cheguei em casa, fisicamente exausta, e vi no Facebook um relato de um médico próximo dizendo que estava cansado. A pressão da profissão, as exigências por estar sempre certo, as possíveis consequências de seus erros, haviam sugado suas forças. Ele deve estar em um dia do médico que chorou, como muitas vezes eu já estive. A faculdade não nos prepara para os momentos em que tudo dá errado, não nos diz que você obviamente não vai render 100% nas 24h horas de plantão. (A propósito, quem inventou as 24h de plantão?).

Mas há algo que, mesmo quando estamos afogados no caos, nos impulsiona a continuar estudando e buscando o nosso melhor. Talvez seja o olhar de agradecimento daquela esposa, ou poder segurar a mão de alguém no pior momento de sua vida. Que sigamos procurando nas pequenas pistas, a certeza de que estamos onde deveríamos, um significado real para nossa própria existência.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Dayanna de Oliveira Quintanilha

Médica no Hospital Naval Marcílio Dias ⦁ Residência em Clínica Médica na UFF ⦁ Graduação em Medicina pela UFF ⦁ Contato: dayquintan@hotmail.com

2 Comentários

  1. jose francisco marins

    Prezada Dayana(Dra)
    Muito legal a sua manifestação.Sou médico,segundo tenente da RNR, tendo honrosamente servido À Marinha, no Corpo de Fusileiros Navais.em 1970.Já contando com vários anos de formado(1969-Faculdade Nacional de Medicina) no Rio tenho a “autoridade” (vivência) para parabeniza-la e me enquadrar ,fielmente,na sua narrativa.
    Por algumas vezes passei por situações parecidas e você descreveu bem nosso sentimento com ser humano.
    Infelizmente,a Medicina tomou outro rumo em que o médico é sempre o vilão,sem que saibam o que corre na na nossa alma como cristãos .Mas não desistimos.Temos vocação para isso,e o que nos impulsiona para seguirmos em frente é sabermos que estamos minimizando o sofrimento de nossos irmãos.
    U m grande abraço e muito sucesso na sua carreira.

    .

    • Dayanna Quintanilha

      Bom dia Jose Francisco,
      Sou a Dayanna, colunista do portal e também faço parte do Corpo de Saúde da Marinha.
      Obrigada por compartilhar conosco sua experiência. Fico muito feliz com o feedback!
      Vamos seguir fazendo o nosso melhor sempre.
      Abç!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.