Uso de albumina no paciente crítico: o que precisamos saber

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O debate entre reposição volêmica com coloides ou cristaloides não é recente. A polêmica perpetua-se, mantida por grandes estudos com resultados heterogêneos (SAFE, ALBIOS, SOAP) no que concerne a mortalidade, sobretudo no tocante a desfechos em subgrupos específicos. Além disso, outras situações de indicação de reposição do hemoderivado encontram resultados conflitantes nos estudos.

O paciente hepatopata parece ser o que mais se beneficia na reposição da albumina: em grandes paracenteses, síndrome hepatorrenal ou peritonite bacteriana espontânea. Hipoalbuminemia e ressuscitação volêmica per se não são indicações formais para a administração da mesma, considerando as evidências atuais.

Dentre as indicações mais conhecidas de reposição de albumina, incluídas as da ANVISA, percebe-se que o assunto continua controverso, embora possamos destacar uma indicação, com um maior nível de evidência: em paracenteses com retirada de grande volume, tradicionalmente acima de 5 litros; é bem aceita nas peritonites bacterianas primárias; nas síndromes hepatorrenais, bem como nos edemas refratários aos diuréticos, tanto na cirrose como na síndrome nefrótica.

LEIA MAIS: Como evitar a sobrecarga volêmica?

Até mesmo em algumas ocorrências de indicação formal pela ANVISA para reposição do hemoderivado, como priming em cirurgia cardíaca, grande queimado e prevenção na síndrome de hiperestimulação ovariana, existem estudos conflitantes. Em outras situações a reposição permanece como uma opção, porém com indicação discutível e que deve ser individualizada.

O custo-benefício é uma variável importante a ser analisada, uma vez que a albumina mostra-se segura em muitos estudos, entretanto é mais cara e muitas vezes não é superior a alternativas menos dispendiosas.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Trabalho de Conclusão de Curso (Discussão e Conclusão) – Especialização em Medicina Intensiva do Hospital Sirio Libanês – Uso de albumina no paciente crítico.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar