Vacinação contra a Covid-19: quais profissionais de saúde devem ser priorizados?

Tempo de leitura: 2 min.

Após a liberação de uso emergencial das vacinas da Sinovac e de Oxford, realizada ontem pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Ministério da Saúde divulgou um informe técnico com a distribuição das primeiras doses da vacinação conta a Covid-19 e os grupos prioritários.

Como ainda não há doses disponíveis da vacina de Oxford, a primeira imunização em todo o país acontecerá com as 6 milhões de doses da Coronavac que foram importadas. Por isso, mesmo que os profissionais de saúde estejam dentro das populações selecionadas anteriormente para comporem a fase 1, o Governo selecionou quais deles devem ser imunizados neste momento, deixando outros profissionais do grupo para uma segunda distribuição de doses.

Vacinação contra a Covid-19

A vacinação terá início, oficialmente, hoje, 18, em todo o país. Segundo o Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, a expectativa é que os estados que receberão as doses poderão dar início à vacinação por volta das 17h. A exceção é o estado de São Paulo, onde as doses já estavam armazenadas, que começou a vacinação ainda ontem, após a aprovação da Anvisa.

Quem será vacinado?

O Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19 dividiu os grupos prioritários em quatro fases. Na primeira, terão prioridade os profissionais de saúde, pessoas com 75 anos ou mais, idosos acima de 60 anos que vivem em instituições de longa permanência e povos indígenas. Já a segunda fase incluirá todos os idosos de 60 a 74 anos.

Na fase 3 estarão pessoas que fazem parte do grupo de risco por terem comorbidades, como cardiopatas e doentes renais crônicos. Por fim, a quarta fase priorizará professores, agentes de segurança, trabalhadores do sistema prisional e população privada de liberdade.

Leia também: Butantan apresenta a eficácia global da vacina Coronavac

Apesar disso, devido à quantidade limitada de doses, o Governo propôs a seguinte priorização para os profissionais de saúde, que poderá ser adaptada por cada estado e município:

  1. Profissionais envolvidos nas equipes de vacinação dos grupos elencados para as 6 milhões de doses;
  2. Trabalhadores das instituições de longa permanência de idosos e de residências inclusivas (Serviço de Acolhimento Institucional em Residência Inclusiva para jovens e adultos com deficiência);
  3. Profissionais que trabalham nos serviços de saúde públicos e privados, tanto da urgência quanto da atenção básica, envolvidos diretamente na atenção/referência para os casos suspeitos e confirmados de covid-19;
  4. Por fim, se ainda houver doses disponíveis, demais trabalhadores de saúde.

Sendo assim, apesar de a fase 1 incluir os profissionais de saúde, o Governo orienta, neste momento inicial, priorizar aqueles que estão mais expostos aos riscos, além das outras populações que fazem parte desta etapa. Os demais profissionais de saúde ainda serão vacinados na primeira fase, mas podem precisar aguardar o envio de novas doses aos estados.

Novas doses para vacinação

Apesar de o Governo ter anunciado a importação de 2 milhões de doses da vacina de Oxford, a Índia ainda não liberou as mesmas. Segundo o laboratório indiano, o envio pode acontecer em até duas semanas.

Para acelerar ainda mais o processo de vacinação, o Butantan anunciou que realizará, ainda hoje, a solicitação de uso emergencial para outras 4 milhões de doses, dessa vez as envasadas aqui no Brasil, com a matéria-prima que foi importada.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referência bibliográfica:

Relacionados