Vacinação de gestantes e lactantes contra a Covid-19: atualizações

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Em 26 de janeiro de 2021, a OMS declarou explicitamente sua postura desaconselhando a vacinação de gestantes e lactantes contra o novo coronavírus. Após posicionamentos de importantes sociedades obstétricas e pediátricas, a OMS retificou sua opinião para uma linguagem mais permissiva diante da vacinação deste grupo. Porém, ainda não temos protocolos defendendo explicitamente a vacinação de gestantes e lactantes.

Leia também: Covid-19: vacinação em pacientes com insuficiência adrenal

Vacinação de gestantes e lactantes contra a Covid-19: atualizações

Posicionamento do JAMA

Na última semana, a revista JAMA lançou um editorial discutindo sobre o tema. O artigo comenta que um dos principais motivos pelos quais nem mulheres grávidas nem lactantes foram incluídas nos ensaios da vacina Covid-19 é a preocupação com a responsabilidade sobre os efeitos adversos potenciais sobre o feto de um novo produto administrado durante a gravidez. Essa falta de inclusão dessas populações em ensaios clínicos de vacinação está bem documentada, e sem boas estratégias para driblar as questões jurídicas, é improvável que estudos de novas terapêuticas incluam de forma voluntária gestantes e lactantes.

Segurança da vacina de RNAm

O editorial pontua que embora as plataformas de RNAm das vacinas Covid-19 disponíveis sejam distintas das vacinas contra influenza e DTPa, que atualmente são usadas durante a gravidez, as vacinas de RNAm estiveram em desenvolvimento na última década e usadas em outros ensaios clínicos: estudos da Zika, bem como vários tipos de câncer (como câncer de mama e melanoma). Parece ser bem estabelecido que não há risco de adquirir infecção pela vacina, se traduzindo em grande segurança para a população de gestantes e lactantes.

É improvável que o lipídio da vacina entre na corrente sanguínea e alcance o tecido mamário

A falta de dados para o uso de vacinas de RNAm durante a lactação se reflete nas recomendações da Academy of Breastfeeding Medicine, que afirmam: “Durante a lactação, é improvável que o lipídio da vacina entre na corrente sanguínea e alcance o tecido mamário. Se isso acontecer, é ainda menos provável que a nanopartícula intacta ou o RNAm sejam transferidos para o leite. No caso improvável de que o RNAm esteja presente no leite, espera-se que seja digerido pela criança e não tenha quaisquer efeitos biológicos. ”

Saiba mais: Vacinação contra a Covid-19: quais profissionais de saúde devem ser priorizados?

Além disso, A organização afirma ainda que os riscos desconhecidos em potencial devem ser comparados ao benefício potencial da proteção neonatal contra infecções por meio da transferência passiva de anticorpos do leite materno.

Tendência atual: 

  • A Food and Drug Administration (FDA) e o Comitê Consultivo sobre Práticas de Imunização deixaram em aberto a opção para mulheres grávidas e lactantes receberem a vacina.
  • O Disease Control and Prevention (CDC), American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG), Academy of Breastfeeding Medicine (ABM), Society for Maternal & Fetal Medicine (SMFM) e o Infant Risk Center (IRC) consideram que as vacinas de RNAm contra Covid-19 não apresentam contraindicação para lactante e lactente.
  • A Rede Brasileira de Banco de Leite Humano, a Associação Espanhola de Bancos de Leite Humano, assim como da Grã-Bretanha e da Irlanda, dentre outras; consideram que não há contraindicação para que doadoras de leite humano sejam vacinadas contra a Covid-19, bem como defendem a manutenção da amamentação para mulheres vacinas.

Novas expectativas:

Dada a importância de reduzir o risco de Covid-19 para mulheres grávidas e lactantes e seus recém-nascidos, é fundamental determinar o perfil de segurança dessas vacinações em tempo real

Seria muito útil, por exemplo, se fossem disponibilizados e analisados os dados das mulheres grávidas que participaram inadvertidamente dos estudos até então, enquanto ficamos aguardando por novos estudos que registrem tanto os sintomas relacionados à vacina quanto os desfechos obstétricos e infantis.

Conforme essas evidências forem surgindo, elas vão substituindo as recomendações baseadas apenas na opinião de especialistas, que são as únicas armas que temos até o momento.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Um comentário

  1. Avatar
    Cleomenes Simoes

    VACINAS CONTRA A COVID-19 EM GESTANTES E LACTANTES

    Irresponsabilidade total da FEBRASGO e de DEFENSORIAS PÚBLICAS AO INCUTIR NO MÉDICO UMA VACINA INCIPIENTE CONTRA A COVID-19 EM GESTANTES E LACTANTES(mulheres que amamentam)
    E a vacina com RNAm (RNA mensageiro)?

    A vacina da Pfizer, ao invés de utilizar o vírus inativado (aquele que perdeu o seu potencial de causar uma infecção) como a vacina do Butantan (Coronavac), usa apenas um pedaço do RNA (seu material genético). É uma vacina inédita. Não existe ainda no mundo uma vacina com essa fórmula (com essa nova tecnologia), e usar essa vacina na gestante É UMA TOTAL IRRESPONSABILIDADE. Além do mais, a vacina contra a Covid-19 é de modo Fast-Track.

    O desenvolvimento de vacinas demora pelo menos 10 anos. Para a Covid-19, esse processo foi reduzido em meses. É uma vacina criada no regime ou processo fast-track (em tempo record, “correndo”, acelerado), e portanto, não sabemos nada sobre a sua eficácia ou possíveis efeitos colaterais a longo prazo nas gestantes e lactantes (mulheres que amamentam).

    Na gestante, não sabemos o resultado do binômio soroconversão-proteção, ou seja, não sabemos nada sobre a correlação entre os níveis mínimos de anticorpos neutralizantes no sangue e o efeito protetor.

    Não sabemos nada, pois não há trabalhos demonstrando a eficácia e a segurança dessa vacina quando aplicada concomitantemente com outras vacinas do calendário vacinal.

    Portanto, devemos ter responsabilidade, prudência e precaução para utilização dessa vacina na gestante. É uma orientação, uma instigação da FEBRASGO e de DEFENSORIAS PÚBLICAS CLARAMENTE PRECIPITADA, INJUSTIFICADA E IRRESPONSÁVEL, ao expor fisicamente e emocionalmente uma gestante a uma nova vacina, por estarmos diante de muitos aspectos discutíveis e controversos, e por não termos respostas sólidas para questionamentos científicos relevantes.

    Por fim, seria de bom alvitre solicitarmos o “consentimento informado” dessas gestantes e lactantes que optarem por utilizar essa vacina, explicitando que a vacina provavelmente lhes protegerá contra o SARS-CoV-2 (o vírus causador da doença Covid-19), que não está claro por quanto tempo durará a proteção (se haverá dose booster=dose de reforço), ou se terá efeitos colaterais para a sua saúde e para a saúde do seu bebê.

    FEBRASGO: FEDERAÇÃO BRASILEIRA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA tem o objetivo de promover, apoiar e zelar pelo aperfeiçoamento técnico, científico e pelos aspectos éticos do exercício profissional de ginecologistas e obstetras, pautados pelo total respeito à saúde e bem-estar da mulher.

    Dr. Cleômenes Barros Simões. CRM:35742-SP. TEGO:048/1979.
    Ginecologista-Obstetra
    Guarulhos- São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar