Veja as novas recomendações de atividade física para pacientes com artrite

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A Liga Europeia Contra Reumatismo (EULAR, em inglês) lançou recentemente o trabalho da força-tarefa (FT) sobre as recomendações de atividade física em pacientes com artrites (artrite reumatoide, osteoartrite de quadril/joellho e espondiloartrite) após revisão da literatura médica sobre o assunto. Pontos importantes envolvem o potencial beneficio da prática regular no aspecto de reduzir a “atividade” de doença e ajudar no controle do peso corporal, reduzindo a carga imposta na articulação.

Atualmente, os dados da literatura mostram que os pacientes com tais problemas são mais sedentários que a média, talvez por medo de piorar dos sintomas e/ou de lesão. Só que isso pode também refletir que os profissionais de saúde têm que ser informados para melhor encorajar a prática quando indicado. O benefício do exercício não se restringiria a melhorar os “doentes”, atuando também na prevenção.

Vamos aos keypoints dessa FT após análise da literatura:

  • Atividade física é parte integral do cuidado.
  • Todo profissional de saúde deve estar envolvido no processo (abordagem multidisciplinar).
  • Capacitação dos profissionais de saúde para orientar corretamente os pacientes.
  • Definir status (ativo/ não ativo) e nos diferentes domínios (cardiorrespiratório, força muscular, flexibilidade e neuromotor).
  • Contraindicações gerais e específicas para cada doença.
  • Individualizar os alvos da terapia com exercício e avaliação com questionários estabelecidos.
  • Barreiras e facilitadores gerais e específicos de cada doença.
  • Adaptação individualizada após avaliação minuciosa.
  • Aplicar técnicas de mudança de comportamento.
  • Modos de prática (terrestre, água, supervisionada, individual).

A opinião da FT é que a maioria dos pacientes com artrites têm condição de praticar atividade física regular quase como uma pessoa sem tais doenças, de modo a atingir o que é recomendado pela OMS. Os benefícios parecem ser diversos e é preciso implementar um processo de orientação/avaliação/encorajamento para atingir o objetivo e com boa adesão dos pacientes após avaliação multidisciplinar individualizada.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

Compartilhar
Publicado por
Cristiano Carvalho de Oliveira

Posts recentes

ACC 2021: oclusão do apêndice atrial em cirurgia cardíaca + anticoagulação pode reduzir risco de AVE?

O estudo LAAOS 3 avaliou se a oclusão do apêndice atrial esquerdo, adicionada à posterior…

8 horas atrás

ACC 2021: sacubitril + valsartana ou ramipril para pacientes com IAM e IC?

O trial PARADISE-MI, apresentado no congresso do ACC 2021, testou a eficácia e segurança do…

9 horas atrás

ACC 2021: aspirina na prevenção secundária – qual a melhor dose?

O estudo ADAPTABLE, apresentado no congresso do ACC 2021, buscou entender se doses maiores de…

13 horas atrás

Whitebook: murcormicose

Em nossa publicação semanal de conteúdos do  Whitebook Clinical Decision vamos falar sobre a apresentação…

14 horas atrás

Ceratite infecciosa e lentes de contato: O que precisamos saber?

A ceratite infecciosa é a complicação mais séria que pode decorrer do uso de lentes…

1 dia atrás

Hemorragia intracraniana em pacientes que tomam anticoagulantes orais

A hemorragia intracraniana é potencialmente devastadora associada à terapia anticoagulante. Sua reversão é uma emergência. Saiba…

1 dia atrás