Página Principal > Colunistas > Você já ouviu falar em Aspergilose Pulmonar Necrosante?
estetoscopio medico

Você já ouviu falar em Aspergilose Pulmonar Necrosante?

Tempo de leitura: 2 minutos.

Em muitos momentos na prática médica passamos por dúvidas nos diagnósticos e dificuldade em “fechá-los”. Uma das razões para que isso ocorra é que pecamos em não conhecer hipóteses mais incomuns e assim não enriquecemos nossas possibilidades. Um exemplo disso é a Aspergilose, que consiste em uma infecção subaguda e indolente que leva a um processo destrutivo do pulmão pela ação do fungo Aspergillus sp.

A transmissão ocorre pela inalação do fungo presente em poeira, restos orgânicos em putrefação, alimentos e sistemas de ventilação. Afeta, sobretudo, indivíduos de meia-idade e idosos. Os fatores de risco são:

  • Doença pulmonar obstrutiva crônica
  • Sequelas de tuberculose pulmonar
  • Fibrose cística
  • Ressecções pulmonares
    Pneumoconioses
  • Estados de imunossupressão (quimioterapia, etilismo, desnutrição, diabetes mellitus, corticoterapia).

Mais do autor: ‘Como e quando solicitar o ultrassom? Veja 5 indicações’

A sintomatologia tem duração variável de um a seis meses e as queixas mais comuns são tosse, expectoração, emagrecimento, dor torácica e febre. Hemoptise e dispneia, também, podem estar presentes. O diagnóstico radiológico revela consolidações segmentares uni ou bilaterais, com ou sem presença de cavitação. A confirmação é feita por biópsia transbrônquica ou punções torácicas.

A terapêutica atual tem sido realizada com Itraconazol por tempo variável, a depender da resposta clínica e radiológica. A Anfotericina B é indicada nos casos em que houve falha ao uso de Itraconazol.

É médico e também quer ser colunista do Portal PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

Referências:

  • Silva EFB, Barbosa MP, Oliveira MAA, Martins RR, Silva JF. RELATO DE CASO: ASPERGILOSE PULMONAR CRÔNICA. J Bras Pneumol. 2009; 35(1):95-98. Brasília (DF). Abril, 2008.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.