Home / Cardiologia / Você sabe manejar a anticoagulação em pacientes com fibrilação atrial?

Você sabe manejar a anticoagulação em pacientes com fibrilação atrial?

Cardiologia
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

A fibrilação atrial (FA) é a arritmia cardíaca sustentada mais frequente. Sua prevalência aumenta com a idade, tornando-se mais evidente com o envelhecimento. Geralmente, está associada a doenças estruturais cardíacas, trazendo prejuízos hemodinâmicos e complicações tromboembólicas com grandes implicações econômicas e na morbimortalidade da população.

A terapia antitrombótica é recomendada para a maioria dos pacientes com FA para reduzir o risco de acidente vascular encefálico (AVE) e embolia sistêmica.

O manejo periprocedimental (ou seja, durante o período de tempo antes, durante e pouco depois de um procedimento invasivo) da anticoagulação é um enigma clínico comum que envolve uma equipe multidisciplinar, e varia entre as instituições na maneira que é praticado.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Recentemente, a American College of Cardiology publicou um novo consenso de especialistas para auxiliar na tomada de decisão durante o manejo periprocedimental da anticoagulação em pacientes com fibrilação atrial não valvar.

Este documento inclui orientações de validação da adequação da decisão para anticoagulante crônico, e fornece informações sobre a descontinuação de um anticoagulante. Também inclui orientações sobre como decidir se a mudança da terapia de um paciente antes, durante ou depois da cirurgia é a melhor escolha, e sobre como e quando reiniciar a anticoagulação habitual dos pacientes pós-procedimento.

Para mais informações sobre esse assunto, consulte o link do documento.

Autor:

Referências:

  • Zimerman LI, Fenelon G, Martinelli-Filho M, Grupi C, Atié J, Lorga-Filho A. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretrizes Brasileiras de Fibrilação Atrial. Arq Bras Cardiol. 2009;92:1–39. Zimerman LI, Fenelon G, Martinelli-Filho M, Grupi C, Atié J, Lorga-Filho A. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Diretrizes Brasileiras de Fibrilação Atrial. Arq Bras Cardiol. 2009;92:1–39.
  • Doherty JU, Gluckman TJ, Hucker WJ, Januzzi JL, Ortel TL, Saxonhouse SJ, et al. 2017 ACC Expert Consensus Decision Pathway for Periprocedural Management of Anticoagulation in Patients With Nonvalvular Atrial Fibrillation. J Am Coll Cardiol [Internet]. 2017;(212). Available from: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0735109716370851

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.