Página Principal > Emergências > Você sabe qual é a síndrome que mais mata no Brasil?
médico escrevendo

Você sabe qual é a síndrome que mais mata no Brasil?

Causadora da maior taxa de mortalidade nas UTIs do Brasil, a sepse é também uma das principais causas de morte hospitalar tardia, conseguindo superar o infarto e o câncer. A síndrome, que é um conjunto de manifestações graves causadas por infecção em algum local do organismo, tem taxa de mortalidade de mais de 55% dos casos no país, maior que em países de situação econômica parecida, como a Argentina, segundo um levantamento da Progress.



No Brasil, a sepse é responsável por 25% da ocupação dos leitos das UTIs e a principal geradora de custos, já que precisa de equipamentos sofisticados, medicamentos caros e de grande trabalho da equipe médica. Estima-se, ainda, que a taxa de incidência aumentou de 8 a 13% na última década, quando ultrapassou as mortes por câncer. Com tantos casos, é necessário discutir sobre o tema e procurar soluções.

Veja também: ‘SIRS x qSOFA: qual o melhor escore para identificar pacientes com sepse grave?’

Por isso, nos dias 4 e 5 de maio desse ano, o Instituto Latino Americano de Sepse (ILAS) promoverá o XIV Simpósio Internacional de Sepse, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo. O objetivo do encontro, que reunirá mais de 50 convidados nacionais e internacionais para falar sobre o tema, é apresentar novas estratégias para modificar o cenário brasileiro e de países com o mesmo problema.

Para conseguir reduzir as taxas, não só o pouco conhecimento da população sobre a doença pode ser trabalhado, como também, e talvez principalmente, a dificuldade de diagnosticar precocemente a síndrome. Sendo assim, o evento é uma maneira de chamar a atenção para o tema e envolver cada vez mais profissionais na capacitação necessária para o diagnóstico e tratamento da sepse.

Referências:

https://www.sepsisnet.org/pg.php?v=o-que-e-sepse

Site Associação Médica Brasileira. Sepse mata mais que infarto e câncer de mama e intestino. Profissionais se reúnem em São Paulo para discutir o tema. Dez, 2016.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.