Whitebook: como abordar o hiperaldosteronismo primário?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Esta semana, falamos no Portal PEBMED sobre uma revisão do diagnóstico do hiperaldosteronismo primário. Por isso, em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision, vamos falar sobre a abordagem terapêutica do hiperaldosteronismo primário.

Veja as melhores condutas médicas no Whitebook Clinical Decision!

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.
O tratamento tem como finalidade evitar a morbidade e mortalidade relacionados a hipertensão, a hipocalemia e ao excesso de aldosterona.

Cirurgia

Nos casos de adenoma produtor de aldosterona ou hiperplasia adrenal primária, o tratamento de escolha é a adrenalectomia unilateral preferencialmente por via laparoscópica.

Alguns cuidados pré-operatórios são importantes para diminuir o risco cirúrgico. Para corrigir a hipertensão e a hipocalemia, deve-se usar espironolactona no dose de 50 a 200 mg/dia até que o potássio normalize, assim como os níveis tensionais e após, deve-se diminuir a dose para 25 a 50 mg/dia até a cirurgia. Não é necessária a retomada do aldactone no pós-operatório.

Complicação pós-cirúrgica: Hipoaldosteronismo.

Tratamento Farmacológico

Indicado em casos de contraindicação cirúrgica ou nos pacientes com HAI.

O tratamento específico deve ser realizado com antagonistas do receptor de mineralocorticoide, espironolactona. Caso não haja controle adequado dos níveis tensionais, outros anti-hipertensivos podem ser utilizados como amilorida, bloqueadores do canal de cálcio, inibidores da ECA e/ou BRA II.

Em casos de hiperaldosteronismo responsivo a glicocorticoides, o tratamento é realizado com dexametasona.

Em casos de carcinoma adrenal, o tratamento, além de cirúrgico, deve ser realizado com espironolactona. Mitotano, etoposídio e/ou cisplatina são usados em pacientes com persistência do tumor.
Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia-a-dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar