Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Ginecologia e Obstetrícia / Whitebook: como identificar a tricomoníase?
Ginecologista consultou Whitebook para atendimento de tricomoníase

Whitebook: como identificar a tricomoníase?

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

Esta semana, falamos no Portal PEBMED sobre a tricomoníase. Por isso, em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision, vamos falar sobre a anamnese e o exame físico dessa infecção.

Veja mais sobre esta e outras condutas médicas no Whitebook! Baixe grátis!

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é parte de uma conduta do Whitebook e é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

Apresentação Clínica

Anamnese

Nas mulheres, a tricomoníase varia de uma doença inflamatória aguda e grave a um estado de portador assintomático (30% dos casos).
Sinais e sintomas: Secreção vaginal purulenta, amarelo-esverdeado (por vezes acizentado), bolhosa e espumosa, fétida, associada à sensação de queimação genital, ardor, prurido, disúria, urgência miccional, dor em baixo ventre, dispareunia e sangramento pós-coito. No entanto, somente 11 a 17% apresentam sintomas típicos. Os sintomas podem ser piores durante o período menstrual. Na infecção crônica, os sinais e sintomas são mais leves e podem incluir prurido e dispareunia, com secreção vaginal escassa. Cerca de 80% das mulheres infectadas são assintomáticas.

Exame Físico

Geralmente, se observam hiperemia dos genitais externos e presença de corrimento exteriorizando-se pela fenda vulvar. Ao exame especular, observa-se corrimento vaginal de coloração amarelada ou amarelo-esverdeada, por vezes acompanhado de pequenas bolhas. Paredes vaginais e ectocérvice hiperemiadas, observando-se, ocasionalmente, o “colo uterino com aspecto de morango” (colpitis macularis). O pH vaginal acima de 4,5 e o teste das aminas (whiff test) pode ser positivo devido à presença de germes anaeróbios.
Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia a dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.