Whitebook – Hepatite medicamentosa

Mas afinal, o que é hepatite medicamentosa? De acordo com o Whitebook Clinical Decision, trata-se de uma doença que ocorre no fígado (principal órgão envolvido no metabolismo e eliminação de substâncias tóxicas). A hepatotoxicidade, como também é conhecida, é uma lesão hepática causada por ingestão, inalação ou administração parenteral de agentes farmacológicos ou químicos. A …

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Mas afinal, o que é hepatite medicamentosa? De acordo com o Whitebook Clinical Decision, trata-se de uma doença que ocorre no fígado (principal órgão envolvido no metabolismo e eliminação de substâncias tóxicas). A hepatotoxicidade, como também é conhecida, é uma lesão hepática causada por ingestão, inalação ou administração parenteral de agentes farmacológicos ou químicos.

A incidência da doença é estimada em 10-15 casos por 10.000-100.000 pessoas expostas a medicamentos. Responde por aproximadamente 10% dos casos de hepatite aguda, e é a principal causa de insuficiência hepática aguda. Mais de 1.100 medicamentos e fitoterápicos já foram associados à hepatite medicamentosa.

As drogas mais implicadas são paracetamol e amoxicilina + clavulanato. Estima-se que cerca de 16% dos casos de hepatite medicamentosa estejam associados ao uso de suplementos alimentares e ervas, especialmente as que visam ao emagrecimento. Esses casos são mais frequentes em mulheres jovens.

 

Apresentação clínica

A apresentação clínica varia de acordo com o perfil de lesão hepática: hepatocelular ou colestático.

Hepatocelular:

  • Aumento predominante de aminotransferases;
  • Pode haver aumento de bilirrubinas e disfunção hepática.

Colestático:

  • Aumento predominante de fosfatase alcalina;
  • Pode haver aumento de bilirrubinas e disfunção hepática.

Os pacientes podem apresentar desde sintomas leves ou alterações laboratoriais isoladas até quadros de insuficiência hepática aguda fulminante. Pode haver icterícia, colúria e prurido. Sintomas inespecíficos como anorexia, mal-estar, dor em hipocôndrio direito, náuseas e fadiga também podem estar presentes.

Manifestações sistêmicas que sugerem hipersensibilidade, tais como febre, erupção cutânea ou eosinofilia, são características de certas formas de hepatite medicamentosa, como a causada pela clorpromazina e amoxicilina + clavulanato.

É importante lembrar que:

  • a hepatite medicamentosa crônica pode levar a cirrose hepática e suas complicações;
  • a maioria dos casos da doença ocorre nos primeiros seis meses após o início de um novo medicamento.

 

Confira também: Mais um efeito da pandemia no Brasil: o aumento de casos de hepatite medicamentosa

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

# Chalasani NP, Hayashi PH, Bonkovsky H, et al. ACG Clinical Guideline: The diagnosis and management of idiosyncratic drug-induced liver injury. Am J Gastroenterol. 2014; 109(7):950-66; quiz 967.

# Hodgson E, Levi PE. Hepatotoxicity. In: A textbook of modern toxicology. 3rd ed. Hoboken, New Jersey: John Wiley & Sons, Inc, 2004.

# Hoffman RS, Howland MA, Lewin NA, et al. Hepatic principles. In: Goldfrank's toxicologic emergencies. 10th ed. New York: McGraw-Hill, 2015.

# Rabahi MF, Silva Júnior JLRD, et al. Tratamento da tuberculose. J Bras Pneumol. 2017; 43(5):472-86.

# Real M, Barnhill MS, Higley Cet, al. Drug-induced liver injury: highlights of the recent literature. Drug Saf. 2019; 42(3):365-87

# Bessone F, García-Cortés M, Medina-Caliz I, et al. Herbal and dietary supplements-induced liver injury in Latin America: experience from Latindili Network. Clin Gastroenterol Hepato. 2021; S1542-3565(21)00013-6.

# Andrade RJ, Chalasani N, Björnsson ES, et al. Drug-induced liver injury. Nat Rev Dis Primers. 2019; 5(1):58.

# Hassan A, Fontana RJ. The diagnosis and management of idiosyncratic drug-induced liver injury. Liver Int. 2019; 39(1):31-41.

# Sandhu N, Navarro V. Drug-induced liver injury in GI practice. Hepatol Commun. 2020;4(5):631-645.

# Björnsson HK, Björnsson ES. Drug-induced liver injury: pathogenesis, epidemiology, clinical features, and practical management. Eur J Intern Med. 2021; S0953-6205(21)00375-7.