Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Doenças Raras / Whitebook: quais exames devo realizar para diagnosticar a acromegalia?
paciente com suspeita de acromegalia fazendo ressonância magnética

Whitebook: quais exames devo realizar para diagnosticar a acromegalia?

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Esta semana, falamos no Portal PEBMED sobre o Dia Mundial da Acromegalia. Por isso, em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision, vamos falar sobre a abordagem diagnóstica da acromegalia.

Veja mais sobre esta e outras condutas médicas no Whitebook! Baixe grátis!

Este conteúdo deve ser utilizado com cautela, e serve como base de consulta. Este conteúdo é parte de uma conduta do Whitebook e é destinado a profissionais de saúde. Pessoas que não estejam neste grupo não devem utilizar este conteúdo.

Abordagem Diagnóstica

O diagnóstico envolve a avaliação de aspectos clínicos, laboratoriais e radiológicos.

Avaliação Clínica

O diagnóstico clínico é, muitas vezes, atrasado devido à lenta progressão dos sinais de acromegalia durante um período de muitos anos.

Pacientes que não tenham algumas das características clínicas típicas de acromegalia, mas que tenham alguma combinação de apneia do sono, diabetes descontrolado, síndrome do túnel do carpo, pólipos do cólon, insuficiência cardíaca com hipertensão, deve-se considerar uma avaliação diagnóstica.

Avaliação Laboratorial

1o passo: Solicitar GH e IGF-1.

Uma vez que haja suspeição clínica de acromegalia, o primeiro passo para rastreio é solicitar a dosagem sérica de GH e IGF-1.

Os níveis basais de GH são > 10 nanogramas/mL em cerca de 80 a 90% dos acromegálicos. Porém, o mesmo tem uma secreção pulsátil e pode estar normal mesmo que o paciente tenha acromegalia, por isso, o exame mais sensível é o IGF-1.

Uma concentração sérica normal de IGF-1 é uma forte evidência de que o paciente não tem acromegalia. Os resultados devem ser interpretados, no entanto, de acordo com a idade do paciente. Em indivíduos normais, as concentrações séricas de IGF-1 são mais altas durante a puberdade e diminuem gradualmente depois disso. Se a concentração sérica de IGF-1 for alta (ou duvidosa) então devemos solicitar o GH sérico medido após administração oral de glicose.

Há algumas condições que interferem no IGF-1 sérico. São causas de falso-negativo: estados catabólicos, desnutrição, diabetes mellitus descompensado, hepatopatia, doença renal , uso de estrogênio e hipotireoidismo. Falso-positivo: adolescência, gravidez, hipertireoidismo.

Níveis séricos de GH randômico < 0,4 nanogramas/mL e IGF-1 normais excluem o diagnóstico, na ausência de fatores que influenciem tais dosagens.

2o passo: Teste oral de tolerância a glicose com dosagem de GH.

No teste, mede-se GH e glicose em jejum e administra-se 75 g de glicose anidra via oral e mede-se GH e glicemia, a cada 30 min, por 2 horas . A supressão inadequada do GH após uma carga de glicose confirma o diagnóstico de acromegalia.

Na acromegalia, o TOTG, em geral, não consegue suprimir o GH. O critério para o diagnóstico de acromegalia é uma concentração de GH > 1 nanograma/mL, em qualquer um dos tempos. Em indivíduos normais, as concentrações séricas de GH caem para 1 nanograma/mL ou menos após a ingestão de 75 g de glicose.

Outros estudos: A dosagem de GHRH está indicada quando GH e IGF-1 estiverem elevados e RM não mostrar nenhum tumor na região hipotalamo-hipofisária ou sugerir hiperplasia hipofisária. Níveis elevados deste hormônio indicam secreção do hormônio por tumor ectópico localizado em abdome ou, mais comumente, no tórax.

Exames de Imagem

Uma vez confirmada a hipersecreção de GH, o próximo passo é a Ressonância nuclear magnética (RNM) da hipófise, pois um adenoma somatotrófico da hipófise é, de longe, a causa mais comum de acromegalia .

Em aproximadamente 75% dos pacientes com adenomas somatotróficos, o tumor é um macroadenoma (diâmetro do tumor de 10 mm ou mais), e o tumor pode se estender para a região parasselar ou suprasselar.

Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia a dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica. Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.