Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Geriatria / A lentificação da marcha na meia idade indica envelhecimento biológico acelerado?
médico avaliando marcha e envelhecimento de paciente idosa

A lentificação da marcha na meia idade indica envelhecimento biológico acelerado?

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Segundo um estudo de coorte na Nova Zelândia, a velocidade da marcha na meia-idade pode ser um índice resumido do envelhecimento ao longo da vida e com possíveis origens nos déficits do sistema nervoso central na infância.

Velocidade da marcha e envelhecimento

A velocidade da marcha é um indicador bem conhecido de risco de declínio funcional e mortalidade em idosos, mas pouco se sabe sobre os fatores associados à velocidade da marcha mais cedo na vida. Para isso esse estudo Neo Zelandês buscou testar a hipótese de que a velocidade de marcha lenta reflete o envelhecimento acelerado biológica na meia-idade, bem como mau funcionamento neurocognitivo na infância e declínio cognitivo da infância para a meia-idade.

O estudo de coorte usou os dados do Dunedin Multidisciplinary Health and Development Study utilizou a base populacional de um coorte de nascimentos representativa de 1972 a 1973 na Nova Zelândia que observou participantes com idade de 45 anos (até abril de 2019). A análise dos dados foi realizada no período de abril a junho de 2019. Dos 1037 participantes originais, 997 estavam vivos aos 45 anos, dos quais 904 tiveram a velocidade da marcha medida. As avaliações foram realizadas no nascimento; aos 3, 5, 7, 9, 11, 13, 15, 18, 21, 26, 32 e 38 anos; e, mais recentemente (concluído em abril de 2019), aos 45 anos.

Leia também: Conceitos para a abordagem da síndrome de fragilidade em idosos

Os pesquisadores usaram dados de

  1. Velocidade da marcha (medida em três condições de caminhada: normal, tarefa dupla e velocidade máxima da marcha);
  2. Velocidade da marcha composta (tarefa habitual vs dupla, usual vs máximo e tarefa dupla vs máximo);
  3. Função física ( avaliada por limitações físicas autorreferidas e por vários breves exercícios que indexam a capacidade de realizar atividades diárias);
  4. Medidas de envelhecimento acelerado (envelhecimento acelerado foi avaliado por 2 medidas: ritmo de envelhecimento e idade facial, utilizando um painel de 19 biomarcadores descritos no estudo;
  5. Estrutura cerebral (utilizaram um protocolo de neuroimagem com para detectar características estruturais do cérebro relacionadas à idade usando scanner de ressonância magnética, estimativas do volume total do cérebro, espessura cortical média, área total da superfície e hiperintensidades da substância branca);
  6. Funções neurocognitivas (avaliada através da Escala de Inteligência para Adultos Wechsler-IV.

As habilidades que compõem o QI: velocidade de processamento, memória de trabalho, raciocínio perceptivo e compreensão verbal. Além disso, o Teste de Criação de Trilhas, Teste de Nomenclatura Animal, Escala de Memória Wechsler – Controle Mental e o Teste Auditivo de Aprendizagem Verbal Auditiva da Memória foram administrados aos 45 anos para avaliar o funcionamento executivo, fluência verbal e memória); Medidas das funções neurocognitivas da infância e SES da infância (com 3 anos de idade, cada criança participou de um exame de 45 minutos que incluiu avaliações de um neurologista pediátrico; testes padronizados de inteligência, linguagem receptiva e habilidades motoras; e classificações dos examinadores da regulação emocional e comportamental de cada criança.

O declínio cognitivo da infância para a idade adulta foi calculado pela diferença entre os escores nas Escalas de Inteligência para Adultos Wechsler e na Escala de Inteligência para Crianças, revisada. Esses testes são ideais para medir o declínio cognitivo da infância à idade adulta, porque os dois testes correspondem à cobertura e ao formato do conteúdo, foram administrados individualmente por psicometristas treinados e produzem escores resumidos confiáveis ​​com mais de 0,95. O SES das famílias infantis dos participantes foi medido usando o Índice Socioeconômico Elley-Irving de 6 pontos para a Nova Zelândia).

Veja mais: AVC: deambulação e retorno ao trabalho em pacientes jovens

Resultados

Velocidade da marcha, função física e envelhecimento acelerado aos 45 anos

Adultos na meia-idade que relataram mais limitações físicas no dia-a-dia apresentaram menor velocidade de marcha. Além disso, adultos com menor força de preensão, pior equilíbrio e pior coordenação visual-motora e aqueles que tiveram pior desempenho na cadeira ou testes de passo de 2 minutos apresentaram marcha mais lenta. Além disso, os rostos de adultos com marcha lenta foram classificados como parecendo mais velhos.

Velocidade da marcha, estrutura cerebral e funções neurocognitivas aos 45 anos

Adultos na meia-idade com menor volume total do cérebro, córtex médio mais fino, menor total área de superfície do cérebro ou um volume maior de hiperintensidades da substância branca apresentaram marcha mais lenta. Sabe-se que essas características cerebrais (volume, espessura cortical, área superficial e carga de hiperintensidade da substância branca) estão associadas ao funcionamento cognitivo, conforme confirmado por suas associações com o QI.

Os participantes com QI mais baixo aos 45 anos apresentaram marcha mais lenta. O comprometimento cognitivo daqueles com marcha lenta foi aparente em vários domínios neuropsicológicos: eles apresentaram menor velocidade de processamento, pior memória de trabalho, pior raciocínio perceptivo e pior compreensão verbal. Além disso, os adultos que tiveram pior desempenho no Teste de Trilha, Teste de nomeação de animais, Escala de memória Wechsler – controle mental e teste de aprendizagem verbal auditiva de Rey de memória apresentaram marcha mais lenta

Funcionamento neurocognitivo na infância e velocidade da marcha na meia-idade

A associação contemporânea entre velocidade da marcha e funcionamento neurocognitivo na meia-idade foi prenunciada por diferenças cognitivas já aparentes na infância. Indicações de má saúde cerebral aos 3 anos de idade foram associadas à marcha lenta aos 45 anos. As análises de sensibilidade revelaram que os seguintes componentes da saúde do cérebro aos três anos de idade estavam significativamente associados à velocidade da marcha: vocabulário da imagem, habilidades de linguagem receptiva, habilidades motoras e falta de controle.

Mais da autora: Como identificar patologia cerebral versus status cognitivo?

A associação entre a saúde cerebral na infância e a velocidade da marcha adulta realizada após o controle do SES infantil. Um declínio nos testes de Wechsler da infância para a idade adulta foi associado à menor velocidade da marcha na meia-idade, mesmo após o controle do SES infantil.

Conclusões

Portanto, as conclusões e relevância deste estudo apresentam que a velocidade da marcha em adultos está associada a mais do que o estado funcional geriátrico; também está associado ao envelhecimento da meia idade e à saúde cerebral ao longo da vida.

A velocidade da marcha é mais do que apenas um índice geriátrico de declínio funcional do adulto; ao contrário, é um índice resumido do envelhecimento ao longo da vida, com possíveis origens nos déficits do SNC na infância. Isso ajuda a explicar por que a marcha pode ser um indicador tão poderoso de risco de incapacidade e morte em idosos.

Também incentiva a repensar a marcha não apenas como uma preocupação motora, mas como uma medida integradora de saúde.

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Rasmussen LJH, Caspi A, Ambler A, et al. Associação da Função Neurocognitiva e Física com a Velocidade da Marcha na Meia-Idade. Rede JAMA aberta. Publicado on-line em 11 de outubro de 20192 (10): e1913123. doi: 10.1001 / jamanetworkopen.2019.13123

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.