Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / A utilidade dos autoanticorpos na prática da reumatologia pediátrica
Criança com sintomas de doença aguardando atendimento médico.

A utilidade dos autoanticorpos na prática da reumatologia pediátrica

Esse conteúdo é exclusivo para
médicos.

Para ter acesso, identifique-se através do login ou cadastre-se gratuitamente!

Em abril de 2020, a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) publicou um documento científico que aborda o tema de autoanticorpos e suas utilidades práticas na pediatria.

Autoanticorpos e reumatologia pediátrica

Seguem os principais pontos da publicação:

  • A presença de autoanticorpos não implica necessariamente em presença de doença autoimune.
  • Os anticorpos antinucleares (ANA, antigamente denominado FAN) consiste na pesquisa de autoanticorpos contra antígenos intracelulares em células Hep-2, e é considerado positivo com títulos maiores que 1:80, embora na prática considera-se significante o valor maior ou igual a 1:160.
  • O ANA não é específico para alguma doença e também não é usado como triagem para doenças reumatológicas.
  • O ANA pode ser positivo em diversas situações:
Indivíduos saudáveis Frequência de ANA positivo aumenta com a idade. Mais frequente no sexo feminino.
Doenças autoimunes sistêmicas §  Lúpus Eritematoso Sistêmico

§  Doença mista do tecido conjuntivo

§  Esclerodermia

§  Dermatomiosite

§  Polimiosite

§  Síndrome de Sjögren

§  Artrite Reumatoide

§  Artrite Idiopática Juvenil (AIJ)

Doenças autoimunes organo-específicas §  Hepatite autoimune

§  Colangite autoimune

§  Tireoidite autoimune

Drogas §  Procainamida, hidralazina, isoniazida, anticonvulsivantes, diltiazem, quinidina, penicilamina, quinidina, minociclina, clorpromazina, anti-TNF alfa
Infecções §  Mononucleose

§  Tuberculose

§  Endocardite bacteriana subaguda

§  Malária

§  Hepatite C

§  Parvovírus B19

Outros §  Neoplasias

§  Deficiência de IgA

Leia também: 

    O exame FAN deu positivo, como proceder?
  • Correlação de autoanticorpos e doenças reumatológicas pediátricas:
Anti-DNA dupla hélice ou nativo §  Específico para Lúpus Eritematoso Sistêmico Juvenil (LESJ)

§  Correlacionado com atividade renal

Anti-RNP §  Doença Mista do Tecido Conjuntivo
Anti-histona §  Lúpus induzido por drogas
Anti-Smith (Sm) §  LESJ

§  Possivelmente relacionado com manifestações neurológicas quando associado ao anti-RNP

Anti SSA/Ro e Anti SSB/La §  LESJ

§  Síndrome de Sjögren (SSj)

§  Associação com abortos recorrentes, bloqueio atrioventricular congênito e Lúpus Neonatal

§  Podem ser detectáveis em LES com ANA negativo

Anti-SCL 70 §  Esclerose sistêmica
Anti-centrômero §  Esclerose sistêmica

§  Maior chance de desenvolvimento de calcinose, teleangiectasias, hipertensão pulmonar, acometimento gastrointestinal e fenômeno de Raynaud

Anti-LKM §  Algumas formas de hepatite autoimune
Anti-músculo liso §  Pós-infecção viral

§  Algumas formas de hepatite autoimune

Fator reumatoide §  AIJ poliarticular (cerca de 10% tem FR positivo, associa-se à quadro articular mais grave)

§  Síndrome de Sjögren

§  Esclerodermia

§  Endocardite bacteriana subaguda

§  LESJ

Anti-CCP §  AIJ poliarticular (geralmente nas FR+)
ANCA §  Padrão p-ANCA

o   Associado ao anticorpo anti-MPO

o   Poliangiite Microscópica

o   Granulomatose com Poliangiíte eosinofílica (antiga Churg-Strauss)

o   Outras glomerulonefrites pauci-imunes

o   Outras etiologias (neoplasias, tuberculose, HIV, linfoma de Hodgkin)

§  Padrão c-ANCA

o   Associado ao anticorpo anti-PR3

o   Granulomatose com Poliangiíte (antiga Granulomatose de Wegener)

§  Padrão atípico

o   Fibrose cística, doença inflamatória intestinal, colangite esclerosante, medicamentos

Anticorpos antifosfolípides §  Anticoagulante lúpico, anticardiolipina (IgG e IgM) e anti-beta2-glicoproteína 1

o   Associados à síndrome do anticorpo antifosfolípide

o   Aumento do risco de trombose venosa e arterial

o   Aumento do risco de morbidade gestacional

Outros §  Anticorpo anti-NMDAR: Encefalite Autoimune

§  Anticorpo antiaquaporina 4 (AQP4): Neuromielite Óptica

§  Anticorpo antirreceptor de acetilcolina: Miastenia Gravis

§  Anticorpo antimembrana basal glomerular: doença do anticorpo antimembrana basal glomerular (antiga doença de Goodpasture)

§  Anticorpo anti-Saccaromyces cerevisae (ASCA): Doença Inflamatória Intestinal

  • Lembre-se que na maioria das doenças reumáticas pediátricas o diagnóstico é clínico.
  • É importante descartar os diagnósticos diferenciais mais comuns, como infecção e neoplasias.
  • Se o ANA for realizado sem contexto clínico, o valor preditivo para LESJ é somente 11%.
  • Em caso de ANA > 1:640 ou anti-DNA de dupla hélice positivo, deve-se acompanhar o paciente pois o risco de desenvolver LESJ é maior.
  • Solicitar ANCA quando se deparar com as seguintes manifestações clínicas:
    • Glomerulonefrite
    • Hemorragia pulmonar
    • Nódulos pulmonares múltiplos
    • Neuropatia periférica
    • Vasculite cutânea
    • Esclerite
    • Tumor retro-orbitário
    • Supuração ou hemorragia de vias aéreas superiores
    • Sinusite ou otite crônicas
    • Estenose traqueal subglótica

Mais da autora: Como realizar traqueostomia em crianças durante a pandemia de Covid-19?

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.