Analgésicos e sedativos em crianças sob ventilação mecânica

O ambiente da UTIP, juntamente com a necessidade de suporte ventilatório invasivo, exige, frequentemente, o uso de medicamentos sedativos e analgésicos.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Pacientes pediátricos estão incessantemente sujeitos a uma exagerada conturbação física e psicológica em Unidades de Terapia Intensiva Pediátrica (UTIP). Esse ambiente desfavorável, juntamente com a necessidade de suporte ventilatório invasivo, exige, frequentemente, o uso de medicamentos sedativos e analgésicos.

Todavia, a administração excessiva e incorreta desses medicamentos pode ter repercussões negativas, o que promove um prolongamento da necessidade de ventilação mecânica (VM), além de aumento do tempo de internação e aumento do risco de infecção.

Com o objetivo de descrever o uso de analgésicos e sedativos em crianças submetidas à VM em uma UTIP, visando diferenciar quais os medicamentos utilizados, suas respectivas doses e tempo de uso das mesmas, além de avaliar a incidência de síndrome de abstinência nesses pacientes, Araújo e colaboradores (2019) realizaram o estudo “Perfil do uso de sedoanalgesia em crianças sob ventilação mecânica em unidade de terapia intensiva”, publicado na revista Residência Pediátrica, da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Analgésicos e sedativos em crianças

Foi realizado um estudo observacional, transversal, retrospectivo, descritivo, com abordagem quantitativa e análise secundária dos dados.

Foram incluídos: pacientes admitidos em uma UTIP, entre os meses de julho de 2014 e junho de 2015, que fizeram uso de medicamentos analgésicos e/ou sedativos em infusão contínua e de VM, e que permaneceram na unidade por mais de 12 horas.

Resultados

  • No período do estudo, foram admitidas 65 crianças. Vinte e quatro pacientes foram excluídos: 9 por não terem o prontuário localizado, 13 por não fazerem uso de sedoanalgesia contínua e/ou VM e 2 por terem permanecido menos de 12 horas na UTIP;
  • Foram identificados 41 pacientes elegíveis (63% dos pacientes internados);
  • A idade média dos indivíduos foi de 2,27 ± 3,16 anos;
  • Houve predomínio do gênero feminino – 23 pacientes (56%);
  • Os medicamentos usados em infusão contínua foram: midazolam, cetamina e fentanil em baixas doses de infusão por um tempo médio de 11,5±11,4 dias;
  • O principal motivo para VM e uso desses medicamentos foi disfunção pulmonar (18/43,9%), seguido por sepse (9/22%), distúrbio neurológico (8/19,5%) e disfunção cardiovascular (5/12,2%);
  • Houve associação significativa entre a escolha dos sedoanalgésicos e a recomendação de suporte ventilatório (p = 0,037);
  • A síndrome de abstinência ocorreu em 16 (39%) dos pacientes, sendo que estes fizeram uso desses medicamentos por um período médio de 19,31(±11,57) dias. Os casos de abstinência foram reconhecidos por meio de pesquisa de registro médico do respectivo diagnóstico em prontuário, considerando-se a manifestação de sinais e sintomas característicos ao longo da internação;
  • Os autores observaram uma relação entre sedoanalgesia prolongada com o desenvolvimento da síndrome de abstinência (p<0,001): 70% dos pacientes que receberam sedação e analgesia por infusão contínua por um período superior a sete dias desenvolveram abstinência.

Conclusão

Com este trabalho, os autores destacam que o uso de sedativos e analgésicos em infusão contínua configurou-se como uma prática bastante comum nessa UTIP, sujeitando os pacientes a relevantes efeitos colaterais, como a síndrome de abstinência. Esses estudo pode refletir, segundo os autores, o perfil de muitas outras unidades. Sendo assim, os autores sugerem o uso de protocolos que guiem a utilização destes medicamentos em UTIP.

Referência bibliográfica:

  • Araújo MM, Gomes JL, Rodrigues RNV, Cruz LKLP. Perfil do uso de sedoanalgesia em crianças sob ventilação mecânica em unidade de terapia intensiva. Resid Pediatr. 2019;9(3):1-6 DOI: 10.25060/residpediatr-2019.v9n3-09
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades