Página Principal > Clínica Médica > Antibióticos: chegou a hora de repensarmos como prescrevê-los
caixa de antibioticos

Antibióticos: chegou a hora de repensarmos como prescrevê-los

Tempo de leitura: 3 minutos.

A prescrição de antibióticos é uma preocupação mundial, principalmente por causa da crescente resistência das bactérias aos medicamentos. O tema é tão importante que uma das recomendações do Choosing Wisely é  “não usar ou manter antibióticos desnecessariamente”

Isso porque estes medicamento são muitas vezes a salvação, mas podem apresentar também diversas complicações, como aumento de resistência bacteriana, infecções por Clostridium difficile e alterações de microbioma.

Um estudo publicado recentemente pela BMJ identificou que pelo menos um quarto das prescrições de antibióticos em ambulatório preenchidas em 2016 pode ter sido desnecessárias. Essas prescrições inapropriadas eram geralmente geralmente para bronquite aguda, infecção aguda do trato respiratório superior ou sintomas respiratórios.

Leia mais: Bactérias resistentes: qual melhor tratamento, tazocin ou meropenem?

Diante das consequências negativas que essas prescrições podem trazer, um artigo do JAMA elaborou quatro pontos fundamentais que deveríamos questionar antes de prescrever antibióticos:

1. “Este paciente tem uma infecção que requer antibióticos?

Esta é uma pergunta importante para começarmos nossa reflexão. Antes de prescrever antibióticos, devemos pensar em outras condições que possam ser responsáveis pelas alterações. Um paciente com dispneia, por exemplo, pode ter várias condições responsáveis ​​pelo sintoma como pneumonia, atelectasia, insuficiência cardíaca congestiva, embolia pulmonar ou infecção viral para os quais é improvável que os antibióticos sejam benéficos.

Quem nunca recebeu um paciente no ambulatório ou emergência preocupado com exame de urina com bactéria isolada e sem sintomas urinários? A bacteriúria assintomática é um cenário comum para o qual os antibióticos geralmente não são indicados. Vários estudos demonstraram que a bacteriúria e a piúria são comuns e que o tratamento com antibióticos da bacteriúria assintomática aumenta a probabilidade de infecções do trato urinário subsequentes que são resistentes aos antibióticos comuns.

2. “Eu pedi culturas apropriadas antes de começar os antibióticos?

Lembrem-se de pedir culturas antes de iniciar antibióticos, nos casos em que é importante guiar a terapia. A falta de culturas apropriadas pode levar à antibioticoterapia prolongada quando nenhum processo bacteriano existe ou continuação de antibióticos de amplo espectro quando agentes de espectro mais restrito com um perfil de eventos adversos mais favorável poderiam ser usados.

Obviamente, há casos em que as culturas são dispensáveis como em mulheres com cistite simples. No artigo Cistite: o que é, como diagnosticar e qual a melhor antibioticoterapia?, falamos detalhadamente sobre em quais situações deveríamos pedir culturas de urina na cistite.

3. “Os dias estão passando. Posso parar com antibióticos? Posso restringir a terapia? Posso mudar de terapia intravenosa para oral?

É comum vermos os antibióticos esquecidos nas prescrições dos pacientes, isso porque muitas vezes após o início da antibioticoterapia, não há uma rotina de rever as indicações e checar as culturas. É importante que se documente diariamente as decisões, incluindo a indicação de continuada antibioticoterapia, o dia da terapia, planos para reduzir a terapia ou mudar para terapia oral, e a duração esperada de terapia.

4. “Afinal, por quanto tempo devo deixar o antibiótico?”

Durações tradicionalmente recomendadas terapia carecem de evidências científicas, levando à terapia excessivamente prolongadas. Um número crescente de estudos suporta durações mais curtas, inclusive na pneumonia adquirida, pneumonia associada ao ventilador, infecções intra-abdominais, infecções urinárias, celulite e bacteremia por gram-negativo.

Essas infecções constituem mais da metade uso de antibióticos em pacientes internados, independentemente do tamanho do hospital. O tempo de terapia deve ser baseado na literatura e na avaliação da resposta clínicas do paciente.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Rethinking HowAntibiotics Are Prescribed Incorporating the 4 Moments of Antibiotic
    Decision Making Into Clinical Practice JAMA January 15, 2019 Volume 321, Number 2
  • Appropriateness of outpatient antibiotic prescribing among privately insured US patients: ICD-10-CM based cross sectional study BMJ 2019; 364 doi: https://doi.org/10.1136/bmj.k5092

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.