Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Oftalmologia / Anvisa aprova implante para o controle do glaucoma
olhos de uma pessoa com glaucoma

Anvisa aprova implante para o controle do glaucoma

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

Foi aprovado no Brasil um implante que reduz a pressão intraocular em pacientes com glaucoma do tipo primária de ângulo aberto, para a qual as intervenções médicas anteriores à base de laser e colírios não produziram resultados positivos efetivos.

O XEN® Gel Stent reduz a pressão dos olhos, conseguindo com que o fluxo do humor aquoso siga para o espaço subconjuntival graças a uma microcirurgia, com uma pequena incisão na córnea, podendo ser realizada juntamente com a cirurgia de catarata.

“O implante funciona como um pequeno tubo que comunica com a câmara anterior (dentro do olho) com espaço subconjuntival e, dessa forma, permite a passagem do humor aquoso para uma ‘bolha’ onde será drenado. O implante é realizado através de uma cirurgia minimamente invasiva, com um pequeno corte na córnea e sem pontos no olho”, explica a oftalmologista Cecília Sevalho Gonçalves, especialista na área no Centro Campineiro de Microcirurgia e Oftalmologia Signorelli.

Leia mais: Como suspeitar de Glaucoma?

A grande vantagem deste dispositivo é a elevada redução da pressão intraocular com riscos menores para o paciente, quando comparado à cirurgia fistulizante (trabeculectomia). Ao contrário do XEN®, a trabeculetomia requer abertura e a realização de pontos na conjuntiva, elevando o risco de infecções e outras complicações.

Implante para glaucoma já é utilizado fora do país

O implante XEN® já é aprovado em mais de 32 países, como Estados Unidos, Canadá, Europa, Austrália entre outros.

“Esse implante já é comum nos Estados Unidos e em outros países, apresentando resultados positivos. No entanto, os médicos brasileiros precisam de treinamento para aplicá-lo por ser um procedimento delicado”, alerta Cecília Gonçalves.

Os colírios hipotensores para uso diário são, normalmente, a primeira opção de tratamento pela sua facilidade de uso. Nos casos em que a pressão do olho não está sendo controlada com esses métodos, há também a indicação cirúrgica. É aí que entra o novo implante, que permite uma cirurgia eficaz e segura.

Veja também: A importância do glaucoma no cenário de saúde atual

“Como o glaucoma não tem cura e nem reversão, é fundamental indicar ao paciente a realização de exames de medida da pressão intraocular e do fundo do olho periodicamente”, frisa Cecília Gonçalves.

Glaucoma: dados atuais

Em 2020, 80 milhões de pessoas terão glaucoma no mundo, e em 2040 esse grupo somará 111,5 milhões. Esta é a estimativa de centros de pesquisa internacionais e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ainda de acordo com a OMS, o glaucoma é responsável por 12,3% dos casos de cegueira no mundo, sendo a principal causa de cegueira irreversível e perdendo apenas para a catarata na totalidade de casos. A doença é mais comum em pessoas acima dos 40 anos, atingindo cerca de 2% da população nessa faixa etária, mas pode ocorrer em qualquer idade, até mesmo em recém-nascidos.

O XEN® foi aprovado por aqui, mas ainda não se encontra disponível no mercado brasileiro. A previsão é que o implante comece a ser comercializado no país até o final de 2019.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor:

Referências bibliográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.