Página Principal > Cardiologia > Arritmias no paciente com miocardite aguda

Arritmias no paciente com miocardite aguda

Tempo de leitura: 1 minutos.

A miocardite aguda comumente se apresenta como taquicardia, palpitações, dor precordial e/ou dispneia. As arritmias são uma complicação relativamente comum, sendo a maioria delas benigna. Mas quando suspeitar e como manejar o paciente com arritmias potencialmente fatais? Um artigo de revisão recente irá nos ajudar nessas questões.

Palpitações e, principalmente, síncope, são os dois sintomas de alerta. No exame físico, não há marcadores patognomônicos. E, dentre os exames complementares, a troponina até marca um risco de miocardite, mas não há relação entre seus valores e o risco de arritmias. O mesmo vale para o BNP. Já o ECG é capaz de identificar arritmias, mas é a ressonância magnética o principal parâmetro: a presença de fibrose e/ou disfunção ventricular são os dois principais parâmetros prognósticos para a ocorrência de arritmias.

Em pacientes com arritmias ventriculares frequentes, a biópsia endomiocárdica pode ser indicada, pois devemos pesquisar etiologias relacionadas ao maior risco arritmogênico:

  • Miocardite células gigantes;
  • Chagas;
  • Sarcoidose;
  • HIV.

O tratamento das arritmias é o mesmo de outras cardiopatias. Inclusive, no paciente que evolui para miocardiopatia dilatada crônica, há indicação de CDI se houver FV/TV.

Como a miocardite, em geral, acomete jovens, é importante lembrar da necessidade de repouso de esportes de alto rendimento por até 3 a 6 meses, de preferência com reavaliação cardiológica antes do reinício das atividades.

Autor: 

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.