Página Principal > Reumatologia > Artrite inflamatória: Metotrexato tem pior resultado em pacientes jovens
pilulas de medicamento saindo da caixa

Artrite inflamatória: Metotrexato tem pior resultado em pacientes jovens

Tempo de leitura: 2 minuto.

O metotrexato oral (MTX) é a terapia de primeira linha para artrite reumatoide, mas muitos pacientes experienciam falha no tratamento em 12 meses. Um artigo da revista Arthritis Research & Therapy buscou avalar a taxa e os preditores de falha do MTX.

Para esse estudo, pesquisadores recrutaram 431 indivíduos de uma coorte de cuidados primários de pacientes com artrite inflamatória precoce, que utilizavam MTX, entre 2000 e 2008. As razões relatadas pelo paciente para a falha do tratamento foram registradas e categorizadas como evento adverso, ineficácia ou outro. A adição de um segundo DMARD durante o período do estudo também foi categorizada como falha devido à ineficácia.

A probabilidade de os pacientes permanecerem com MTX aos 2 anos foi de 82%. Análises de risco revelaram que a falha devido à ineficácia foi associada à presença de fator reumatoide, idade mais jovem no início dos sintomas e maior atividade inicial da doença. A interrupção do MTX devido a um evento adverso foi menos provável na coorte positiva para fator reumatoide.

Acesse mais de 900 modelos de prescrição para uma rotina médica mais prática. Baixe aqui o Whitebook.

Conclusões

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que os fatores de risco para falha devido à ineficácia no tratamento com metotrexato foram:

  • Presença de fator reumatoide
  • Idade mais jovem no início dos sintomas
  • Maior atividade inicial da doença

Esses pacientes podem requerer terapia combinada como tratamento de primeira linha.

Pausa no metotrexato pode melhorar resposta à vacina contra influenza

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • Bluett et al. Risk factors for oral methotrexate failure in patients with inflammatory polyarthritis: results from a UK prospective cohort study. Arthritis Research & Therapy201820:50. https://doi.org/10.1186/s13075-018-1544-9

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.