Categorias: Cardiologia

Atraso de apenas 1 dia na cirurgia de fêmur já pode aumentar mortalidade

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minuto.

Em recente artigo do Journal of the American Medical Association (JAMA), pesquisadores analisaram a relação entre o tempo de espera para uma cirurgia de fêmur e o risco de complicações e mortalidade em 30 dias.

Para esse estudo retrospectivo de coorte, os autores utilizaram os dados de 72 hospitais em Ontário, no Canadá, para encontrar adultos que passaram por uma cirurgia de fêmur entre 2009 e 2014. O desfecho primário analisado foi a mortalidade em 30 dias; os secundários incluíram outras complicações médicas, como infarto do miocárdio, trombose venosa profunda, embolia pulmonar e pneumonia.

Resultados

A mortalidade geral em 30 dias entre os 42.230 pacientes com fratura no quadril (idade média = 80,1 anos; 70,5% mulheres) analisados foi de 7%. O risco de complicações aumentou quando o tempo de espera foi superior a 24 horas, independentemente da complicação.

Em comparação com os pacientes que fizeram a cirurgia rapidamente (n = 13.731), os indivíduos que receberam cirurgia (n = 13.731) após 24 horas de espera tiveram um risco maior de mortalidade em 30 dias (898 [6,5%] vs. 790 [5,8% ]; diferença absoluta de risco = 0,79; IC de 95%: 0,23 a 1,35) e de complicações (1.680 [12,2%]) vs. 1.383 [10,1%]; diferença absoluta de risco = 2,16; IC de 95%: 1,43 a 2,89).

Pelos resultados, os pesquisadores concluíram que, entre adultos submetidos à cirurgia de fêmur, o aumento do tempo de espera está associado a um maior risco de mortalidade em 30 dias e outras complicações. Uma espera de 24 horas pode representar um limite que define maior risco.

Veja também: ‘Diuréticos tiazídicos protegem contra o risco de fratura?’

Referências:

  • Daniel Pincus, Bheeshma Ravi, David Wasserstein, Anjie Huang, J. Michael Paterson, Avery B. Nathens, Hans J. Kreder, Richard J. Jenkinson, Walter P. Wodchis. Association Between Wait Time and 30-Day Mortality in Adults Undergoing Hip Fracture Surgery. JAMA. 2017;318(20):1994–2003. doi:10.1001/jama.2017.17606
Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

Mediastinite fibrosante: o que precisamos saber

A mediastinite fibrosante (MF) é uma doença rara, caracterizada pela proliferação de fibrose localmente invasiva…

2 horas atrás

Check-up Semanal: oseltamivir na prática clínica, infecção urinária na gestação e mais!

No check-up semanal de hoje, confira: oseltamivir na prática clínica, infecção urinária na gestação e…

3 horas atrás

Como aplicar uma evidência na prática: decisão médica compartilhada

A nova edição da Revista PEBMED abordará Medicina Baseada em Evidências. Aqui, comentamos sobre o uso…

4 horas atrás

Critérios para insuficiência hepática aguda pediátrica: Orientações baseadas a partir do painel PODIUM 

A insuficiência hepática aguda é uma síndrome complexa, grave e rara em crianças e apresenta…

6 horas atrás

Existe algum grupo de maior risco entre os pacientes com score de cálcio 0 na tomografia de coronárias?

O score de cálcio 0 é associado com baixo risco de eventos cardiovasculares e pode…

7 horas atrás

Nutrição Enteral na UTI: 10 dicas para a prática clínica

A importância da nutrição no paciente grave tem sido cada vez mais reconhecida, especialmente nos…

8 horas atrás